Hora de Repensar a Aposentadoria – Carta anual do Chairman da Black Rock, Larry Fink, aos investidores

Repensando a Aposentadoria: Uma análise da carta anual do CEO da BlackRock

Por Hugo Bethlem, Chairman no Capitalismo Consciente Brasil

Na sua mais recente carta anual, Larry Fink, CEO da BlackRock, destaca a urgência de reavaliarmos nossa abordagem em relação à aposentadoria. Ele baseia sua reflexão na experiência pessoal de seus pais, que trabalharam honestamente por 50 anos e compreenderam a importância de expandirem seus investimentos para além da Poupança, a fim de garantirem um futuro confortável após décadas de esforço árduo.

De acordo com Fink, é nesse contexto que nasce a BlackRock. Fundada por ele e um grupo de amigos há décadas para cuidar dos investimentos de longo prazo e assegurar aposentadorias sustentáveis para aqueles que confiavam na empresa, a BlackRock é hoje a maior gestora de recursos do mundo, com um patrimônio sob sua administração que ultrapassa impressionantes US$ 9 trilhões – mais de três vezes o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil.

No entanto, ao longo do tempo, o tom da necessidade de investimento mudou consideravelmente. O que antes era uma estratégia focada em garantir ganhos estáveis e de longo prazo para aposentadorias, transformou-se em uma corrida por ganhos rápidos e especulativos, tornando-nos mais “especuladores para trocar carros ou casas” do que “investidores para a aposentadoria”. Para se ter uma ideia, há duas décadas, a carteira de ações de um americano de classe média era mantida por oito anos. Hoje, essa mesma carteira é mantida por oito meses.  

Assim, é preciso investir também em conhecimento sobre o mercado de ações, para escolher empresas que mantêm um crescimento sustentável e saudável ao longo dos anos. Um desafio e tanto em um cenário onde 70% das empresas não financeiras são financiadas com recursos do mercado de capitais, portanto, gerando muita liquidez, enquanto muitos investidores estão buscando retornos imediatos em vez de olhar para o futuro! 

Outra opção bastante considerada por lá é o investimento em imóveis. No entanto, apesar da segurança, o investimento pode se tornar ilíquido quando se trata de aposentadoria. Isso porque, assim como o mercado de ações, o mercado de renda de aluguéis também é muito instável e pode gerar muita vacância, como acontece em períodos ruins para a economia. 

Já no contexto brasileiro, a bolsa de valores, embora ainda pequena em comparação com os mercados mais maduros como os dos Estados Unidos e da União Europeia, está evoluindo. No entanto, muitos brasileiros de classe média desconhecem o funcionamento da bolsa e enfrentam o receio de investir devido ao medo de perder em vez de ganhar. 

E quando se trata de aposentadoria, por aqui a questão é ainda mais desafiadora: custos elevados, salários desiguais, desigualdade social e corrupção são apenas algumas das dificuldades que complicam o planejamento para o futuro. A população brasileira envelheceu muito rapidamente, mas sem enriquecer. Estamos vivendo mais, mas será que melhor?

No cerne da mensagem de Fink está a importância de repensar como encaramos nossas finanças pessoais, especialmente no contexto da aposentadoria. Embora a carta esteja mais voltada para o mercado americano, as reflexões de Fink são igualmente válidas e necessárias para os brasileiros que buscam uma aposentadoria digna, portanto, vale a leitura e a reflexão: “como devemos nos preparar para uma aposentadoria digna?”

Hugo Bethlem, Chairman no Capitalismo Consciente Brasil


Hora de Repensar a Aposentadoria

Quando minha mãe faleceu em 2012, meu pai começou a declinar rapidamente, e meu irmão e eu tivemos que arcar com as contas e finanças dos meus pais.

Tanto minha mãe quanto meu pai trabalharam em ótimos empregos por 50 anos, mas nunca estiveram na faixa mais alta de impostos. Minha mãe ensinava inglês na faculdade estadual local (Cal Northridge) e meu pai era dono de uma loja de sapatos.

Não sei exatamente quanto eles ganhavam todos os anos, mas, em dólares de hoje, provavelmente não passaria de US$ 150 mil como casal. Então, meu irmão e eu ficamos surpresos quando vimos o tamanho das economias para a aposentadoria de nossos pais. Foi uma ordem de magnitude maior do que você esperaria de um casal ganhando renda. E quando terminamos de examinar o patrimônio deles, descobrimos o porquê: os investimentos dos meus pais.

Meu pai sempre foi um investidor entusiasmado. Ele me incentivou a comprar minha primeira ação (da empresa química DuPont) quando era adolescente. Meu pai investiu porque sabia que qualquer dinheiro que investisse nos mercados de títulos ou de ações provavelmente cresceria mais rápido do que no banco. E ele estava certo.

Voltei e fiz as contas. Se meus pais tivessem US$ 1.000 para investir em 1960 e colocassem esse dinheiro no S&P 500, então, quando atingissem a idade de aposentadoria em 1990, os US$ 1.000 valeriam quase US$ 20.000. (1) Isso é mais do dobro do que teriam ganho se tivessem simplesmente colocado o dinheiro numa conta bancária. Meu pai faleceu alguns meses depois da minha mãe, com quase 80 anos, mas meus pais poderiam ter vivido além dos 100 anos e pagar por isso confortavelmente.

