Como impedir que o ESG se torne um Greenwashing?

O aumento das discussões acerca do ESG (sigla para práticas ambientais, sociais e governança, em tradução) tem influenciado as empresas a assumirem compromissos socioambientais. No entanto, para que esse posicionamento não seja superficial, é necessário que haja coerência entre as estratégias e as práticas de negócio.

Esses são pontos que precisam ter uma sinergia e conversar entre si, caso contrário, a probabilidade de surgirem problemas reputacionais é alta, e a cia corre o risco de cair no “greenwashing” – ou seja, uma maquiagem verde para propagandear um falso pacto com a sustentabilidade corporativa.

Impedir que o ESG se torne um novo Greenwashing, perdendo seu potencial transformador, é sem dúvidas um dos maiores desafios da atualidade. Nesse sentido, a CAUSE orienta em 4 passos como evitar esse tipo de atitude, considerando – além da visão de nossos estrategistas – contribuições que o alemão Kim Schumacher, especialista em ESG e consultor do Ministério do Ambiente, Clima e Desenvolvimento Sustentável de Luxemburgo, fez em artigo publicado na revista “Responsible Investidor”.

Confira:

Explicando o Greenwashing

É quando uma empresa utiliza os fundamentos do ESG apenas como um chamariz para atrair investimentos ou ganhos de imagem – ou seja, a companhia se associa a atributos de responsabilidade ambiental, social e de governança, mas não incorpora a agenda ESG em suas operações. Veja 5 passos para evitar cair ou receber essa classificação:


1º Passo:


Faça um diagnóstico das competências existentes hoje na sua organização, para entender o que pode ser incorporado, através de treinamentos e especializações, o que precisa ser recrutado e o que pode ser adquirido junto a parceiros externos, como consultorias especializadas.


2º Passo:


Apesar de necessários, certificados ou programas curtos de liderança não substituem o conhecimento técnico acumulado por experiência e/ou anos de pesquisa científica sobre questões ESG. Portanto, é fundamental que organizações criem equipes que equilibrem tanto o saber teórico quanto o prático relativos a ESG.


3º Passo:


Nem todas as organizações têm recursos para construir departamentos ESG.
Nesses casos, é importante incorporar indicadores relativos às questões ESG, desenvolvidos por instituições relevantes, no centro da tomada de decisão das empresas. É uma alternativa para complementar as capacidades internas da organização, por vias mais acessíveis.

4º Passo: Avaliar se discurso e prática são coerentes


Oficialmente, no Brasil, não há uma entidade que ateste práticas ESG, mas existem algumas formas de avaliar o desempenho ESG das organizações, como as plataformas Sistema B, SASB, TCFD, MSCI ESG. Outro caminho é o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), da Bolsa de Valores, que avalia as cotações dos ativos de empresas pelo seu comprometimento com a sustentabilidade.

Quer aplicar ESG à operação da sua empresa? A Cause conta com uma equipe multidisciplinar que atua na gestão de causas, via estratégias de comunicação, engajamento e advocacy; trabalho que visa o aumento do desempenho ESG. Entre em contato conosco no email [email protected]

Conteúdo produzido pela CAUSE. Conheça o Movimento AQUI

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Capitalismo e Governança Multistakeholder: Precisamos focar em toda a cadeia de valor!

A proposta da Governança Multistakeholder é compartilhar o poder e o processo de decisão entre as diferentes partes interessadas, fazendo com que esse tipo de Capitalismo seja possível. Ela é feita por meio de um ecossistema interdependente entre todos os stakeholders, no qual mecanismos são desenvolvidos para implementar ações ambientais, sociais, de governança e para o business, utilizando práticas de gerenciamento sustentáveis.

Propósito de vida em ação: Liderando Negócios Conscientes no III Fórum Brasileiro do Capitalismo Consciente

Desafiando o conceito de falso dilema de que “ou você olha o resultado ou você olha a questão do impacto e sustentabilidade”, o executivo ressaltou que é possível integrar resultados financeiros positivos com práticas sustentáveis e impacto social. Ele compartilhou exemplos de empresas que adotaram medidas conscientes e colheram benefícios não apenas reputacionais, mas também financeiros.

Embaixador(a) I

R$ 0,00