A origem da liderança e o despertar para consciência

Por Hugo Bethlem*

O Capitalismo Consciente é baseado em quatro pilares fundamentais: Propósito Maior, Interdependência dos Stakeholders, Cultura e Valores e uma Liderança Consciente, que garante a aplicação dos outros três pilares.

Mas qual tipo de Liderança? Quando Adam Smith escreveu, em 1776, a Riqueza das Nações, que deu origem ao Capitalismo Moderno, as únicas referências que os habitantes daquela época tinham, eram o exército, o clero e o feudo. Em qual se inspirar para criar e gerir um negócio? Por exclusão: o exército!

Ali, nasce a liderança militar, pela coerção. Maioria das empresas foram conduzidas por essa liderança até os anos 1960, depois vieram as mudanças na gestão pela liderança mercenária, pela “meritocracia pura a qualquer custo”, principalmente depois da celebre afirmação de Milton Friedman:

“A única responsabilidade social das empresas é maximização do lucro e o retorno financeiro aos acionistas”.

Talvez essa máxima tenha distorcido o Propósito das empresas por muitos anos, buscando apenas Líderes sedentos por bônus milionários, usando os recursos humanos e ambientais para atingirem apenas os seus objetivos egocêntricos e pessoais.

Nos anos 2000, provocados por uma nova geração de jovens que já nasceram imbuídos de Propósito e, que não aceitavam mais uma Liderança militar ou mercenária, surge ou ressurge o Líder Missionário, que lidera por inspiração – a Liderança Consciente.

O líder consciente não é, por sua vez, aquele que leva as pessoas nas costas e faz as coisas por ela. Mas sim, aquele que leva as pessoas no coração e mostra o caminho a ser seguido, orientando e corrigindo o rumo à medida da evolução da jornada em busca do Propósito da Empresa. Ele entende que o “Negócio” dos negócios são Pessoas, que devem ser cuidadas e não usadas. Compreende seu papel de líder servidor e, que o sucesso deve ser medido, pela forma como impacta a vida das pessoas.

Nas crises, como essa do coronavírus, o papel fundamental do líder é reduzir a ansiedade da equipe, dar o exemplo e, mostrar que “estamos juntos”, vamos “passar por essa juntos” e que vamos “sair juntos”. Porque sabe que nos tempos difíceis não são os números que vem em sua ajuda, mas sim as pessoas.

Liderar não é para todos, pois é uma escolha difícil, precisamos renunciar ao ego, pensar no bem-estar dos outros, em seus aprendizados e conquistas.

*Hugo Bethlem é Chairman e co-fundador do Instituto Capitalismo Consciente, tem mais de 40 anos de experiência como executivo no varejo. Se especializou em gestão, empreendedorismo e governança em instituições como FGV, Cornell, Babson, IMD, Oxford e Stanford.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Capitalismo e Governança Multistakeholder: Precisamos focar em toda a cadeia de valor!

A proposta da Governança Multistakeholder é compartilhar o poder e o processo de decisão entre as diferentes partes interessadas, fazendo com que esse tipo de Capitalismo seja possível. Ela é feita por meio de um ecossistema interdependente entre todos os stakeholders, no qual mecanismos são desenvolvidos para implementar ações ambientais, sociais, de governança e para o business, utilizando práticas de gerenciamento sustentáveis.

Propósito de vida em ação: Liderando Negócios Conscientes no III Fórum Brasileiro do Capitalismo Consciente

Desafiando o conceito de falso dilema de que “ou você olha o resultado ou você olha a questão do impacto e sustentabilidade”, o executivo ressaltou que é possível integrar resultados financeiros positivos com práticas sustentáveis e impacto social. Ele compartilhou exemplos de empresas que adotaram medidas conscientes e colheram benefícios não apenas reputacionais, mas também financeiros.

Embaixador(a) I

R$ 0,00