As reações ao relatório alarmante sobre mudanças climáticas

Por Marcelo Gripa

“Sem precedentes. Irreversível. Alerta final. Código vermelho. Emergência”. As avaliações sobre o mais recente e completo relatório do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas), da ONU, dão o tom da gravidade do cenário apresentado no início de agosto.

A conclusão do documento, escrito por mais de 200 cientistas de 60 países, é de que, por culpa das ações humanas, o mundo está aquecendo mais rápido que o previsto. A se manter o ritmo, o aumento da temperatura em 1.5°C acima do nível pré-industrial acontecerá em 2030, e não mais em 2040. Atualmente, ela é estimada em 1,1ºC.

O aquecimento global preocupa porque pode levar a eventos climáticos ainda mais severos do que os registrados ultimamente. Se isso acontecer, ondas recordes de calor e de frio e enchentes de grandes proporções, como as que castigaram Alemanha, Bélgica e China em julho, podem se tornar cada vez mais frequentes.

Após a divulgação do relatório, cientistas, governos e autoridades de primeiro escalão saíram em defesa da urgência do tema e se apressaram a oferecer soluções. Nos EUA, a aprovação do pacote de US$ 3,5 trilhões para renovar a infraestrutura do país com conceitos sustentáveis é vista como um passo importante nessa direção.

No mercado financeiro, a SEC – Comissão de Valores Mobiliários dos EUA – estuda exigir que as empresas listadas produzam relatórios climáticos anuais contendo os riscos envolvidos na operação. A ideia é que os investidores possam fazer comparações para tomar decisões mais conscientes, além do lucro.

As conclusões do documento do IPCC também ecoaram na União Europeia. Autoridades destacaram a importância dos compromissos adotados em julho para a descarbonização da economia nos 27 países do bloco. Abaixo, você confere os cinco principais pontos do amplo plano de redução de emissão de gases poluentes no velho continente.

*Marcelo Gripa, jornalista, cobre o universo da sustentabilidade corporativa e é um dos editores-chefe do Economeaning.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Mapas, quando precisamos de bússola

Esta semana fui impactado por uma reflexão sobre a importância do mapa e da bússola em uma jornada. A provocação partiu de Julia Tolezano da Veiga Faria, escritora, influencer e jornalista, também conhecida como Jout Jout. Proponho extrapolar e ampliar a reflexão neste artigo.

A revolução das relações

Vivemos um importante período de transição que nos convida a MUDAR a forma como nos relacionamos com nós mesmos e com o mundo. Isto porque a consciência que criou o mundo que vivemos hoje não pode ser a mesma que nos ajudará a criar o futuro.

Embaixador(a) I

R$ 0,00