Por que estou escrevendo sobre meus pais? Porque examinar suas finanças me mostrou algo sobre minha carreira em finanças. Eu trabalhava na BlackRock há quase 25 anos quando perdi minha mãe e meu pai, mas a experiência me lembrou – de uma forma nova e muito pessoal – porque meus parceiros de negócios e eu fundamos a BlackRock.

Obviamente, éramos empreendedores ambiciosos e queríamos construir uma empresa grande e bem-sucedida, mas também queríamos ajudar as pessoas a se aposentarem, como meus pais fizeram. É por isso que criámos uma gestora de ativos – uma empresa que ajuda as pessoas a investirem nos mercados de capitais – porque acreditávamos que a participação nesses mercados seria crucial para as pessoas que queriam se aposentar com conforto e segurança financeira.

Também acreditávamos que os mercados de capitais se tornariam uma parte cada vez maior da economia global. Se mais pessoas pudessem investir nos mercados de capitais, seria criado um ciclo econômico virtuoso, alimentando o crescimento das empresas e dos países, o que, por sua vez, geraria riqueza para mais milhões de pessoas.

Meus pais viveram seus últimos anos com dignidade e liberdade financeira. A maioria das pessoas não tem essa chance, mas eles tiveram. Os mesmos tipos de mercado que ajudaram meus pais em sua época podem ajudar outros em nossa época.  Na verdade, penso que o poder gerador de crescimento e prosperidade dos  mercados de capitais continuará a ser uma tendência económica dominante durante o resto do século XXI  .

Esta carta tenta explicar o porquê.

“Eu trabalhava na BlackRock há quase 25 anos quando perdi minha mãe e meu pai, mas a experiência me lembrou – de uma forma nova e muito pessoal – porque meus parceiros de negócios e eu fundamos a BlackRock.”

Uma breve (e reconhecidamente incompleta) história dos mercados de capitais dos EUA

Nas finanças, existem duas maneiras básicas de obter ou aumentar o dinheiro.

Uma delas é o banco, no qual a maioria das pessoas historicamente confiou. Eles depositaram suas economias para ganhar juros ou pediram empréstimos para comprar uma casa ou expandir seus negócios. Mas com o tempo surgiu uma segunda via de financiamento, especialmente nos EUA, com o crescimento dos mercados de capitais: ações, obrigações e outros títulos negociados publicamente.

Vi isso em primeira mão no final da década de 1970 e no início da década de 1980, quando desempenhei um papel na criação do mercado de titularização de hipotecas.

Antes da década de 1970, a maioria das pessoas conseguia financiamento para suas casas da mesma forma que faziam no clássico natalino It’s a Wonderful Life – por meio do Building & Loan (B&L). Os clientes depositavam as suas poupanças no B&L, que era essencialmente um banco. Então esse banco daria meia-volta e emprestaria essas poupanças na forma de hipotecas.

No filme – e na vida real – tudo funciona bem até que as pessoas começam a fazer fila na porta do banco pedindo seus depósitos de volta. Como Jimmy Stewart explicou no filme, o banco não tinha o dinheiro deles. Estava amarrado na casa de outra pessoa.

Após a Grande Depressão, os B&L transformaram-se em poupanças e empréstimos (S&L), que tiveram a sua própria crise na década de 1980. Aproximadamente metade das hipotecas residenciais pendentes nos EUA eram detidas por S&L em 1980, e a má gestão de risco e práticas de crédito frouxas levaram a uma série de falências que custaram aos contribuintes dos EUA mais de 100 mil milhões de dólares. 2

Mas a crise do S&L não causou danos duradouros à economia americana. Por que? Porque, ao mesmo tempo que as S&L estavam em colapso, outro método de financiamento tornava-se mais forte. Os mercados de capitais proporcionavam uma via para canalizar o capital de volta para os desafiados mercados imobiliários.

Esta foi a securitização de hipotecas.

A securitização permitiu aos bancos não apenas fazer hipotecas, mas também vendê-las. Ao vender hipotecas, os bancos poderiam gerir melhor o risco nos seus balanços e ter capital para emprestar aos compradores de casas, razão pela qual a crise de S&L não teve um impacto grave na propriedade de casas americanas. 

Eventualmente, os excessos da titularização de hipotecas contribuíram para o crash de 2008 e, ao contrário da crise do S&L, a Grande Recessão prejudicou a aquisição de habitação própria nos EUA. O país ainda não recuperou totalmente neste aspecto, mas a tendência subjacente mais ampla – a expansão dos mercados de capitais – ainda é muito útil para a economia americana.

Na verdade, vale a pena considerar: Por que é que os EUA se recuperaram de 2008 mais rapidamente do que quase qualquer outra nação desenvolvida? 3

Uma grande parte da resposta reside nos mercados de capitais do país.

Na Europa, onde a maior parte dos ativos eram mantidos em bancos, as economias congelaram à medida que os bancos foram forçados a reduzir os seus balanços. É claro que os bancos norte-americanos tiveram que reforçar os padrões de capital e também retirar-se dos empréstimos. Mas como os EUA tinham um conjunto secundário de dinheiro mais robusto – os mercados de capitais – a nação conseguiu se recuperar muito mais rapidamente.

