Capitalismo e Consciência, é possível?

Olá galera consciente,

Hoje publicamos nosso primeiro texto no blog dos Negócios Conscientes.

Eu sou Hugo Bethlem, cofundador e Diretor Geral do Instituto Capitalismo Consciente Brasil (ICCB), muito prazer!

Sugiro, neste primeiro post, relembrarmos o conceito de negócio (business) para vermos a importância que o capitalismo tem nas nossas vidas, no nosso crescimento como profissionais e na nossa dignidade como pessoas.

Um negócio é bom porque cria valor, é ético porque é baseado na troca voluntária, é nobre porque pode elevar a existência e é heroico porque tira as pessoas da pobreza e gera prosperidade.

Nestes últimos 200 anos de existência, o capitalismo trouxe muitas contribuições para o ser humano. Após ser conceituado por Adam Smith e vivido a partir da revolução industrial, o capitalismo gerou muita riqueza, incluiu muitas pessoas, melhorou a qualidade de vida e dignidade de muitos, mas também gerou malefícios à saúde e principalmente ao meio ambiente. E, mesmo assim, apesar de ter seus aspectos negativos, o capitalismo continua sendo a melhor forma de gerar riqueza e incluir as pessoas elevando a dignidade. Para tanto, é preciso repensar a forma de se fazer negócios.

Nós, do Capitalismo Consciente, acreditamos que existe um novo pensar e que é possível fazer negócios de uma maneira consciente, gerando impactos positivos, além de resultados financeiros.

Mas como conciliar capitalismo e consciência, palavras aparentemente opostas?

Capitalismo, normalmente, remete a individualismo, ambição pessoal, acumulação de riqueza e poder, identidade construída por conquista externa, competição e defesa da escassez. Já consciência remete a ser consciente, autoconhecimento, desenvolvimento pessoal, cooperação, abundância e consciência socioambiental.

Para capitalismo e consciência tornarem-se sinônimos é preciso que as empresas liguem os pontos entre propósito (o porquê existem), visão estratégica (o como fazem dinheiro) e impacto social (qual diferença fazem no mundo).

O Instituto Capitalismo Consciente Brasil existe para ajudar todos os interessados a iniciarem/continuarem nesta jornada de comunhão entre capitalismo e consciência.

Todo Líder Consciente deve começar a busca pelo seu propósito pessoal: o que lhe faz levantar da cama todo dia com tesão de realizar algo muito maior do que apenas consumir recursos naturais (comendo e bebendo) e devolver xixi, cocô e lixo para o planeta. Identificado o seu propósito, o passo seguinte é conseguir levá-lo ao seu negócio e, assim, compartilhá-lo com todos que o cercam. Parece difícil? Mas juntos conseguimos tornar essa jornada possível e até divertida.

Como diz sir Richard Branson, do Grupo Virgin: “Mudar o mundo começa com um pequeno grupo de pessoas, que simplesmente se recusa a aceitar o inaceitável”.

Você se identificou? Venha conosco nessa jornada transformadora do modus operandi de fazer negócios.

Carinhoso abraço,

Hugo Bethlem

Diretor Geral do ICCB

#capitalismo #consciência #negócios

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Mapas, quando precisamos de bússola

Esta semana fui impactado por uma reflexão sobre a importância do mapa e da bússola em uma jornada. A provocação partiu de Julia Tolezano da Veiga Faria, escritora, influencer e jornalista, também conhecida como Jout Jout. Proponho extrapolar e ampliar a reflexão neste artigo.

A revolução das relações

Vivemos um importante período de transição que nos convida a MUDAR a forma como nos relacionamos com nós mesmos e com o mundo. Isto porque a consciência que criou o mundo que vivemos hoje não pode ser a mesma que nos ajudará a criar o futuro.

Embaixador(a) I

R$ 0,00