CONSCIÊNCIA e CHIMARRÃO

empresas gaúchas unidas por uma nova forma de fazer negócios

por Eliane Davila, Guilherme Massena, Solon Stahl, Soraia Schutel e Suzane Girondi Culau Merlo* para o Instituto Capitalismo Consciente Brasil.

Porto Alegre, 10 de fevereiro de 2022.

Fundado em 2013, o Instituto Capitalismo Consciente Brasil (ICCB) incentiva, inspira e ajuda empreendedores e líderes a aplicarem os princípios do Capitalismo Consciente em suas organizações. Com mais de 200 empresas associadas, o ICCB anuncia a criação da Filial Regional do movimento no Rio Grande do Sul que pretende criar ações, conteúdos e eventos locais para reunir um ecossistema de negócios que desejam adotar práticas mais conscientes em Terras Gaúchas.

Para inaugurar os trabalhos, a Filial Regional realizou, no último dia 26, um evento para abordar os pilares que sustentam o movimento por meio de quatro empresas gaúchas que já possuem práticas conscientes. Neste artigo você confere os principais Insights das falas dos convidados neste encontro.

Propósito Maior, o segredo para sobreviver pós-pandemia

O mundo pós-pandemia, que testemunha urgências ambientais e climáticas crescentes, também presencia movimentos de consumidores e de forças de trabalho cada vez mais conscientes e dispostos a escolher empresas que expressam seus propósitos de forma autêntica, que adotam práticas de sustentabilidade conectadas com valores claros e que se comunicam com transparência.

Neste cenário, as empresas que irão se destacar, ou mesmo permanecer no mercado, possuem um senso de direção evolutivo, impulsionam soluções sustentáveis e deixam marcas positivas para um mundo ambientalmente saudável, climaticamente estável e socialmente justo. Empresas são guiadas por um propósito maior, uma razão de existir.

Empresas conscientes reconhecem que seus negócios, acima do lucro, fazem parte de um organismo social vivo e em permanente transformação. Entendem, também, que suas condutas desempenham um papel de absoluta relevância e influência na forma como o desenvolvimento econômico, social e ambiental vai se dar daqui para frente.

Habilidades em prol de um novo paradigma de gestão

Não é possível pensar num novo paradigma de gestão sem uma nova mentalidade e atitude da liderança. “Uma liderança consciente talvez seja o elemento mais importante do capitalismo consciente” segundo John Mackey e Raj Sisodia. Entre as características que norteiam a ação da liderança consciente estão:

  1. Integração das características femininas – não compreendidas como gênero, mas sim como força da vida – como carinho, compaixão, cooperação, intuição;
  2. Autoconhecimento, identificando os valores e motivações mais profundas;
  3. Integridade, como virtude que abrange a autenticidade, confiabilidade e coragem;
  4. Capacidade de amar e cuidar de outras pessoas;
  5. Para além da inteligência analítica, foco do desenvolvimento de lideranças do paradigma industrial, a liderança consciente agrega as demais inteligências humanas tais como a sistêmica, emocional e espiritual.

Confiança e trocas justas

Uma empresa Capitalista Consciente reconhece a interdependência entre as partes interessadas e acredita que o negócio deva gerar valor compartilhado para todos. Esta é a visão de um importante pilar que sustenta o movimento: Orientação para Stakeholders.

Empresas com orientação para stakeholders têm visão de ecossistema e alteram seu comportamento de EGOcentrismo para ECOcentrismo. Ao mesmo tempo, estimula, acredita e investe nas relações ganha-ganha-ganha: onde a empresa ganha, o outro ganha e o ecossistema também ganha.

Com o tempo as trocas utilitárias, que são baseadas somente em preço, vão sendo substituídas pelas trocas justas, gerando ganhos pra todos, que envolvem:

·         Manutenção ou geração de emprego e renda

·         Recolhimento correto dos impostos;

·         Preservação de margens de fornecedores dos quais dependem; e

·         Melhores salários, ampliando o poder de compra de consumidores de toda cadeia.

