CEO, seja um farol para as próximas gerações!

por Ricardo Klein*
Neste início de março a Edelman, uma das mais conceituadas consultorias do mundo, publicou a 21ª edição do seu consagrado estudo Trust Barometer.

Trata-se de um projeto de alcance global, envolvendo 28 países (Brasil incluído) e mais de 30.000 pessoas pesquisadas. Em linhas gerais, o estudo analisa o grau de confiança que a população deposita em diferentes setores que impactam nossas vidas: governos, empresas, ONGs e também a imprensa.

O momento é desafiador para os verdadeiros líderes

A pandemia acendeu radares em diferentes esferas e muita coisa tem sido colocado em xeque. Há uma desconfiança generalizada não só nas instituições, mas também no papel dos líderes em todo o mundo.
Nenhum dos atores sociais pesquisados vive um bom momento. Líderes governamentais, corporativos, jornalistas e até religiosos estão sob o olhar atento da comunidade e tiveram queda nos respectivos indicadores de confiança. A credibilidade dos CEOs está em baixa tanto em países em desenvolvimento, como Brasil e Índia, quanto em países como Japão e França.

Ao mesmo tempo, é justamente no setor privado onde estão depositadas as maiores fichas para a mudança de direção. Sendo percebidas como as mais confiáveis entre as instituições avaliadas, é clara a expectativa para que as empresas assumam um papel cada vez mais relevante na sociedade.

Quando as empresas trabalham os pilares do Capitalismo Consciente

Se imaginarmos o potencial de ação e mobilização que estas empresas têm quando pautadas por princípios éticos e de valores compartilhados, os resultados são muito positivos.
Nesta hora é impossível não conectar com os quatro pilares do Capitalismo Consciente e a maneira como eles impactam concretamente não só a gestão dos negócios, mas também a troca entre os diferentes setores e pessoas.
Vale aqui um parêntese rápido para trazer outra pesquisa que cada vez ganha mais força – Empresas Humanizadas – e os resultados conquistados por empresas com atitudes mais humanas.

Fazer o bem gera resultados superiores e estou falando não só no contexto social, mas também no contexto financeiro e no retorno sobre o investimento. Os números são fatos e fatos a gente dificilmente contesta.

Líderes, o momento é agora

Voltando ao estudo da Edelman, um dos capítulos que mais me chamou foi sobre a crise na liderança. Sim, existe um capítulo só para debater esta questão.
A pandemia fez ascender líderes que tem feito a diferença. Líderes que saíram de trás de suas mesas, arregaçaram as mangas e claramente se posicionaram em meio ao caos. Com atitudes concretas e exemplos diários são líderes que deixam suas marcas. Uma das mais emblemáticas no Brasil, e não é de hoje, tem sido a Luiza Helena Trajano.
O estudo traz dados que nos levam a uma importante e, porque não, obrigatória reflexão.

O que esperar dos líderes atuais? Como eles podem fazer a diferença quando tudo parece fora de controle?

“As expectativas elevadas de negócios trazem aos CEOs novas demandas para se concentrarem no engajamento social com o mesmo rigor, consideração e energia usados para gerar lucros” é dito em determinado trecho do estudo.

Dada a inoperância do poder público, o que se espera de líderes e CEOs não é mais o papel coadjuvante.
Verdadeiros líderes conscientes são agentes de uma mudança necessária não só no Brasil, mas no Mundo. Grandes nações carecem de líderes que possam fazer a diferença.
Chegou a hora de se expor, saindo das trincheiras e assumindo um protagonismo maior. É momento de se posicionar, de ser o guia que aponta o caminho e ajuda a atravessá-lo. É ser o farol para uma nova geração.

O momento é agora!

Fontes

Edelman Trust Barometer 2021 – https://www.edelman.com/trust/2021-trust-barometerInstituto Capitalismo Consciente Brasil – www.ccbrasil.ccEmpresas Humanizadas – www.humanizadas.com

*Ricardo Klein é Líder na BeOnBoard e Embaixador Certificado do Capitalismo Consciente.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Obcecado pelo propósito em vez do lucro

Acreditamos que um negócio só é bom quando cria valor para as pessoas e o planeta, é ético quando baseado em trocas verdadeiras e voluntárias entre seus stakeholders, é nobre quando tem a capacidade de inspirar e elevar a dignidade humana e, principalmente, é heroico quando tira as pessoas da pobreza, gerando prosperidade econômica.

Embaixador(a) I

R$ 0,00