Capitalismo de Stakeholders, Capitalismo Consciente, ESG e SDG

Com o desafio sem precedentes da pandemia da Covid-19, estamos acompanhando um novo momento, um despertar global. A sociedade está exigindo ações em direção a um modelo econômico, social e ambiental mais resiliente, equitativo e sustentável. Evidenciou-se a necessidade urgente das empresas alinharem seus objetivos estratégicos aos objetivos de longo prazo da sociedade e alguns temas que estavam avançando muito lentamente ganharam velocidade e um novo olhar.


Por exemplo, até bem recentemente imperava uma visão fragmentada nas empresas no que se refere a temas como sustentabilidade, questões sociais e de governança, que eram trabalhados separadamente e sem qualquer relação com a estratégia do negócio. O foco das empresas continuava a ser na maximização do lucro no curto prazo e como forma de minimizar as externalidades negativas de suas atividades as empresas desenvolviam ações de responsabilidade social corporativa.


Os SDGs – Sustainable Development Goals (ODS – Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) e a Agenda 2030 eram pouco conhecidos no setor privado. Havia uma percepção de que se trata de assunto que dizia respeito apenas aos governos e às organizações do Terceiro Setor. Assim, o máximo que as empresas faziam era inseri-los em alguma ação de responsabilidade social corporativa.

Tudo isso evidenciou a urgência das empresas alinharem seus objetivos estratégicos aos objetivos de longo prazo da sociedade. Para que isto seja possível é necessária uma abordagem de gestão mais ampla, estratégica e humanizada, que promova a associação dos temas ESG (environmental, social e governance) e os  ODSs, além de uma maior clareza sobre o propósito maior nos negócios e qual legado queremos deixar.

Os princípios do capitalismo de partes interessadas, defendidos pelo Fórum Econômico Mundial desde sua primeira edição, recentemente reafirmados no Manifesto de Davos 2020 e intensificados na edição do Fórum que teve início esta semana, nunca foram tão importantes. Em 2017 o International Business Council (IBC), ligado ao Fórum, liderou o compromisso de mais de 140 CEOs para alinhar seus valores e estratégias corporativas com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU para melhor servir a sociedade. Existe um consenso emergente entre as empresas de que o valor de longo prazo é criado de forma mais eficaz atendendo aos interesses de todas as partes interessadas.

A abordagem do Capitalismo Consciente está diretamente relacionada ao capitalismo de stakeholders e está alicerçada em quatro pilares muito importantes para todas as organizações: propósito, integração de stakeholders, liderança consciente e cultura consciente.

Partindo desta abordagem inspiradora para a ação, é necessário um framework que defina indicadores e métricas para medir os avanços da organização em direção à implantação de práticas de gestão que estejam alinhadas ao propósito maior da empresa, às questões ESG e aos ODSs. Recentemente o IBC, em colaboração com a Deloitte, E&Y, KPMG e PwC, desenvolveu um framework que está baseado em quatro pilares: princípios de governança, planeta, pessoas e prosperidade. Para cada pilar há indicadores, que deverão ser medidos e estão alinhados a alguns dos ODSs, definindo assim métricas comuns para a criação de valor sustentável.

Unindo este framework com os conceitos do Capitalismo Consciente temos uma abordagem consistente para as empresas partirem da inspiração para a ação, medindo e demonstrando suas contribuições em direção a sociedades mais prósperas e em uma relação mais sustentável com o nosso planeta.

Empresas que se responsabilizam pelos seus stakeholders geram valor para todos em vez de destruir e aumentam a transparência de suas atividades serão mais viáveis e valiosas a longo prazo.

Serviço: A partir do dia 2 de fevereiro será realizado o workshop on-line “Nova Era, Novas Regras: o Capitalismo Consciente”, em que serão abordados os pilares do Capitalismo Consciente e como eles se relacionam com temas como ESG. As inscrições estão abertas e para mais informações acesse https://legacy4business.com.br/

**Francine Pena PóvoaÉ fundadora e Diretora da Legacy4Business, embaixadora certificada do Capitalismo Consciente Brasil e co-líder da Regional MG, multiplicadora do Sistema B, administradora e Mestre em Administração de Empresas e atuou por 12 anos como Executiva em empresas de diversos segmentos.

Reprodução

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Cuidar da água é tarefa de todos!

A água — e principalmente a falta dela — é um tema recorrente. Está nos debates escolares, nos noticiários e, em casos extremos, nas torneiras secas de algumas grandes cidades do mundo. Na nossa vida cotidiana, sua presença é marcante: afinal, 70% do nosso corpo é água. Nossa atenção só é chamada para ela, justamente, quando falta. Ou, então, quando ela vem em excesso, em catástrofes climáticas cada vez mais comuns.

A importância da biodiversidade

Áreas de Alto Valor de Conservação (AAVC) são formadas por milhares de hectares de florestas nativas nos diversos biomas do Brasil onde crescem espécies endêmicas e ameaçadas da fauna e da flora. Toda floresta tem valor ambiental e social, mas essas áreas, conhecidas com AAVC, são consideradas especiais.

Embaixador(a) I

R$ 0,00