BURNOUT E JANEIRO BRANCO

12 meses para escrever uma nova história de bem-estar corporativo

A chegada de 2022 traz um novo desafio para o ecossistema empresarial: o BURNOUT passa a ser considerado pela OMS como síndrome ocupacional do trabalho, algo já refletido na Classificação Internacional de Doenças (CID).

Na gestão de riscos das companhias, a régua subiu muito para esse tema.

Além de todos os problemas de sustentabilidade que o burnout gera para o negócio e para a sociedade, as auditorias internas/externas e os órgãos reguladores podem vir a solicitar políticas, programas e procedimentos frente às ocorrências de burnout, agora vistas formalmente como acidentes de trabalho.

Por isso, a campanha do Janeiro Branco – mês da conscientização sobre a saúde mental – é um excelente gancho para as empresas começarem o ano com um olhar mais criterioso e proativo para a questão, amparadas por boas ferramentas e estratégias.

É uma página em branco que precisa ser preenchida ao longo de 2022. A começar pelas lideranças que devem se preparar para construir espaços de segurança psicológica na organização, assim como serem capazes de identificar liderados com sinais de stress, esgotamento e burnout, dando os primeiros socorros.

Como fazer uma gestão estruturada e eficaz do burnout?

Começando pelo velho ditado, é necessário criar a consciência de que prevenir é melhor (e mais barato!) que remediar.

Nesse sentido, ter à mão o Índice de Bem-Estar Corporativo (IBC) é um excelente ponto de partida. O instrumento, inédito no Brasil e criado pelo Zenklub, permite que as empresas tracem um “mapa de calor” do burnout, definindo ações efetivas e concretas.

Focado na percepção dos colaboradores, o diagnóstico faz esse mapeamento em áreas como: adição ao trabalho, volume de demanda e controle, relacionamento com colegas e líderes e ambiente. Usando o IBC, a empresa pode se comparar ainda com outras da sua indústria, com outros segmentos ou com organizações em diferentes estágios de maturidade.

Outra ferramenta interessante é o Índice de Maturidade do Bem-Estar Corporativo (IMBC), desenvolvido também pelo Zenklub em parceria com a Humanizadas. Com base nas iniciativas gestão de pessoas, este indicador mede o nível de maturidade da empresa, em uma escala crescente – Básico, Seguro, Proativo, Sistêmico e Regenerativo.

Usando o IBC (foco nos indivíduos) e o IMBC (foco nos processos de RH), a organização tem um ferramental poderoso para antecipar riscos, prevenir o absenteísmo ou o presenteísmo, aumentar a produtividade e, principalmente, fomentar um ambiente de inovação.

Porque mentes criativas precisam, em primeiro lugar, estar saudáveis, e isso só se consegue com a construção de uma cultura de bem-estar organizacional.

Que assim seja em 2022! Vamos?

Texto de Cássia Messias – Conselheira do Instituto Capitalismo Consciente Brasil

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Obcecado pelo propósito em vez do lucro

Acreditamos que um negócio só é bom quando cria valor para as pessoas e o planeta, é ético quando baseado em trocas verdadeiras e voluntárias entre seus stakeholders, é nobre quando tem a capacidade de inspirar e elevar a dignidade humana e, principalmente, é heroico quando tira as pessoas da pobreza, gerando prosperidade econômica.

Embaixador(a) I

R$ 0,00