Cultura e gestão conscientes

A valorização de empresas capazes de promover transformações sociais positivas e impactantes, juntamente com retornos financeiros, é uma tendência global. Mas quantos líderes de negócios terão coragem suficiente para aderir a essa tendência?

Antes restrita a um nicho, hoje a crença no lucro aliado ao propósito vêm inspirando diversos CEOs, que desejam que suas organizações atuem e sejam vistas como agentes socioambientais conscientes e verdadeiras forças do bem.

Por décadas associado a egoísmo, ganância desenfreada, imposição do medo e concentração de riqueza, o capitalismo vem se conscientizando – sem desprezar os resultados financeiros, mas sim os aliando a cuidado social e preocupação com o bem-estar geral.

As chamadas companhias humanizadas estão redefinindo os conceitos de sucesso e negócios; de acordo com o Presidente do Conselho do ICCB Hugo Bethlem, “tanto o talento da empresa quanto seus clientes estão preocupados em apoiar uma empresa que tem propósito. As palavras amar e cuidar tem de começar a entrar no dicionário corporativo”.

De acordo com o co-CEO do Whole Foods Market, Walter Robb:

“a cultura de uma empresa representa o espaço no qual reside a riqueza e a complexidade das pessoas e onde brilha seu aspecto humano. Portanto, é a parte mais poderosa. Quando ela é edificada, alimentada e desenvolvida ao longo do tempo, torna-se um verdadeiro fator de diferenciação e uma valiosa arma competitiva” (MACKEY & SISODIA, 2018, p. 232).

James Heskett, professor de Logística Empresarial na Harvard Business School, reforça essa visão, afirmando que:

“uma cultura forte pode ajudar ou prejudicar o desempenho de uma empresa. Pode representar até a metade da diferença no lucro operacional entre duas organizações que atuam no mesmo setor. Formar a cultura é uma das atribuições mais importantes de um líder; essa atribuição pode ser ignorada, mas apenas por pouco tempo e sob sérios riscos” (HESKETT, 2012).

Para se aprofundar nos outros pilares do Capitalismo Consciente, clique nos banners abaixo:

Referências:

MACKEY, John & SISODIA, Raj. 2018. Capitalismo Consciente: como libertar o espírito heroico dos negócios. Alta Books.

HESKETT, 2012. James Heskett, apresentação na 4ª International Conference on Conscious Capitalism, Bentley University, Waltham, 22 de maio de 2012.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Cuidar da água é tarefa de todos!

A água — e principalmente a falta dela — é um tema recorrente. Está nos debates escolares, nos noticiários e, em casos extremos, nas torneiras secas de algumas grandes cidades do mundo. Na nossa vida cotidiana, sua presença é marcante: afinal, 70% do nosso corpo é água. Nossa atenção só é chamada para ela, justamente, quando falta. Ou, então, quando ela vem em excesso, em catástrofes climáticas cada vez mais comuns.

A importância da biodiversidade

Áreas de Alto Valor de Conservação (AAVC) são formadas por milhares de hectares de florestas nativas nos diversos biomas do Brasil onde crescem espécies endêmicas e ameaçadas da fauna e da flora. Toda floresta tem valor ambiental e social, mas essas áreas, conhecidas com AAVC, são consideradas especiais.

Embaixador(a) I

R$ 0,00