Como dar um bom Feedback

O feedback realizado com assertividade pode ser uma importante e valiosa ferramenta para ajustar os processos dentro de uma empresa. O que muita gente não sabe é que esse retorno pode ter diferentes finalidades, sendo que os mais usados servem para: corrigir, reconhecer e desenvolver.

Vale lembrar que, ao lidar com pessoas, é importante agir com o devido respeito, considerando que os colaboradores de uma empresa são profissionais e que um dos principais papeis do gestor é o de formar grandes equipes, e não controlar pessoas.

Carreiras são jornadas, dificilmente alguém vai querer fazer a mesma coisa por 35 anos. Por isso, sugiro ensinar-nos constantemente uns aos outros sobre o que fazemos, para que todos entendam o negócio e queiram se sentir pertencentes a ele.

Na hora do feedback, portanto, ao invés de usar essa palavra que gera um certo desconforto, é melhor usar uma abordagem mais sutil, como “vamos conversar sobre o que você está fazendo de forma correta e o que pode melhorar” ou “isso aqui você fez muito bem e ali você tem potencial para fazer melhor”, sem usar palavras que generalizam ou causam exclusão, como: nunca, sempre, toda vez,  porém e mais. Ao contrário dessas palavras de ligação podem ser mais eficazes, como: no entanto, ao mesmo tempo.

Outra condição que vale à pena ser levada em consideração é ter a conversa imediata com o colaborador na hora da ação, ou seja, no momento em que está ocorrendo o fato que precisa ser corrigido ou enaltecido. Assim, o foco fica na ação, deixando de parecer uma opinião em relação à pessoa, mas sim sobre seu trabalho ou conduta, corrigindo ou reforçando o que é importante para a organização.

Se não for possível fazer na hora do evento ocorrido, tenha em mente que a conversa servirá para desenvolver o colaborador, e não para desmotivá-lo. Para isso, é importante que o gestor saiba como está seu desempenho, se ele está atingindo os resultados e se a execução está adequada. Deixar claro o que ocorreu e o motivo pelo qual o gestor decidiu conversar com ele, faz com que o liderado entenda o que se espera que seja feito de forma muito mais clara. Sendo assim, comunique o impacto ocorrido e negocie os próximos passos.

Por fim, é sempre bom o gestor lembrar de defender seus valores, dar exemplo e ser pontual nas reuniões.

Gestor não serve só para comandar, mas sim para criar clima de possibilidades.

*Ariadne Rafaella Tomczak é Fundadora da Rumo Certo Desenvolvimento Humano e Organizacional, Coach, Headhunter e Co-Líder da Filial Regional do Capitalismo Consciente em Santa Catarina.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Cuidar da água é tarefa de todos!

A água — e principalmente a falta dela — é um tema recorrente. Está nos debates escolares, nos noticiários e, em casos extremos, nas torneiras secas de algumas grandes cidades do mundo. Na nossa vida cotidiana, sua presença é marcante: afinal, 70% do nosso corpo é água. Nossa atenção só é chamada para ela, justamente, quando falta. Ou, então, quando ela vem em excesso, em catástrofes climáticas cada vez mais comuns.

A importância da biodiversidade

Áreas de Alto Valor de Conservação (AAVC) são formadas por milhares de hectares de florestas nativas nos diversos biomas do Brasil onde crescem espécies endêmicas e ameaçadas da fauna e da flora. Toda floresta tem valor ambiental e social, mas essas áreas, conhecidas com AAVC, são consideradas especiais.

Embaixador(a) I

R$ 0,00