A consciência abrindo espaço na cultura das empresas

Por necessidade ou por desejo, não importa. O fato é que vivemos a era da transparência. Não dá mais para ter um discurso diferente do comportamento. Atitude diferente do escrito na missão, visão, valores e propósito.

Propósito?

A razão de existir da empresa, além do lucro. O legado a ser deixado. Aquele “Q” a mais, tão relevante que faz os olhos brilharem,  motivação se tornar inabalável e  antídoto para a síndrome do domingo à noite.

O comportamento do consumidor evoluiu. Discursos vazios, mesmo que bonitos, engajam cada vez menos pessoas e por menos tempo. A tal da transparência é fato. Redes sociais, câmeras nos celulares, consumidores exigentes, hipercompetição entre marcas, colaboradores empoderados são ingredientes dessa nova era.

Neste ambiente pós pandemia, ágil, digital e ávido por inovações – para não dizer – dependente total delas, a cultura das empresas agora é foco de holofotes. Se antes, só clientes mereciam tratamento especial, agora os demais stakeholders começam a ser mais notados e valorizados.

Cultura como protagonista

Não é de hoje que a cultura de uma empresa é alvo de atenção. Há anos já se vem valorizando ambientes organizacionais mais saudáveis e alguns selos foram criados para a busca dessa tangibilização como o GPTW (Great Place to Work). Inovadora, foi outro adjetivo que tenta-se vincular à cultura, uma vez que a vantagem competitiva de muitas empresas, notadamente, as indústrias e as de serviços, dependem de sua capacidade de lançar novos produtos e serviços para satisfazer o consumidor cada vez mais exigente, crítico e insatisfeito.

Próxima praia à vista? Consciência. 

Uma cultura consciente. Aquela que ao considerar todos os stakeholders como parceiros de um jogo em que todos ganham  – sim, para um ganhar o outro não precisa, aliás, não deve perder – prima pela transparência (ela de novo!), casada com ética em um relacionamento de longo prazo. 

Eu sei, parece lindo, mas surreal, né?

Mas faz total sentido: 

– Colaboradores sentem-se mais felizes em trabalhar em uma empresa com propósito genuíno que se importa com o planeta (nosso super Stakeholder) e com a sociedade e portanto: negociações justas com fornecedores, parceiros e clientes. 

– Fornecedores preferem trabalhar com empresas que não espremem suas margens pelo simples poder de barganha que eventualmente tenham.  Gostam de ser parceiras em desenvolvimentos e próximos passos.

– Clientes querem sentir orgulho das marcas que consomem. O “status”está sendo ressignificado. Consumir de marcas conscientes de seu papel ambiental e social é cada vez mais cool.

– Acionistas que não tem nada de bobos, querem investir em marcas sustentáveis e rentáveis que acompanham o fluxo da nova economia. 

A mesma lógica pode ser aplicada a quaisquer stakeholders. Todos são impactados  – e essa palavra é perfeita nesse contexto – pela consciência nas relações.  Essa consciência traz cuidado, ética, atitudes e práticas com critérios embasados na sustentabilidade social e ambiental.

Esse clima colaborativo, sem ataque, sem defesa é o que se vislumbra em empresas da nova economia. Empresas que entendem e praticam a sustentabilidade na plenitude da palavra. Empresas conscientes.


Célia Linsingen é Conselheira na Filial Regional do Capitalismo Consciente em Curitiba e também Consultora, Mentora e professora em Marketing e Branding. Mestre em Administração (Comportamento do Consumidor) e MBA Internacional em Gestão Estratégica da Inovação. Podcaster (Tendências de Mercado e Consumo), Multiplicadora do Sistema B e Co-founder da Brandita.


Confira também:

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Obcecado pelo propósito em vez do lucro

Acreditamos que um negócio só é bom quando cria valor para as pessoas e o planeta, é ético quando baseado em trocas verdadeiras e voluntárias entre seus stakeholders, é nobre quando tem a capacidade de inspirar e elevar a dignidade humana e, principalmente, é heroico quando tira as pessoas da pobreza, gerando prosperidade econômica.

Embaixador(a) I

R$ 0,00