Hoje, as ações e obrigações públicas fornecem mais de 70% do financiamento às empresas não financeiras nos EUA – mais do que qualquer outro país do mundo. Na China, por exemplo, o ratio banco/mercado de capitais está quase invertido. As empresas chinesas dependem de empréstimos bancários para 65% do seu financiamento. 4

Na minha opinião, essa é a lição mais importante da história da economia atual: os países que visam a prosperidade não precisam apenas de sistemas bancários fortes – eles também precisam de mercados de capitais fortes.

Essa lição está agora se espalhando pelo mundo.

Replicando o sucesso dos mercados de capitais da América

No ano passado, passei muitos dias na estrada, registrando visitas em 17 países diferentes. Encontrei com clientes e funcionários, também encontrei com muitos políticos e chefes de estado e, durante essas reuniões, a conversa mais frequente que tive foi sobre os mercados de capitais.

Cada vez mais países reconhecem o poder dos mercados de capitais americanos e querem construir os seus próprios.

É claro que muitos países já possuem mercados de capitais. Existem cerca de 80 bolsas de valores em todo o mundo, de Kuala Lumpur a Joanesburgo. 5 Mas a maioria destes são bastante pequenos, com pouco investimento. Não são tão robustos como os mercados dos EUA e é isso que outras nações procuram cada vez mais.

Na Arábia Saudita, por exemplo, o governo está interessado em construir um mercado para a titularização de hipotecas, enquanto o Japão e a Índia querem dar às pessoas novos locais onde colocar as suas poupanças. Hoje, no Japão, é principalmente o banco. Na Índia, muitas vezes é em ouro.

Quando visitei a Índia em Novembro, conheci decisores políticos que lamentavam o gosto dos seus concidadãos pelo ouro. A commodity teve um desempenho inferior ao do mercado de ações indiano, revelando-se um investimento abaixo da média para investidores individuais. Nem o investimento em ouro ajudou a economia do país.

Compare investir em ouro com, digamos, investir em uma casa nova. Quando você compra uma casa, isso cria um efeito multiplicador econômico porque você precisa mobiliar e reformar a casa. Talvez você tenha uma família e encha a casa de crianças. Tudo o que gera atividade econômica, mesmo quando alguém coloca o seu dinheiro num banco, há um efeito multiplicador porque o banco pode usar esse dinheiro para financiar uma hipoteca. Mas ouro? Ele apenas fica em um cofre. Pode ser uma boa reserva de valor, mas o ouro não gera crescimento económico.

Esta é uma pequena ilustração – mas boa – do que os países pretendem alcançar com mercados de capitais robustos. (Ou melhor, do que eles  não podem realizar sem eles.)

Apesar da tensão anticapitalista na nossa política moderna, a maioria dos líderes mundiais ainda vê o óbvio: nenhuma outra força pode tirar mais pessoas da pobreza ou melhorar a qualidade de vida como o capitalismo. Nenhum outro modelo económico pode nos ajudar a alcançar as nossas maiores esperanças de liberdade financeira – quer a queiramos para nós próprios ou para o nosso país.

É por isso que os mercados de capitais serão fundamentais para enfrentar dois dos maiores desafios económicos de meados do século XXI .

O primeiro é proporcionar às pessoas o que meus pais construíram ao longo do tempo – uma aposentadoria segura e bem merecida. Esta é uma proposta muito mais difícil do que era há 30 anos. E será uma proposta muito mais difícil daqui a 30 anos . As pessoas estão vivendo vidas mais longas e precisarão de mais dinheiro. Os mercados de capitais podem fornecê-lo – desde que os governos e as empresas ajudem as pessoas a investir.

Um segundo desafio é a infra-estrutura. Como vamos construir a enorme quantidade que o mundo precisa? À medida que os países descarbonizam e digitalizam as suas economias, aumentam a procura por todo o tipo de infraestruturas, desde redes de telecomunicações até novas formas de gerar energia. Na verdade, nos meus quase 50 anos em finanças, nunca vi tanta procura por infra-estruturas energéticas. E isso acontece porque muitos países têm objetivos duplos: querem fazer a transição para fontes de energia com baixo teor de carbono e, ao mesmo tempo, alcançar a segurança energética. Os mercados de capitais podem ajudar os países a cumprir os seus objetivos energéticos, incluindo a descarbonização, de uma forma acessível.

“[A aposentadoria] é uma proposta muito mais difícil do que era há 30 anos. E será uma proposta muito mais difícil daqui a 30 anos .”

Fazendo a pergunta da velhice: como podemos ter vidas mais longas?

No ano passado, o Japão ultrapassou um marco demográfico: a população do país vem envelhecendo desde o início da década de 1990, à medida que o número de pessoas em idade ativa diminuiu e o número de idosos aumentou. Mas 2023 foi a primeira vez que 10% da sua população ultrapassou os 80 anos, (6) tornando o Japão o “país mais velho do mundo”, segundo as Nações Unidas. 7

Esta é parte da razão pela qual o governo japonês está fazendo um esforço para investir na aposentadoria.

