A essência do ESG: só nos engajamos ao que faz sentido

É animador e me enche de esperança observar o enorme espaço que a pauta ESG conquistou nos círculos empresariais, impulsionada por uma conjunção de forças que tem origem na urgente transformação do modo de se conduzir investimentos e negócios.

Apesar de todo esse espaço, nossa visão como líderes empresariais ainda está em formação. O debate tem se concentrado nas motivações econômicas que nos levam a criar sistemas para lidar com aspectos ambientais, sociais e de governança.

É imprescindível, no entanto, olhar para o ESG também sob uma perspectiva humana, e enxergar o papel das organizações na construção de caminhos sustentáveis para o mundo.

Para nos engajarmos com a profundidade necessária, é fundamental que a sigla ESG faça sentido não apenas para o sistema econômico, mas também para cada um de nós. Só nos engajamos ao que faz sentido, e não seremos capazes de salvar o mundo, de forma caricata, simplesmente “porque o Larry Fink mandou”.

O bilionário, que lidera a gestão de mais de US$10 trilhões em ativos, tornou-se mais conhecido por suas cartas anuais a CEOs, que assertivamente definem contornos para um capitalismo conduzido por relacionamentos mutuamente benéficos a todas as partes.

As declarações de Fink deixam claro ao mercado o motivo econômico: “Nós nos concentramos em sustentabilidade não porque somos ambientalistas, mas porque somos capitalistas e fiduciários para nossos clientes”.

Assim como aos gestores de fundos, o dever fiduciário compele empresários, administradores e lideranças organizacionais a assumir que a lucratividade de uma empresa depende fundamentalmente de sua contribuição para o mundo, expressa em um propósito claro, perseguido por relacionamentos mutuamente benéficos com seus colaboradores, clientes, fornecedores e comunidades.

A evolução do capitalismo

Enxergo nisto a beleza do capitalismo: um sistema que, quando praticado com consciência sistêmica, é capaz de orientar forças interconectadas a produzir os resultados desejados pela sociedade.

É evidente que o sistema, que aperfeiçoamos desde a Revolução Industrial, gerou enorme prosperidade. Em vários aspectos é possível dizer que vivemos os sonhos dos nossos bisavós.

Coletivamente, no entanto, também produzimos resultados que ninguém quer. A transformação acelerada, e a crescente complexidade do mundo em que vivemos, tornam urgente o aprimoramento desse olhar.

A percepção desta emergência, que já causava alteração no fluxo de capitais e a reprecificação de ativos, ficou mais clara com a pandemia. Neste momento de excepcional transformação, desafios gigantes encontram soluções à altura, impulsionadas pelo universo de possibilidades habilitado por tecnologias disruptivas.

Desafios encontram soluções. Propósitos evolutivos dão sentido às empresas. Nos maiores problemas do mundo talvez residam as maiores oportunidades de negócios. E é na direção delas que o capital consciente nos leva.

No campo ambiental, por exemplo, a descarbonização global tem o potencial de criar a maior oportunidade de investimento de todos os tempos.

No social, nem é preciso sair de casa para identificar oportunidades fantásticas: a mais recente pesquisa global do Gallup (2021) revela o tamanho do desperdício de potencial humano nas organizações, apontando que apenas 20% dos colaboradores são engajados à organização a que servem.

É vital para a longevidade de uma empresa que a maneira de pensar seu negócio seja coerente com o estado do mundo atual, e com o ponto em que ela está inserida na jornada humana. Essa consciência pode abrir espaço para a realização do valor que reside no potencial inato dos negócios para causar impacto positivo.

ESG Consciente

O claro e convincente motivo econômico para abraçar o ESG é gerado a partir da consciência de que o benefício ao sistema, aos múltiplos stakeholders, precede o benefício “para mim” ou “para o meu”. Envolve a percepção de nossa interdependência, de conexões ambientais e sociais que precisam ser conservadas, transformadas e regeneradas.

