CONSCIÊNCIA e CHIMARRÃO

empresas gaúchas unidas por uma nova forma de fazer negócios

por Eliane Davila, Guilherme Massena, Solon Stahl, Soraia Schutel e Suzane Girondi Culau Merlo* para o Instituto Capitalismo Consciente Brasil.

Porto Alegre, 10 de fevereiro de 2022.

Fundado em 2013, o Instituto Capitalismo Consciente Brasil (ICCB) incentiva, inspira e ajuda empreendedores e líderes a aplicarem os princípios do Capitalismo Consciente em suas organizações. Com mais de 200 empresas associadas, o ICCB anuncia a criação da Filial Regional do movimento no Rio Grande do Sul que pretende criar ações, conteúdos e eventos locais para reunir um ecossistema de negócios que desejam adotar práticas mais conscientes em Terras Gaúchas.

Para inaugurar os trabalhos, a Filial Regional realizou, no último dia 26, um evento para abordar os pilares que sustentam o movimento por meio de quatro empresas gaúchas que já possuem práticas conscientes. Neste artigo você confere os principais Insights das falas dos convidados neste encontro.

Propósito Maior, o segredo para sobreviver pós-pandemia

O mundo pós-pandemia, que testemunha urgências ambientais e climáticas crescentes, também presencia movimentos de consumidores e de forças de trabalho cada vez mais conscientes e dispostos a escolher empresas que expressam seus propósitos de forma autêntica, que adotam práticas de sustentabilidade conectadas com valores claros e que se comunicam com transparência.

Neste cenário, as empresas que irão se destacar, ou mesmo permanecer no mercado, possuem um senso de direção evolutivo, impulsionam soluções sustentáveis e deixam marcas positivas para um mundo ambientalmente saudável, climaticamente estável e socialmente justo. Empresas são guiadas por um propósito maior, uma razão de existir.

Empresas conscientes reconhecem que seus negócios, acima do lucro, fazem parte de um organismo social vivo e em permanente transformação. Entendem, também, que suas condutas desempenham um papel de absoluta relevância e influência na forma como o desenvolvimento econômico, social e ambiental vai se dar daqui para frente.

Habilidades em prol de um novo paradigma de gestão

Não é possível pensar num novo paradigma de gestão sem uma nova mentalidade e atitude da liderança. “Uma liderança consciente talvez seja o elemento mais importante do capitalismo consciente” segundo John Mackey e Raj Sisodia. Entre as características que norteiam a ação da liderança consciente estão:

  1. Integração das características femininas – não compreendidas como gênero, mas sim como força da vida – como carinho, compaixão, cooperação, intuição;
  2. Autoconhecimento, identificando os valores e motivações mais profundas;
  3. Integridade, como virtude que abrange a autenticidade, confiabilidade e coragem;
  4. Capacidade de amar e cuidar de outras pessoas;
  5. Para além da inteligência analítica, foco do desenvolvimento de lideranças do paradigma industrial, a liderança consciente agrega as demais inteligências humanas tais como a sistêmica, emocional e espiritual.

Confiança e trocas justas

Uma empresa Capitalista Consciente reconhece a interdependência entre as partes interessadas e acredita que o negócio deva gerar valor compartilhado para todos. Esta é a visão de um importante pilar que sustenta o movimento: Orientação para Stakeholders.

Empresas com orientação para stakeholders têm visão de ecossistema e alteram seu comportamento de EGOcentrismo para ECOcentrismo. Ao mesmo tempo, estimula, acredita e investe nas relações ganha-ganha-ganha: onde a empresa ganha, o outro ganha e o ecossistema também ganha.

Com o tempo as trocas utilitárias, que são baseadas somente em preço, vão sendo substituídas pelas trocas justas, gerando ganhos pra todos, que envolvem:

·         Manutenção ou geração de emprego e renda

·         Recolhimento correto dos impostos;

·         Preservação de margens de fornecedores dos quais dependem; e

·         Melhores salários, ampliando o poder de compra de consumidores de toda cadeia.

Importante alertar que as trocas justas são baseadas em relações de confiança e não somente comerciais, e acreditem, não existe nada mais barato e veloz que a confiança. Com isso, todo o sistema avança, gerando prosperidade para todos e não riqueza somente para algumas partes.

A Cultura como meio de propagar o Capitalismo Consciente

Assim como os outros pilares do Capitalismo Consciente, a cultura é essencial para manter o equilíbrio e a entrega de acordo com o propósito maior da empresa.

Numa visão mais focada na empresa, podemos entender que a cultura é aquilo que é vivido no dia a dia. Guardiões ou guardiãs dessa cultura, são pessoas que trabalham para garantir que a empresa siga no caminho certo, alinhado com suas práticas, crenças e valores diários.

Já numa visão mais ampla, aberta à sociedade, a cultura de uma empresa que segue o Capitalismo Consciente, quando compartilhada com o mundo, pode inspirar outros negócios a serem mais conscientes. Dessa forma, aceleramos o ritmo da mudança e teremos mais negócios focados em transformar as comunidades de que fazem parte.

Propósito Gaúcho e Consciente

O Capitalismo Consciente é real e pode ser aplicado a qualquer empresa disposta a transformar a forma como faz negócio. O propósito da Filial Regional do Rio Grande do Sul é aproximar-se ainda mais das lideranças gaúchas, criando uma corrente do bem dentro dos negócios do estado. Queremos gerar um ecossistema empresarial mais sustentável e disseminar práticas mais conscientes que gerem cuidado com as pessoas e com o planeta. Se você é do estado, está à frente de uma empresa e deseja saber como isso é possível, aproxime-se do movimento e da Filial Regional Gaúcha do Capitalismo Consciente. Siga no INSTAGRAM ou envie um E-MAIL.

*Sobre os autores

Eliane Davila é mentora de Carreiras e de Negócios Conscientes. Doutora em Processos e Manifestações Culturais. Colíder da Filial Regional do Capitalismo Consciente no Rio Grande do Sul e embaixadora Certificada do Capitalismo Consciente
Guilherme Massena é Cofundador da Dobra. Bacharel em Administração. Gestão da Inovação e Liderança. Conselheiro da Filial Regional do Capitalismo Consciente no Rio Grande do Sul.
Solon Stahl é Diretor Executivo da Sicredi Pioneira. Administrador de Empresas. Embaixador do Capitalismo Consciente. Colíder da Filial Regional do Capitalismo Consciente no Rio Grande do Sul.
Soraia Schutel é Empreendedora e Cofundadora da Sonata Brasil. Doutora em Administração. Conselheira da Filial Regional do Capitalismo Consciente no Rio Grande do Sul.
Suzane Girondi Culau Merlo é advogada e empresária fundadora da Capim na Pele. Mestre em Direito Ambiental. Conselheira e Coordenadora da Filial Regional do Capitalismo Consciente no Rio Grande do Sul. Embaixadora do Instituto Capitalismo Consciente Brasil e Certified Conscious Business Change Agent.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Obcecado pelo propósito em vez do lucro

Acreditamos que um negócio só é bom quando cria valor para as pessoas e o planeta, é ético quando baseado em trocas verdadeiras e voluntárias entre seus stakeholders, é nobre quando tem a capacidade de inspirar e elevar a dignidade humana e, principalmente, é heroico quando tira as pessoas da pobreza, gerando prosperidade econômica.

Embaixador(a) I

R$ 0,00