7 competências para ser uma Liderança Consciente

O fator humano ganha destaque no mundo corporativo trazendo diferenciais competitivos para dentro das empresas. A liderança, neste contexto, tem ganhado um papel relevante para a construção de negócios mais conscientes, inspiradores e com foco nas pessoas. O que propomos neste artigo, é apresentar 7 competências da liderança consciente com o propósito de construir uma gestão mais humanizada e espaços mais acolhedores para todos os colaboradores.

1) Autoconsciência: acreditar na importância do autoconhecimento como pontapé inicial para uma jornada de uma liderança mais consciente. Acredita-se que esta competência pode facilitar o processo de florescimento das nossas qualidades e inspirar as mudanças interiores. Quando pensamos em mudar algo na liderança, é fundamental que a mudança comece no lugar mais próximo da gente, como diz Brené Brown. Por consequência, o lugar mais próximo da gente é em nós mesmos e por isso esse mergulho interior é tão importante.

É preciso que o líder tenha consciência de quem ele  é para poder auxiliar seus liderados e liderados a estarem na sua melhor potência. Tomar consciência de quem nós somos, como líderes, fará com que tenhamos mais clareza dos nossos impactos no mundo.

Mas como se pratica a autoconsciência? Existem muitas formas como fazer terapia, conversar com pessoas inspiradoras, ler bons livros, buscar mentores que possam nos auxiliar na jornada da aprendizagem da liderança e participar de grupos de estudos e rodas de conversas.

Desenvolver a autoconsciência é um processo diário, por vezes gera desconfortos, contudo essencial para nossa evolução humana.  Devemos ser observadores de nós mesmos para evolução dessa jornada humana.

2) Integridade:  A integridade do líder deve ser percebida pela sua coerência entre discurso e prática. Sugere-se que a espiritualidade pode ser um dos vetores de evolução da integridade do ser humano. Líderes mais íntegros têm o desejo de dar exemplo para seus liderados e entendem que a liderança consciente (pessoa) é íntegra em todas as dimensões da vida humana. Cultivar a honestidade, a transparência e capacidade de ser justo, na prática da vida, são fatores essenciais para se construir uma liderança com propósito.

3) Flexibilidade: Líderes conscientes que praticam a presença são flexíveis. O estado de presença nos leva a agir de forma harmoniosa com as pessoas, com a sociedade e com o planeta. É importante perceber que o cultivo da flexibilidade nos leva à adaptabilidade e à resiliência. A jornada de desenvolvimento da flexibilidade na liderança, pode contribuir para a valorização dos esportes e das artes que podem trazer novos contextos e novas visões para o líder, ampliando a sua  flexibilidade cognitiva. A arte, por exemplo, pode ser um vetor de criatividade nas organizações. Muito se fala sobre inovação, mas temos quase nada de espaço para as artes e para o esporte dentro das nossas empresas. O esporte pode ajudar na elevação da autoestima, aprimorando o pensamento estratégico, auxiliando na resolução de problemas e no bem-estar das equipes e na resiliência das lideranças.

4)   Comunicação empática: a temática da comunicação empática é uma das ferramentas mais poderosas da liderança. Inclusive, a comunicação empática pode criar relacionamentos mais confiáveis, criar ambientes mais seguros para as pessoas falarem e serem elas mesmas. Incentivar a autonomia das pessoas para que possam tomar decisões mais assertivas no seu trabalho e em sua vida de forma geral é construído com uma comunicação mais empática. 

A comunicação empática também favorece a sustentabilidade dentro das organizações. Esta competência nos ajuda a lidar com maior transparência para construção de relacionamentos mais duradouros. Além disso, acredita-se que a escuta ativa é uma possibilidade para a construção de uma comunicação mais  empática.

5)   Criatividade: acredita-se que a criatividade seja a inteligência coletiva em ação dentro das empresas. As lideranças que se destacam na busca de alternativas para solucionarem os problemas complexos, aqueles que surgem no nosso dia a dia, utilizam-se de múltiplos conhecimentos e acolhem todos os tipos de pensamentos em prol da solução de um problema. Líderes criativos  apoiam-se em uma jornada empresarial mais diversa e inclusiva.

6)  Influência inspiradora: nada é mais importante que liderar pelo exemplo. Ser um líder inspirador favorece o engajamento dos colaboradores. Além disso, líderes inspiradores constroem relacionamentos de forma genuína e autêntica e idealizam estratégicas que geram valor para todos e todas.  

7) Orientação ao servir: esta competência reconhece no líder a sua capacidade de estar a serviço das pessoas, do propósito das empresas e do planeta. Lideranças orientadas ao servir auxiliam a organização e as pessoas em suas jornadas evolutivas. Cada pessoa tem o seu valor e cada empresa tem seu papel no mundo na visão dessa liderança.

Não precisamos ser o melhor líder do mundo, contudo devemos buscar sermos os melhores líderes para o mundo. O líder consciente é a pessoa que a gente é. É como lideramos as nossas amizades, o nosso casamento, nosso trabalho e a nossa vida em todas as dimensões.

*Este texto é fruto de um grupo de estudos em Capitalismo Consciente liderados pela Filial Regional do Capitalismo Consciente no Rio Grande do Sul. Te convidamos a se aproximar da Filial Regional seguindo seu PERFIL NO INSTAGRAM. Seja protagonista na construção de um ecossistema mais sustentável e regido por uma Liderança mais Consciente.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

COP27 | O que esperar da Conferência da ONU sobre mudanças climáticas

Ostentando o controverso slogan “juntos para a implementação”, a Conferência das Partes (COPs), promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU), chega à sua 27ª edição em um cenário de eventos climáticos extremos em todo o mundo. E, não bastassem os inúmeros dados mostrando que o mundo não está fazendo o suficiente para combater as emissões de carbono, tudo indica que a crise climática segue acentuada, também, pela guerra da Ucrânia.

O autocuidado como uma soft skill para os homens no futuro do trabalho

O cuidado é o pilar central para a manutenção da nossa sociedade e economia. E quem diz isso não sou apenas eu, Leandro Ziotto, mas todos os estudos levantados pelo Fórum Econômico Mundial (FEM), Organização Mundial do Comércio (OMC), Organização das Nações Unidas (ONU), McKinsey, Fundo Monetário Internacional (FMI) e etc.

Embaixador(a) I

R$ 0,00