A maioria dos japoneses mantém a maior parte das suas poupanças para a aposentadoria nos bancos, ganhando uma taxa de juro baixa. Não foi uma estratégia tão má quando o Japão sofria de deflação, mas agora a economia do país deu uma reviravolta, com o NIKKEI ultrapassando os 40.000 pela primeira vez este mês (Março de 2024). 8

A maioria dos aspirantes a aposentados está perdendo a recuperação. O país não tinha nada parecido com um programa 401(k) até 2001, mas mesmo na época, o montante de rendimento que as pessoas podiam contribuir era bastante baixo. Assim, há uma década, o governo lançou as Contas Poupança Individuais Nippon (NISA) para encorajar as pessoas a investir ainda mais na aposentadoria. Agora estão tentando duplicar o número de inscrições da NISA. A meta é conseguir 34 milhões de investidores japoneses antes do final da década. (9) Essa meta exigirá que o governo japonês expanda os seus mercados de capitais, que historicamente tiveram muito pouca participação retalhista.

O Japão não está sozinho em sua meta de ajudar mais cidadãos a investir em aposentadoria. A BlackRock tem uma joint venture – Jio BlackRock – com a Jio Financial Services, uma afiliada da Reliance Industries da Índia. Nos últimos 10 anos, a Índia construiu uma enorme rede de infra-estruturas públicas digitais que liga quase mil milhões de indianos a tudo, desde cuidados de saúde a pagamentos governamentais através dos seus smartphones. O objetivo da Jio BlackRock é usar a mesma infraestrutura para oferecer investimentos para aposentadoria (e muito mais).

Afinal, a Índia também está envelhecendo. O mundo inteiro está, embora em velocidades diferentes. O Brasil começará a ver mais pessoas deixando sua força de trabalho do que entrando nela até 2035; O México atingirá o pico da força de trabalho em 2040; a Índia por volta de 2050.

À medida que a população envelhece, construir poupanças para a aposentadoria nunca foi tão urgente

Em meados do século XXI, uma em cada seis pessoas a nível mundial terá mais de 65 anos, contra uma em 11 em 2019.10 Para os apoiar, os governos terão de dar prioridade à construção de mercados de capitais robustos, como os EUA têm.

Mas isto não quer dizer que o sistema de pensões dos EUA seja perfeito. Não tenho certeza se alguém acredita nisso. O sistema de pensões na América precisa, no mínimo, ser modernizado.

Repensando a aposentadoria nos Estados Unidos

Isto ficou particularmente claro no ano passado, quando a indústria biotecnológica lançou uma onda de novos medicamentos que prolongam a vida. A obesidade, por exemplo, pode reduzir em mais de 10 anos a esperança de vida de uma pessoa, razão pela qual alguns investigadores pensam que novos produtos farmacêuticos como o Ozempic e o Wegovy podem prolongar a vida, e não apenas medicamentos para perder peso. (11) Na verdade, um estudo recente mostra que a semaglutida, o nome genérico do Ozempic, pode proporcionar às pessoas com doenças cardiovasculares mais dois anos de vida sem sofrerem uma doença grave como um ataque cardíaco. 12

Esses medicamentos são avanços, mas sublinham uma ironia frustrante: como sociedade, concentramos uma enorme quantidade de energia em ajudar as pessoas a viverem vidas mais longas. Mas nem mesmo uma fração desse esforço é gasta ajudando as pessoas a pagarem esses anos extras.

Nem sempre foi assim. Um dos motivos pelos quais meus pais tiveram uma aposentadoria financeiramente segura foi o CalPERS, o sistema de pensões do estado da Califórnia. Como funcionária de uma universidade pública, minha mãe poderia se matricular, mas a inscrição nas pensões tem diminuído em todo o país desde a década de 1980. (13) Entretanto, o governo federal deu prioridade à manutenção dos benefícios para as pessoas da minha idade (tenho 71 anos), embora isso possa significar que a Segurança Social terá dificuldades em cumprir todas as suas obrigações quando os trabalhadores mais jovens se reformarem.

Não é de admirar que as gerações mais jovens, a geração Millennials e a geração Z, estejam tão ansiosas economicamente. Eles acreditam que a minha geração – os Baby Boomers – se concentrou no seu próprio bem-estar financeiro em detrimento de quem vem a seguir. E no caso da aposentadoria, eles têm razão.

Hoje, na América, a mensagem de reforma que o governo e as empresas transmitem aos seus trabalhadores é efetivamente: “Você está por sua conta”. E antes que a minha geração desapareça totalmente das posições de liderança corporativa e política, temos a obrigação de mudar isso.

Talvez uma vez por década, os EUA enfrentem um problema tão grande e urgente que os líderes governamentais e empresariais precisam interromper os negócios como de costume. Eles saem de seus silos e sentam-se à mesma mesa para encontrar uma solução. Participei de algo assim depois de 2008, quando o governo precisava encontrar uma forma de libertar os ativos tóxicos da crise hipotecária. Recentemente, os CEOs do setor tecnológico e o governo federal uniram-se para abordar a fragilidade da cadeia de abastecimento de semicondutores da América. Precisamos fazer algo semelhante para a crise da aposentadoria. A América precisa de um esforço organizado e de alto nível para garantir que as gerações futuras possam viver os seus últimos anos com dignidade.

