Desafios e Oportunidades em 2024: Liderança Consciente e Sustentabilidade no Centro da Transformação Empresarial

Prezados líderes,

À medida que damos os primeiros passos neste novo ano, carregamos a responsabilidade de moldar não apenas o futuro de nossas organizações, mas também o legado que deixaremos para as futuras gerações. As urgências são gritantes, e a interconexão entre consciência, sobrevivência e sucesso se tornam cada vez mais veementes. 

É chegada a hora das lideranças conscientes apresentarem seus planos, criarem suas estratégias e optarem pela jornada mais sustentável possível à sua frente. 

Vimos, nos últimos dois anos, um mundo se curvando diante do ESG. Centenas de empresas querendo entender como precisam e devem atuar e, infelizmente, outra porção de companhias dando as costas às necessidades mais emergenciais do planeta.

2024 é o ano de encararmos de frente o que precisa ser feito. 

Temos pouco tempo para construir e entregar a agenda de impacto solicitada pela ONU. Temos menos tempo ainda para diminuir a velocidade de degradação da nossa biodiversidade, para incluirmos todos e todas e criarmos espaços mais justos no país. 

Precisamos entender a fundo nossas urgências sem nos acuar frente aos problemas que vivemos. Não é possível prosperar num planeta onde há disputas mundiais que transformam territórios, cidades, negócios e destroem pessoas e relações. Não há dignidade na guerra. Não há geração de valor compartilhado em espaços onde um deseja ter mais poder que o outro.

Mas é neste espaço e neste tempo que as melhores lideranças podem surgir. É neste cenário de transição, de notória oportunidade de construção de redes e compartilhamento de informações que podemos crescer e mudar.

Empresas e negócios estão sendo convocados diariamente a apresentar seus propósitos e planos de sustentabilidade. E isso, sim, muda o mundo.

A urgência de nossa atuação é ainda mais acentuada pela crescente solicitação do mercado de capitais e dos investidores sobre a forma como conduzimos nossos negócios. Eles não apenas buscam retornos financeiros, e gestão de riscos, mas também procuram investir em organizações que incorporam valores de responsabilidade social e ambiental. 

E quando os investidores olham pela lente da sustentabilidade, isso nos fortalece. As exigências de um capitalismo mais consciente do seu impacto passam pela transparência, pela ética e pela capacidade de relatar e mitigar as externalidades e os impactos de nossas operações.

Em um mundo empresarial cada vez mais interconectado, somos desafiados a construir ações cada vez mais sustentáveis e que demonstrem o senso de responsabilidade que temos conosco, com o outro e com a sociedade.

É tempo de governança, de arrumar a casa, de se orientar para o futuro. Na vida pessoal e organizacional. 

Tomem como exemplo a declaração de Imposto de Renda (IR). A cada ano mais organizada, utilizando cruzamentos de dados, estabelecendo um padrão mais elevado de exigência e governança de nossos documentos pessoais, e rigor na transparência das atividades da pessoa física. O mundo empresarial caminha para o mesmo nível de transparência em sustentabilidade: a taxonomia brasileira.  

No contexto do Plano de Transformação Ecológica, ela representa uma evolução significativa na transparência e responsabilidade socioambiental no setor empresarial. Essa abordagem, denominada “taxonomia verde”, responde às demandas crescentes por finanças sustentáveis, especialmente no cenário ESG.

Com publicação prevista para novembro de 2024 e implementação obrigatória em janeiro de 2026, busca mobilizar investimentos, impulsionar inovações tecnológicas e estabelecer uma base confiável de informações sobre finanças sustentáveis. Essa ferramenta permitirá às empresas demonstrar práticas sustentáveis, avançando na rota ESG e incentivando a conscientização das lideranças sobre a necessidade de relatórios anuais de impacto.

Como se percebe, o momento de focar e agir está em curso. Precisamos sentir o “está acontecendo” e nos conscientizar do poder que temos em mãos.

Aos que não se sensibilizaram ainda, haverá o momento da dor no bolso, do recurso mais caro, da exposição de marca mais dolorida. Aos que já estão conscientes, caberá o desenho do plano de ação, do aqui e agora, do primeiro passo.

Aos mais adiantados na jornada caberá espalhar o exemplo. Compartilhar experiências, investir na educação dos menores, dos fornecedores, e abrir caminho aos que se espelham neles.

O Capitalismo Consciente Brasil (CCB) segue empenhado na construção de uma rede cada vez mais fortalecida de empresários e lideranças conscientes do seu papel. Entramos agora numa etapa especial para os associados, entregando jornadas de conhecimento e capacitação. Estamos direcionados a criar espaço de acolhimento e networking aos líderes que farão a mudança; afinal, somos a casa do líder transformador. 

Em meio a essas urgências, reforçamos a importância dos pilares do Capitalismo Consciente, alinhando-nos não apenas com as expectativas regulatórias, mas também com a crescente compreensão de que nosso propósito vai além do lucro financeiro e que nossas ações devem refletir não apenas a conformidade com as regulamentações, mas um compromisso profundo com a criação de valor sustentável para todos os stakeholders.

Como destacou Hugo Bethlem, chairman do CCB em suas palavras, “não é mais possível que as liderança atuais continuem focando apenas no lucro para o shareholder em detrimento aos outros stakeholders.” 

Essa reflexão ressoa na necessidade urgente de repensarmos nossas atitudes e abraçarmos uma abordagem mais abrangente e sustentável.

Feliz 2024!

Daniela Garcia
CEO no Capitalismo Consciente Brasil

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Capitalismo e Governança Multistakeholder: Precisamos focar em toda a cadeia de valor!

A proposta da Governança Multistakeholder é compartilhar o poder e o processo de decisão entre as diferentes partes interessadas, fazendo com que esse tipo de Capitalismo seja possível. Ela é feita por meio de um ecossistema interdependente entre todos os stakeholders, no qual mecanismos são desenvolvidos para implementar ações ambientais, sociais, de governança e para o business, utilizando práticas de gerenciamento sustentáveis.

Propósito de vida em ação: Liderando Negócios Conscientes no III Fórum Brasileiro do Capitalismo Consciente

Desafiando o conceito de falso dilema de que “ou você olha o resultado ou você olha a questão do impacto e sustentabilidade”, o executivo ressaltou que é possível integrar resultados financeiros positivos com práticas sustentáveis e impacto social. Ele compartilhou exemplos de empresas que adotaram medidas conscientes e colheram benefícios não apenas reputacionais, mas também financeiros.

Embaixador(a) I

R$ 0,00