7 insights para substituir consumismo por consciência

Por Capitalismo Consciente
“O ego é um iceberg. Derreta-o. Derreta-o com amor profundo, para que ele desapareça e você se torne parte do oceano.” OshoConsumir é necessário, porém deve ser uma atividade consciente e salutar, como tantas outras que fazem parte do nosso cotidiano. A questão, portanto, não é se devemos comprar, mas sim como se tornar um bom consumidor. Pensando nisso, o Instituto Capitalismo Consciente Brasil relaciona a seguir sete motivações e ideias práticas para transformar impulsos consumistas irracionais em decisões equilibradas e conscientes.

1. Checklist do consumidor

Quer comprar algo, mas está na dúvida se é o momento certo? Antes de se decidir por qualquer compra, faça a si mesmo as seguintes perguntas:

  • Eu realmente preciso desse produto?
  • Eu realmente vou usar esse produto?
  • Tenho dinheiro suficiente para fazer essa compra sem me endividar?
  • Esse produto é fabricado e distribuído por empresas responsáveis – ambientalmente e socialmente?

2. Antes de fazer qualquer compra, tente o combo: um tempo para pensar, uma voltinha, um cafezinho

Trata-se de um exercício simples, mas extremamente eficiente anticompra-por-impulso: entre na loja, separe o que gostou, peça para o vendedor segurar o produto na reserva e suma por um tempo.
Caminhe um pouco, pense sobre o produto, faça contas, tome um café, converse com outras pessoas… Se após essa pausa raciocinada a compra continuar fazendo sentido, talvez realmente valha a pena.

3. Compre apenas quando estiver se sentindo preenchido, amado e reconhecido

Você precisa mesmo de uma compra, ou de um abraço, um colo, um descanso, umas férias? Esqueça a lenda da “shopping-terapia”: curar nossos vazios e carências com conexões humanas reais, atenção e carinho é o que realmente funciona e importa. É fundamental cuidar mais de si mesmo do que das coisas. Estabelecer laços internos e com as pessoas ao nosso redor, e não com produtos, representa de fato substituir consumismo por humanidade.

4. Compre MENOS

A produção e o consumo de itens de moda cresceram exponencialmente nas últimas décadas. Nos Estados Unidos, as pessoas passaram a comprar 400% mais do que há vinte anos; anualmente, 150 bilhões de peças de vestuário são produzidas ao redor do mundo, enquanto um americano médio sozinho joga fora aproximadamente 36 quilos de têxteis – no entanto, não existe realmente “jogar fora”, já que “fora” ainda é no planeta.
A maioria de nós reconhece que compra mais do que precisa e não usa adequadamente tudo o que possui. Essa falsa-facilidade precisa urgentemente ser sobreposta pelo hábito de consumir menos e melhor, cuidar para fazer durar mais e questionar a real necessidade de cada compra feita. E se a gente tivesse só que o ama e realmente usa? E se exercitássemos mais a criatividade para utilizar de formas diferentes o que já temos? A natureza – e o bolso – agradecem.
De acordo com o Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo, o percentual de compradores compulsivos no Brasil é estimado em 5% da população – a maioria, do sexo feminino. Grande parte dessas pessoas está totalmente endividada, implicadas com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e sem qualquer perspectiva de quitar seus empréstimos com instituições de crédito, bancos ou agiotas (SP Gov, 2015).

5. Compre direto de quem faz

Conhecer quem produz o que a gente usa é uma experiência muito mais pessoal e enriquecedora. Trata-se de uma valiosa oportunidade para conversar e descobrir motivações, compreender técnicas e saber por que cada material foi escolhido, além de acrescentar significado autêntico a cada detalhe da mercadoria.

6. Compre perto de você

Comprar de comerciantes vizinhos é uma forma simples de incentivar, valorizar e dar suporte à cultura local. Consumir produtos locais, fabricados onde a gente vive ou está, também costuma significar pagar um valor mais justo por materiais de melhor qualidade e com menos deslocamentos desnecessários.

7. Não compre quando for impossível rastrear onde e como os itens foram produzidos

Para melhorar nossas escolhas, é importante considerar várias hipóteses antes de consumir:

  • O que estou comprando distribui bem o dinheiro ao longo da cadeia de produção?
  • A produção é própria/interna ou terceirizada?
  • A matéria-prima usada é supermanipulada industrialmente? Há excesso de produtos/processos químicos ou tóxicos?
  • Os produtos exigem transporte de longe?
  • Vêm com muita embalagem ou apenas o essencial?
  • Têm valor social, ou seja, beneficiam as comunidades de onde são fabricados?

REFERÊNCIA

⦁ SP Gov, 2015. Ambulatório do HC atende pessoas com compulsão por compras. Disponível em: https://www.saopaulo.sp.gov.br/ultimas-noticias/ambulatorio-do-hc-atende-pessoas-com-compulsao-por-compras/ Acesso em: 15/12/2020.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Mapas, quando precisamos de bússola

Esta semana fui impactado por uma reflexão sobre a importância do mapa e da bússola em uma jornada. A provocação partiu de Julia Tolezano da Veiga Faria, escritora, influencer e jornalista, também conhecida como Jout Jout. Proponho extrapolar e ampliar a reflexão neste artigo.

A revolução das relações

Vivemos um importante período de transição que nos convida a MUDAR a forma como nos relacionamos com nós mesmos e com o mundo. Isto porque a consciência que criou o mundo que vivemos hoje não pode ser a mesma que nos ajudará a criar o futuro.

Embaixador(a) I

R$ 0,00