O que esse esforço nacional deveria fazer? Eu não tenho todas as respostas. Mas o que tenho são alguns dados e o início de algumas ideias do trabalho da BlackRock. Porque o nosso core business é a reforma.

Mais da metade dos ativos geridos pela BlackRock destinam-se à reforma. (14) Ajudamos cerca de 35 milhões de americanos a investir na vida após o trabalho, o que equivale a cerca de um quarto dos trabalhadores do país. Muitos são educadores como minha mãe foi. A BlackRock ajuda a gerir ativos de pensões para cerca de metade dos professores das escolas públicas dos EUA. (15) Este trabalho — e o nosso trabalho semelhante em todo o mundo — nos deu algumas ideias sobre como começar uma iniciativa nacional para modernizar a reforma.

Achamos que a conversa começa olhando o desafio através de três lentes diferentes. 

  • Qual é o problema na perspectiva de um trabalhador atual , alguém que ainda está tentando poupar para a aposentadoria?
  • E quem já se aposentou? Temos de olhar para o problema do ponto de vista do reformado – um indivíduo que já poupou o suficiente para parar de trabalhar, mas teme que o dinheiro acabe.
  • Mas primeiro é importante olhar para a reforma na América como se olhasse para um mapa da América – uma imagem de alto nível do problema, do tipo que um decisor político nacional poderia olhar. Qual é o problema para a população como um todo? (É a demografia.)

A demografia não mente

Há um ditado popular na economia: “Não se pode combater a demografia”. E, no entanto, quando se trata de reforma, os EUA estão tentando de qualquer maneira.

Nos países ricos, a maioria dos sistemas de pensões tem três pilares. Uma delas é o que as pessoas investem pessoalmente (meu pai coloca seu dinheiro na bolsa de valores). Outro são os planos oferecidos pelos empregadores (pensão CalPERS da minha mãe). Um terceiro componente é aquilo que mais ouvimos os políticos falar – a rede de segurança governamental. Nos EUA, isso é a Segurança Social.

Você provavelmente está familiarizado com a economia por trás da Previdência Social. Durante seus anos de trabalho, o governo recebe uma parte de sua renda e, depois que você se aposenta, envia um cheque todos os meses. A ideia, na verdade, tem origem na Alemanha anterior à Primeira Guerra Mundial, e estes programas de “seguro de velhice” tornaram-se gradualmente populares ao longo do século XX, em grande parte porque a demografia fazia sentido.

Pense em alguém que tinha 65 anos em 1952, ano em que nasci. Se ele ainda não tivesse se aposentado, provavelmente essa pessoa estava se preparando para parar de trabalhar.

Mas agora pense nos ex-colegas dessa pessoa, todas as pessoas da sua idade com quem ele ingressou no mercado de trabalho na década de 1910. Os dados mostram que, em 1952, a maioria dessas pessoas não se preparava para a reforma porque já tinham falecido .

Era assim que funcionava o programa de Segurança Social: mais da metade das pessoas que trabalhavam e pagavam pelo sistema nunca viveram para se aposentarem e serem pagas pelo sistema. 16

Hoje, estes dados demográficos foram completamente desfeitos, e essa descoberta é obviamente uma coisa maravilhosa. Deveríamos querer que mais pessoas vivessem mais anos, mas não podemos ignorar seu enorme impacto no sistema de pensões do país.

Não é só que mais pessoas estão se aposentando nos Estados Unidos; é também que a duração das suas aposentadorias está aumentando. Hoje, se você é casado e você e seu cônjuge têm mais de 65 anos, há 50/50 de chance de pelo menos um de vocês receber um cheque da Previdência Social até os 90 anos .

Tudo isso colocará o sistema de pensões dos EUA sob imensa pressão. A própria Administração da Segurança Social afirma que, até 2034, não será capaz de pagar às pessoas todos os seus benefícios. 17

Qual é a solução aqui? Ninguém deveria ter que trabalhar mais do que deseja. Mas penso que é um pouco louco que a nossa ideia âncora para a idade certa de se aposentar – 65 anos – tenha origem na época do Império Otomano.

A humanidade mudou nos últimos 120 anos. O mesmo deve acontecer com a nossa concepção de aposentadoria.

Uma nação que repensa a aposentadoria é a Holanda. A fim de manterem as suas pensões públicas acessíveis, os Holandeses decidiram, há mais de 10 anos, aumentar gradualmente a idade para se aposentar. Agora irá ajustar-se automaticamente à medida que a esperança de vida do país for mudando. 18

Obviamente, implementar esta política em outros locais seria um enorme empreendimento político, mas o que quero dizer é que deveríamos começar a conversar . Quando as pessoas vivem regularmente além dos 90 anos, qual deveria ser a idade média de aposentadoria?

Ou, ao invés de recuar quando as pessoas receberem benefícios de aposentadoria, talvez haja uma ideia politicamente mais palatável: como encorajarmos mais pessoas que desejam trabalhar mais tempo com cenouras em vez de porretes? E se o governo e o setor privado tratassem as pessoas com mais de 60 anos como trabalhadores em fim de carreira, com muito a oferecer, em vez de pessoas que deveriam se aposentar?

Uma forma que o Japão encontrou de gerir a sua economia envelhecida é fazendo exatamente isto. Encontraram novas formas de aumentar a taxa de participação na força de trabalho, uma medida que tem diminuído nos EUA desde o início da década de 2000. (19) Vale a pena perguntar: como é que a América pode travar (ou pelo menos abrandar) essa tendência?

Novamente, não estou fingindo ter as respostas. Apesar do sucesso da BlackRock em ajudar milhões de pessoas a se aposentarem, essas questões terão de ser colocadas a um leque mais vasto de investidores, aposentados, políticos e outros. Nos próximos meses, a BlackRock anunciará uma série de parcerias e iniciativas para fazer exatamente isso, e convido você a se juntar a nós.

Para os trabalhadores, torne o investimento (quase) automático

Quando o Gabinete do Censo dos EUA divulgou o seu inquérito regular sobre as finanças do consumidor em 2022, quase metade dos americanos com idades entre os 55 e os 65 anos relataram não ter um único dólar poupado em contas pessoais de reforma. (20) Nada em uma pensão. Zero em um IRA ou 401 (k).

Por que? Bem, a primeira barreira para o investimento na aposentadoria é a acessibilidade.

Quatro em cada 10 americanos não têm US$ 400 sobrando para cobrir uma emergência, como conserto de carro ou visita ao hospital. Quem vai investir dinheiro para uma aposentadoria daqui a 30 anos se não tiver dinheiro para hoje? Ninguém. É por isso que a Fundação BlackRock trabalhou com um grupo de organizações sem fins lucrativos para criar uma Iniciativa de Poupança de Emergência. O programa ajudou principalmente os americanos de baixos rendimentos a poupar um total de 2 mil milhões de dólares em novas poupanças líquidas. 21

Estudos mostram que quando as pessoas têm poupanças de emergência, são 70% mais propensas a investir para a aposentadoria. Mas é aqui que os trabalhadores se deparam com outra barreira: investir é complexo, mesmo que se possa pagar. (22)

Ninguém nasce um investidor nato. É importante dizer isso porque às vezes no setor de serviços financeiros insinuam o contrário. Fazemos parecer que poupar para a aposentadoria pode ser uma tarefa simples, algo que qualquer pessoa pode fazer com um pouco de prática, como dirigir para o trabalho. Basta pegar as chaves e sentar no banco do motorista. Mas financiar a aposentadoria não é tão intuitivo. A melhor analogia seria se alguém deixasse cair um monte de motores e peças de automóveis na sua garagem e dissesse: “Descubra”.

Na BlackRock, tentamos tornar o processo de investimento mais intuitivo, inventando produtos mais simples, como fundos com datas previstas. Eles exigem apenas que as pessoas tomem uma decisão: em que ano esperam se aposentar? Assim que as pessoas escolhem a sua “data-alvo”, o fundo ajusta automaticamente a sua carteira, passando de ações de maior retorno para obrigações de menor risco à medida que a aposentadoria se aproxima. 23

Em 2023, a BlackRock expandiu os tipos de ETFs com data prevista que oferecemos para que as pessoas possam comprá-los com mais facilidade, mesmo que não trabalhem para empregadores que oferecem um plano de aposentadoria. Existem 57 milhões de pessoas assim na América – agricultores, trabalhadores temporários, empregados de restaurantes, empreiteiros independentes – que não têm acesso a um plano de contribuição definida. (24) E embora melhores produtos de investimento possam ajudar, há limites para o que algo como um fundo com data-alvo pode fazer. Na verdade, para a maioria das pessoas, os dados mostram que a parte mais difícil do investimento na aposentadoria está apenas em começar.

Outras nações simplificam as coisas para os seus trabalhadores em meio período/temporários e contratados. Na Austrália, os empregadores devem contribuir com uma parte da renda de cada trabalhador com idade entre 18 e 70 anos para uma conta de aposentadoria, que pertence então ao empregado. A Garantia de Pensões foi introduzida em 1992, quando o país parecia estar a caminho de uma crise de aposentadoria. Trinta e dois anos depois, os australianos provavelmente têm mais poupanças para a aposentadoria per capita do que qualquer outro país. A nação tem a 54ª maior população do mundo, mas o 4º maior sistema de aposentadoria. (25)

É claro que cada país é diferente, por isso cada sistema de pensões deveria ser diferente. Mas a experiência da Austrália com os Supers poderia ser um bom modelo para os políticos americanos estudarem e desenvolverem. Alguns já estão.

Existem cerca de 20 estados dos EUA – como Colorado e Virgínia – que instituíram sistemas de aposentadoria para cobrir todos os trabalhadores como a Austrália, mesmo que sejam temporários ou de meio período. 26

É bom que os legisladores estejam propondo projetos de lei diferentes e os estados estejam se tornando “laboratórios de aposentadoria”. Os benefícios podem ser enormes para os aposentados individuais. Estes novos programas também poderiam ajudar os EUA a garantir a solvência a longo prazo da Segurança Social. Foi isso que a Austrália descobriu: a sua Garantia de Pensões aliviou a tensão financeira no programa de pensões públicas do seu país. 27

Mas e os trabalhadores que têm acesso a um plano de aposentadoria patronal? Eles também precisam de apoio.