Importante alertar que as trocas justas são baseadas em relações de confiança e não somente comerciais, e acreditem, não existe nada mais barato e veloz que a confiança. Com isso, todo o sistema avança, gerando prosperidade para todos e não riqueza somente para algumas partes.

A Cultura como meio de propagar o Capitalismo Consciente

Assim como os outros pilares do Capitalismo Consciente, a cultura é essencial para manter o equilíbrio e a entrega de acordo com o propósito maior da empresa.

Numa visão mais focada na empresa, podemos entender que a cultura é aquilo que é vivido no dia a dia. Guardiões ou guardiãs dessa cultura, são pessoas que trabalham para garantir que a empresa siga no caminho certo, alinhado com suas práticas, crenças e valores diários.

Já numa visão mais ampla, aberta à sociedade, a cultura de uma empresa que segue o Capitalismo Consciente, quando compartilhada com o mundo, pode inspirar outros negócios a serem mais conscientes. Dessa forma, aceleramos o ritmo da mudança e teremos mais negócios focados em transformar as comunidades de que fazem parte.

Propósito Gaúcho e Consciente

O Capitalismo Consciente é real e pode ser aplicado a qualquer empresa disposta a transformar a forma como faz negócio. O propósito da Filial Regional do Rio Grande do Sul é aproximar-se ainda mais das lideranças gaúchas, criando uma corrente do bem dentro dos negócios do estado. Queremos gerar um ecossistema empresarial mais sustentável e disseminar práticas mais conscientes que gerem cuidado com as pessoas e com o planeta. Se você é do estado, está à frente de uma empresa e deseja saber como isso é possível, aproxime-se do movimento e da Filial Regional Gaúcha do Capitalismo Consciente. Siga no INSTAGRAM ou envie um E-MAIL.

*Sobre os autores

Eliane Davila é mentora de Carreiras e de Negócios Conscientes. Doutora em Processos e Manifestações Culturais. Colíder da Filial Regional do Capitalismo Consciente no Rio Grande do Sul e embaixadora Certificada do Capitalismo Consciente
Guilherme Massena é Cofundador da Dobra. Bacharel em Administração. Gestão da Inovação e Liderança. Conselheiro da Filial Regional do Capitalismo Consciente no Rio Grande do Sul.
Solon Stahl é Diretor Executivo da Sicredi Pioneira. Administrador de Empresas. Embaixador do Capitalismo Consciente. Colíder da Filial Regional do Capitalismo Consciente no Rio Grande do Sul.
Soraia Schutel é Empreendedora e Cofundadora da Sonata Brasil. Doutora em Administração. Conselheira da Filial Regional do Capitalismo Consciente no Rio Grande do Sul.
Suzane Girondi Culau Merlo é advogada e empresária fundadora da Capim na Pele. Mestre em Direito Ambiental. Conselheira e Coordenadora da Filial Regional do Capitalismo Consciente no Rio Grande do Sul. Embaixadora do Instituto Capitalismo Consciente Brasil e Certified Conscious Business Change Agent.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Cuidar da água é tarefa de todos!

A água — e principalmente a falta dela — é um tema recorrente. Está nos debates escolares, nos noticiários e, em casos extremos, nas torneiras secas de algumas grandes cidades do mundo. Na nossa vida cotidiana, sua presença é marcante: afinal, 70% do nosso corpo é água. Nossa atenção só é chamada para ela, justamente, quando falta. Ou, então, quando ela vem em excesso, em catástrofes climáticas cada vez mais comuns.

A importância da biodiversidade

Áreas de Alto Valor de Conservação (AAVC) são formadas por milhares de hectares de florestas nativas nos diversos biomas do Brasil onde crescem espécies endêmicas e ameaçadas da fauna e da flora. Toda floresta tem valor ambiental e social, mas essas áreas, conhecidas com AAVC, são consideradas especiais.

Embaixador(a) I

R$ 0,00