Como o Capitalismo Consciente e os programas corporativos de bem-estar financeiro se relacionam?

por Thiago Hagui*

Nesse ano de 2020, em meio a uma grave crise econômica gerada pelo contexto pandêmico no Brasil e no mundo, as estratégias financeiras das organizações e dos indivíduos foram colocadas à prova. Nesse cenário, deficiências de planejamento foram claramente reveladas, o que levou a questionamentos sobre os modelos tradicionais de negócio.

Preocupados com este tema tão comum na sociedade – a tensão financeira, que se resume no impacto causado pela falta de planejamento financeiro na vida dos colaboradores, líderes, gestores e equipes de recursos humanos têm trabalhado com um olhar mais cuidadoso em relação aos programas de bem-estar financeiro focado nos colaboradores.

Programas corporativos de bem-estar financeiro têm como objetivo ajudar a organização do planejamento financeiro dos colaboradores, que são parte dos stakeholders da empresa. Problemas na organização financeira podem impactar indiretamente na organização, como por exemplo:

  • Colaboradores que precisam utilizar das horas trabalhadas para cuidar das finanças pessoais;
  • Problemas de estresse devido às questões financeiras,
  • Desempenho abaixo do esperado e,
  • Prejuízo para a organização devido à baixa performance.

Dessa maneira, as empresas que investem em educação financeira miram muito além de sua própria produtividade, pois cumprem um importante papel social ao empoderar seus colaboradores a tomar decisões conscientes, tendo um impacto positivo na sua vida particular, no seu trabalho e na sua comunidade.

Considerando os 4 Pilares do Capitalismo Consciente, investir na melhoria da qualidade da vida financeira dos colaboradores tem como consequência o aumento do engajamento com a empresa através do sentimento de pertencimento e alinhamento com o propósito, a valorização da liderança e a disseminação da cultura consciente, resultando em:

  • Redução do estresse no trabalho causado por problemas financeiros pessoais;
  • Redução do turnover;
  • Aumento de produtividade.

Pode-se concluir, a partir das informações apresentadas, que os programas de bem-estar financeiro estão alinhados aos pilares do Capitalismo Consciente. Ainda, pode-se ressaltar que com a implementação destes programas, todos os envolvidos saem ganhando e, por consequência, ocorre a melhora não só de produtividade no trabalho, mas como também no impacto na qualidade de vida dos colaboradores e da sociedade através da consciência financeira.

*Thiago Hagui é Planejador Financeiro Pessoal na GFAI e Embaixador E1 do Capitalismo Consciente.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Obcecado pelo propósito em vez do lucro

Acreditamos que um negócio só é bom quando cria valor para as pessoas e o planeta, é ético quando baseado em trocas verdadeiras e voluntárias entre seus stakeholders, é nobre quando tem a capacidade de inspirar e elevar a dignidade humana e, principalmente, é heroico quando tira as pessoas da pobreza, gerando prosperidade econômica.

Embaixador(a) I

R$ 0,00