Mesmo entre os empregados que têm acesso aos planos patronais, 17% não se inscrevem neles, e a hipótese entre os especialistas em aposentadoria é que esta não é uma escolha consciente. As pessoas estão apenas ocupadas.

Parece trivial, mas mesmo a hora que alguém leva para procurar em sua caixa de entrada de e-mail de trabalho o link correto para o sistema de aposentadoria de sua empresa e, em seguida, selecionar a porcentagem de sua renda com a qual deseja contribuir pode ser um obstáculo intransponível. É por isso que as empresas devem fazer um esforço consciente para ver qual é a sua opção padrão. As pessoas são automaticamente inscritas em um plano ou não? E com quanto eles estão inscritos automaticamente para contribuir? É uma porcentagem mínima de sua renda? Ou o máximo?

Em 2017, o economista da Universidade de Chicago, Richard Thaler, ganhou o Prémio Nobel, em parte, pelo seu trabalho pioneiro em torno dos “nudges” – pequenas mudanças nas políticas que podem ter um enorme impacto na vida financeira das pessoas. A inscrição automática é uma delas. Estudos mostram que o simples passo de tornar a inscrição automática aumenta a participação no plano de aposentadoria em quase 50%. (28)

Como nação, devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para tornar o investimento na aposentadoria mais automático para os trabalhadores. E já existem pontos positivos. No próximo ano, entrará em vigor uma nova lei federal, exigindo que os empregadores que estabeleçam novos planos 401(k) inscrevam automaticamente os seus novos trabalhadores. Além disso, existem centenas de grandes empresas (incluindo a BlackRock) que já deram este passo voluntariamente.

Mas as empresas podem fazer ainda mais para melhorar a vida financeira dos seus funcionários, como fornecer algum nível de fundos correspondentes para planos de aposentadoria e oferecer mais educação financeira sobre a tremenda diferença a longo prazo entre contribuir com uma pequena percentagem do seu rendimento para a aposentadoria versus o máximo. Penso também que deveríamos facilitar aos trabalhadores a transferência das suas poupanças 401(k) quando mudam de emprego. Há um menu de opções aqui e precisamos explorar todas elas.

Para os aposentados, ajude-os a gastar o que economizaram

Em 2018, a BlackRock encomendou um estudo com 1.150 aposentados americanos. Quando investigamos os dados, encontramos algo inesperado – até mesmo paradoxal.

A pesquisa mostrou que, após quase duas décadas de aposentadoria, a pessoa média ainda tinha 80% do dinheiro da pré-aposentadoria economizado. Estamos falando de pessoas que provavelmente tinham entre 75 e 95 anos. Se tivessem investido para a aposentadoria, provavelmente teriam dinheiro mais do que suficiente para o resto da vida. E, no entanto, os dados também mostraram que estavam preocupados com as suas finanças. Apenas 32% relataram sentir-se confortáveis ​​em gastar o que pouparam. (29)

Este paradoxo da aposentadoria tem uma explicação simples: mesmo as pessoas que sabem poupar para se aposentar ainda não sabem como gastar para isso.

Nos EUA, as raízes deste problema remontam a mais de quatro décadas, quando os empregadores começaram a mudar de planos de benefícios definidos – pensões – para planos de contribuições definidas como o 401(k)s.

Em muitos aspectos, as pensões eram muito mais simples do que o 401(k). Você teve um emprego em algum lugar por 20 ou 30 anos. Então, quando você se aposentou, sua pensão lhe pagava uma quantia fixa – um benefício definido – todos os meses.

Quando entrei no mercado de trabalho, na década de 1970, 38% dos americanos tinham um destes planos de benefícios definidos, mas em 2008 a percentagem tinha sido reduzida quase para metade. Entretanto, a fração de americanos com planos de contribuição definida quase quadruplicou. 30

Isso deveria ter sido uma coisa boa. Começando com os Baby Boomers, cada vez menos trabalhadores passavam toda a sua carreira num só lugar, o que significa que precisavam de uma opção de aposentadoria que os acompanhasse de emprego em emprego. Em teoria, 401(k)s fez isso. Mas na prática? Na verdade.

Qualquer pessoa que tenha mudado de emprego sabe como não é intuitivo transferir suas economias para a aposentadoria. Na verdade, estudos mostram que cerca de 40% dos trabalhadores retiram os seus 401(k)s quando mudam de emprego, colocando-se novamente na linha de partida para poupanças para a aposentadoria. 31

A verdadeira desvantagem da contribuição definida era que ela retirava a maior parte da responsabilidade pela aposentadoria dos empregadores e a colocava diretamente sobre os ombros dos próprios empregados. Com as pensões, as empresas tinham uma obrigação muito clara para com os seus trabalhadores. O dinheiro da aposentadoria era um passivo financeiro no balanço corporativo. As empresas sabiam que teriam de assinar um cheque todos os meses para cada um de seus aposentados. Mas os planos de contribuição definida acabaram com isso, forçando os aposentados a trocar um fluxo constante de rendimento por um problema matemático impossível.

Como a maioria das contas de contribuição definida não vem com instruções sobre quanto você pode sacar todos os meses, os poupadores individuais devem primeiro acumular um pecúlio e depois gastar a uma taxa que durará o resto de suas vidas. Mas quem realmente sabe quanto tempo isso vai durar?

