O protagonismo das soft skills na nova economia emotiva pós-normal

Como e por que as competências comportamentaisditarão os rumos dos negócios no século 21?

Em 1972, os manuais de treinamento das forças armadas dos Estados Unidos introduziram os termos hard skills e soft skills com o objetivo de explicar aos militares a importância dos diferentes tipos de habilidades que a função lhes exigiria.
Assim, eles compreenderiam quais habilidades técnicas (hard skills) seriam necessárias para as tarefas específicas da rotina e quais habilidades não técnicas (soft skills) deveriam ser desenvolvidas para prestarem um serviço com foco final no cidadão, com sensibilidade, empatia e maleabilidade.

Hoje, as soft skills ou competências comportamentais renascem mais importantes do que nunca, figurando entre as grandes tendências que transformarão o nosso local de trabalho. Enquanto o capitalismo consciente desponta como uma verdadeira missão de resgate no modo de fazer negócios atualmente, tornando a troca de talentos e capitais mais humanizada e altruísta, as soft skills reassumem seu papel de forças, ao invés de fragilidades.

Autoliderança, inteligência espiritual & autenticidade corajosa

Quando bons currículos e qualificações já não são mais suficientes para assegurar o sucesso profissional e corporativo, soft skills como a autoliderança ganham um novo significado.

“O conceito de autoliderança evoluiu do gerenciamento de planilhas de Excel para a administração das emoções em nossa vida. Trata-se da capacidade de acessar e reconhecer as próprias emoções, evoluindo a partir de emoções socialmente aceitas – como a culpa e a vergonha – para a aceitação e o auto-aperfeiçoamento baseados em emoções “condenáveis”, como a inveja e a raiva”, explica Graziela Merlina, fundadora da APOENA, representante da operação Brasil do FreshBiz Game e Diretora de Educação no Instituto Capitalismo Consciente Brasil.

Outra soft skill indispensável, na visão de Graziela, é a inteligência espiritual, ou seja, a capacidade intuitiva relacionada à tríade mente, corpo e alma. “Acolher as pausas, o silêncio e o medo, transformando-os em amor, é o primeiro passo para acessar outro tipo de energia tanto no contexto individual quanto no social e corporativo”, observa Grazi.

Para colocar a autoliderança e a inteligência espiritual em prática, ela destaca ainda uma terceira soft skill fundamental: a autenticidade corajosa – a coragem de parecer ridículo, sonhador e utópico ao expressar seu propósito pessoal na vida. “Durante a passagem de furacão, o melhor lugar para estar é no centro dele, que é estável, enquanto tudo ao redor está caótico e pode nos arremessar para qualquer lado”, conclui Graziela.

Soft skills como integridade na abertura ao desconhecido

O medo e a resistência às transformações e feedbacks externos figuram entre os maiores desafios para a integração de novas soft skills ao nosso repertório emocional. Esta é a visão de Daniela Ruiz, sócia-fundadora do Instituto Emana. “A rigidez diante das opiniões de terceiros e o medo de falhar são barreiras geralmente inconscientes, mas poderosas, impedindo o desenvolvimento de soft skills. Toda crença está associada a alguma emoção, por isso compreender os próprios padrões emocionais limitantes é tão decisivo para o sucesso na vida pessoal e profissional”, afirma Daniela.
A adoção de novas referências e fontes de inspiração representa um importante passo na jornada de integração e aperfeiçoamento de soft skills – coaches, mentores, colegas de trabalho e amigos podem exercer essa função, desde que auxiliem a criar um novo olhar para si mesmo e modelo mental.
“Soft skills, de fato, exigem um esforço bem ‘hard’ para crescer dentro de nós”, complementa Rodrigo Fagundes, coordenador de Educação no Instituto Capitalismo Consciente Brasil.

Aprofunde seu conhecimento

Selecionamos dois livros que podem trazer mais alguns insights para você. Soft skills: competências essenciais para os novos tempos. Lucedile Antunes (coordenação editorial). Literare Books International, 2020 e Liderança Com Base Nas Soft Skills. Cyndia Laura Bressan, Mariluce Lemos Guetten Ribeiro & Andréia Roma (coordenação editorial). Editora Leader, 2019.

Confira na íntegra

Este artigo foi elaborado com base no evento Diálogo Consciente, que aconteceu no dia 10 de fevereiro de 2021. Se você não pôde acompanhar o evento ao vivo, ouça o áudio:

Faça parte

Para ter acesso ao vídeo deste evento, torne-se um associado do Capitalismo Consciente. Além de ser gratuito, te dará acesso a uma série de materiais de curadoria exclusiva.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes