Capitalismo e Consciência, é possível?

Olá galera consciente,

Hoje publicamos nosso primeiro texto no blog dos Negócios Conscientes.

Eu sou Hugo Bethlem, cofundador e Diretor Geral do Instituto Capitalismo Consciente Brasil (ICCB), muito prazer!

Sugiro, neste primeiro post, relembrarmos o conceito de negócio (business) para vermos a importância que o capitalismo tem nas nossas vidas, no nosso crescimento como profissionais e na nossa dignidade como pessoas.

Um negócio é bom porque cria valor, é ético porque é baseado na troca voluntária, é nobre porque pode elevar a existência e é heroico porque tira as pessoas da pobreza e gera prosperidade.

Nestes últimos 200 anos de existência, o capitalismo trouxe muitas contribuições para o ser humano. Após ser conceituado por Adam Smith e vivido a partir da revolução industrial, o capitalismo gerou muita riqueza, incluiu muitas pessoas, melhorou a qualidade de vida e dignidade de muitos, mas também gerou malefícios à saúde e principalmente ao meio ambiente. E, mesmo assim, apesar de ter seus aspectos negativos, o capitalismo continua sendo a melhor forma de gerar riqueza e incluir as pessoas elevando a dignidade. Para tanto, é preciso repensar a forma de se fazer negócios.

Nós, do Capitalismo Consciente, acreditamos que existe um novo pensar e que é possível fazer negócios de uma maneira consciente, gerando impactos positivos, além de resultados financeiros.

Mas como conciliar capitalismo e consciência, palavras aparentemente opostas?

Capitalismo, normalmente, remete a individualismo, ambição pessoal, acumulação de riqueza e poder, identidade construída por conquista externa, competição e defesa da escassez. Já consciência remete a ser consciente, autoconhecimento, desenvolvimento pessoal, cooperação, abundância e consciência socioambiental.

Para capitalismo e consciência tornarem-se sinônimos é preciso que as empresas liguem os pontos entre propósito (o porquê existem), visão estratégica (o como fazem dinheiro) e impacto social (qual diferença fazem no mundo).

O Instituto Capitalismo Consciente Brasil existe para ajudar todos os interessados a iniciarem/continuarem nesta jornada de comunhão entre capitalismo e consciência.

Todo Líder Consciente deve começar a busca pelo seu propósito pessoal: o que lhe faz levantar da cama todo dia com tesão de realizar algo muito maior do que apenas consumir recursos naturais (comendo e bebendo) e devolver xixi, cocô e lixo para o planeta. Identificado o seu propósito, o passo seguinte é conseguir levá-lo ao seu negócio e, assim, compartilhá-lo com todos que o cercam. Parece difícil? Mas juntos conseguimos tornar essa jornada possível e até divertida.

Como diz sir Richard Branson, do Grupo Virgin: “Mudar o mundo começa com um pequeno grupo de pessoas, que simplesmente se recusa a aceitar o inaceitável”.

Você se identificou? Venha conosco nessa jornada transformadora do modus operandi de fazer negócios.

Carinhoso abraço,

Hugo Bethlem

Diretor Geral do ICCB

#capitalismo #consciência #negócios

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Capitalismo e Governança Multistakeholder: Precisamos focar em toda a cadeia de valor!

A proposta da Governança Multistakeholder é compartilhar o poder e o processo de decisão entre as diferentes partes interessadas, fazendo com que esse tipo de Capitalismo seja possível. Ela é feita por meio de um ecossistema interdependente entre todos os stakeholders, no qual mecanismos são desenvolvidos para implementar ações ambientais, sociais, de governança e para o business, utilizando práticas de gerenciamento sustentáveis.

Propósito de vida em ação: Liderando Negócios Conscientes no III Fórum Brasileiro do Capitalismo Consciente

Desafiando o conceito de falso dilema de que “ou você olha o resultado ou você olha a questão do impacto e sustentabilidade”, o executivo ressaltou que é possível integrar resultados financeiros positivos com práticas sustentáveis e impacto social. Ele compartilhou exemplos de empresas que adotaram medidas conscientes e colheram benefícios não apenas reputacionais, mas também financeiros.

Embaixador(a) I

R$ 0,00