O papel do ESG na construção de caminhos para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) precisa partir de uma intencionalidade mais profunda para fazer sentido. É fundamental transcender o motivo econômico, para engajar pessoas nos diversos grupos de stakeholders, com abertura para a atualização de paradigmas. Desenvolver um novo olhar para como o mundo onde a empresa opera é impactado pelo que ela faz, como ela faz e por que ela faz.

A transformação que precisamos virá da essência de como enxergamos o mundo e as nossas relações.

ESG de verdade não corre em paralelo ao negócio, incorpora a consciência à prática do próprio negócio. Desenvolve-se com a clareza de que empresas não são somente máquinas de gerar lucros. Enxerga que recursos naturais são muito mais que insumos produtivos. Que pessoas não são engrenagens em uma máquina. Atribui à organização o papel social, que não se restrinja a não agredir, mas deixe uma contribuição efetiva à cura da nossa sociedade e do nosso planeta.

O Capitalismo Consciente propõe um modelo que provê a sustentação de um ESG  verdadeiro: percebendo a empresa como um sistema vivo movido por uma causa maior que a pura geração de lucros, integrando e harmonizando os interesses de cada parte no negócio por meio de uma cultura consciente, forjada por líderes com coragem para promover essa transformação.

Operando a partir dessa consciência sistêmica mais ampla, a pauta ESG pode focar no desenvolvimento dos artefatos, práticas, processos e sistemas que asseguram a governança e alavancam a eficácia na geração dos resultados desejados.

O ESG que eu quero cocriar

As práticas ESG são um pilar para as organizações e a sociedade se reinventarem, mantendo-se prósperas e longevas.

A construção deste caminho complexo é coletiva por natureza. No sentido etimológico, complexo é aquilo que é tecido em conjunto, e sustentabilidade, por natureza, pressupõe uma visão interconectada, interdependente.

Seja para preservar ou para gerar valor, pela consciência das necessidades humanas, ou mesmo pela motivação puramente econômica, pelo amor ou pela dor, o ESG verdadeiro será fundamental para as empresas se manterem relevantes.

Eu escolho contar a história que fazemos pelo amor, pela vida. O ESG que eu quero começa com a essência, manifestada de forma simples, pelo Juramento da Empresa que Cura**:

“Primeiro, não prejudique

Vou administrar minha empresa de modo a não prejudicar os outros ou a terra

Erradique o mal

Nunca permitirei ou pactuarei com abuso e exploração. Serei um herói diário que defende a justiça, a verdade, a beleza, a integridade e a simples bondade

O amor conquista tudo

Vou funcionar com amor. Medirei o sucesso pela realização, abundância e alegria que eu proporcionar aos outros.”

REPRODUÇÃO

*Alex Marson  é CEO e membro do Conselho de Administração da Rudolph Investimentos e Participações e Líder do Capitalismo Consciente em Santa Catarina.

**SISODIA, Raj; GELB, Michael. Empresas que curam. Alta Books, 2020

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Cuidar da água é tarefa de todos!

A água — e principalmente a falta dela — é um tema recorrente. Está nos debates escolares, nos noticiários e, em casos extremos, nas torneiras secas de algumas grandes cidades do mundo. Na nossa vida cotidiana, sua presença é marcante: afinal, 70% do nosso corpo é água. Nossa atenção só é chamada para ela, justamente, quando falta. Ou, então, quando ela vem em excesso, em catástrofes climáticas cada vez mais comuns.

A importância da biodiversidade

Áreas de Alto Valor de Conservação (AAVC) são formadas por milhares de hectares de florestas nativas nos diversos biomas do Brasil onde crescem espécies endêmicas e ameaçadas da fauna e da flora. Toda floresta tem valor ambiental e social, mas essas áreas, conhecidas com AAVC, são consideradas especiais.

Embaixador(a) I

R$ 0,00