A Nova Anatomia da Confiança

por Graziela Merlina*

Confiança é uma questão de tempo! Quem já ouviu essa frase ao menos uma vez na vida? Eu, por exemplo, cresci ouvindo e acreditando que só o tempo constrói uma relação de confiança e, mesmo assim, cuidado porque você pode se decepcionar. Uma crença inocente, tradicional e socialmente aceita. Afinal, confiar em qualquer um parece perigoso.

E assim construímos um Princípio das Relações. O Princípio da Desconfiança. Eu preciso desconfiar de você em primeiro lugar, e só depois, com o tempo, depois de tanto você me provar é que eu lhe darei a minha confiança. E claro – eu espero que você, incondicionalmente, também confie em mim. Aliás, se você pisar na bola, eu não procurarei te entender. Porque assim eu vou dar razão a minha necessidade de desconfiar.

Não sei quantas vezes você quebrou a cara, mas eu te provoco a pensar se o “tempo”, de fato, foi o grande vilão.

Temos aprendido cada dia mais a ter uma nova relação com esse danado do tempo. Uma relação mais rápida, mais volátil, mais incerta. Um tempo que se reinventa nele mesmo. Um tempo que me faz jovem enquanto envelheço; que me faz aprendiz enquanto vivo; que me faz forte enquanto luto; que me faz escolher enquanto penso. O tempo já reinventado que insistimos em usar à moda antiga quando continuamos a acreditar que confiança é uma questão de tempo.

O que esse tempo nos diz agora é para abrir os olhos para o novo paradigma da confiança. Não é uma questão de tempo. É uma questão de coragem.

Coragem de confiar antes de desconfiar. Coragem de experimentar antes de concluir. Coragem de dar errado antes de dar certo. Coragem de ser você mesmo antes de descobrir quem você é. Coragem de acreditar que confiança é uma coleção de pequenas escolhas que você faz todos os dias.

Confiança é a escolha de confiar. É a escolha de fazer o certo no lugar do divertido, fácil e rápido. É a escolha de praticar o que se fala. É a escolha de confiar em você mesmo. É ter a coragem de não julgar, de ser generoso, de ser responsável pelo que faz e pelo que não faz, de guardar em segredo o que assim foi combinado.

Então, não vamos culpar o tempo. Ele está aí para lhe mostrar em cada pequeno momento de todos os dias que você pode escolher a confiança. Começando por si mesmo. Ou você não contaria um segredo pra você?

Tempo! Me dá mais um minuto para eu citar uma reflexão da minha admirada pesquisadora Brene Brown:

“Eu não confio nas pessoas que não amam elas mesmas quando elas dizem que me amam.”

Gostou do texto? Ele é um de três artigos da trilogia que aborda vulnerabilidade, escolhas e confiança. Os próximos artigos desta série já estão disponíveis para leitura, basta clicar em uma das imagens abaixo:


Graziela Merlina*

Conselheira Capitalismo Consciente Brasil

Idealizadora do HUB Consultores Conscientes @CasaMerlina

Fundadora da ApoenaRH

Game Designer

Palestrante

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

COP27 | O que esperar da Conferência da ONU sobre mudanças climáticas

Ostentando o controverso slogan “juntos para a implementação”, a Conferência das Partes (COPs), promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU), chega à sua 27ª edição em um cenário de eventos climáticos extremos em todo o mundo. E, não bastassem os inúmeros dados mostrando que o mundo não está fazendo o suficiente para combater as emissões de carbono, tudo indica que a crise climática segue acentuada, também, pela guerra da Ucrânia.

O autocuidado como uma soft skill para os homens no futuro do trabalho

O cuidado é o pilar central para a manutenção da nossa sociedade e economia. E quem diz isso não sou apenas eu, Leandro Ziotto, mas todos os estudos levantados pelo Fórum Econômico Mundial (FEM), Organização Mundial do Comércio (OMC), Organização das Nações Unidas (ONU), McKinsey, Fundo Monetário Internacional (FMI) e etc.

Embaixador(a) I

R$ 0,00