Simplificando, a mudança do benefício definido para a contribuição definida tem sido, para a maioria das pessoas, uma mudança da segurança financeira para a incerteza financeira.

É por isso que, mais ou menos na mesma altura em que vimos os dados de que os aposentados estavam nervosos em gastar as suas poupanças, começámos a nos perguntar: há algo que possamos fazer a respeito? Poderíamos desenvolver uma estratégia de investimento que proporcionasse a flexibilidade de um investimento 401(k), mas também o potencial para um fluxo de rendimento previsível, semelhante a um salário, semelhante a uma pensão?

Acontece que poderíamos. Essa estratégia se chama LifePath Paycheck™, que entrará em operação em abril. Enquanto escrevo isto, 14 patrocinadores de planos de aposentadoria estão planejando disponibilizar o LifePath Paycheck™ para 500.000 funcionários. Acredito que um dia será a estratégia de investimento mais utilizada nos planos de contribuição definida.

Estamos falando de uma revolução na aposentadoria. E embora isso possa acontecer primeiro nos EUA, eventualmente outros países também beneficiarão da inovação. Pelo menos essa é a minha esperança. Porque embora a aposentadoria seja principalmente um desafio de poupança, os dados são claros: é também um desafio de gastos.

Medo versus esperança

Antes de concluir esta seção sobre a aposentadoria, quero compartilhar algumas palavras sobre uma das maiores barreiras ao investimento para o futuro. Na minha opinião, não se trata apenas da acessibilidade ou da complexidade ou do fato das pessoas estarem ocupadas para se inscreverem no plano do seu empregador.

Provavelmente a maior barreira ao investimento para a aposentadoria – ou para qualquer outra coisa – é o medo.

Nas finanças, por vezes pensamos no “medo” como um conceito confuso e emocional – e não como um dado econômico concreto. Mas é isso que é. O medo é uma métrica tão importante e acionável quanto o PIB. Afinal de contas, o investimento (ou a falta dele) é apenas uma medida de medo, porque ninguém deixa o seu dinheiro ficar numa ação ou numa obrigação durante 30 ou 40 anos se temer que o futuro seja pior do que o presente. Foi quando eles colocaram seu dinheiro em um banco. Ou debaixo do colchão.

Isso é o que acontece em muitos países. Na China, onde novos inquéritos mostram que a confiança dos consumidores caiu para o seu nível mais baixo em décadas, a poupança das famílias atingiu o seu nível mais alto registado – quase 20 biliões de dólares – de acordo com o banco central. A China tem uma taxa de poupança de cerca de 30%. Quase um terço de todo o dinheiro ganho é guardado em espécie, caso seja necessário para tempos mais difíceis que virão. Os EUA, em comparação, têm uma taxa de poupança de um dígito. 32

A América raramente foi um país medroso. A esperança tem sido o maior ativo econômico da nação. As pessoas colocam o seu dinheiro nos mercados americanos pela mesma razão que investem nas suas casas e empresas – porque acreditam que esse país será melhor amanhã do que é hoje.

Esta grande e esperançosa América tem sido aquela que conheci durante toda a minha vida, mas ao longo dos últimos anos, especialmente porque tive mais netos, comecei a me perguntar: Será que eles também conhecerão esta versão da América? ?

Enquanto eu terminava esta carta, o Wall Street Journal publicou um artigo que me chamou a atenção. O título era “Os anos difíceis que transformaram a geração Z nos eleitores mais desiludidos da América” e incluía alguns dados atraentes – e realmente desanimadores.

O artigo mostrou que desde meados da década de 1990 até a maior parte do início do século 21 , a maioria dos jovens – cerca de 60% dos alunos do último ano do ensino médio, para ser mais específico – acreditava que obteria um diploma profissional, conseguiria um bom emprego e passarão a ser mais ricos que seus pais. Eles estavam otimistas. Mas desde a pandemia, esse otimismo caiu vertiginosamente.

Em comparação com há 20 anos, o atual grupo de jovens americanos têm 50% mais probabilidade de questionar se a vida tem um propósito. Quatro em cada 10 dizem que é difícil ter esperança para o mundo”. 33

Trabalho com finanças há quase 50 anos. Já vi muitos números. Mas nenhum dado me preocupou mais do que este.

A falta de esperança me preocupa como CEO. Isso me preocupa como avô. Mas acima de tudo, isso me preocupa como americano.

Se as gerações futuras não sentirem esperança neste país e no seu futuro nele, então os EUA não perderão apenas a força que faz as pessoas quererem investir. A América perderá o que a torna América. Sem esperança, corremos o risco de nos tornarmos apenas mais um lugar onde as pessoas olham para a estrutura de incentivos que têm diante de si e decidem que a escolha segura é a única escolha. Corremos o risco de nos tornarmos num país onde as pessoas guardam o dinheiro debaixo do colchão e os sonhos engarrafados no quarto.

Como recuperamos nossa esperança?

Quer estejamos tentando resolver o problema da aposentadoria ou qualquer outro, essa é a primeira pergunta que devemos fazer, embora eu admita prontamente que não tenho a solução. Olho para o estado da América – e do mundo – e fico tão indeciso quanto qualquer outra pessoa. Há tanta raiva e divisão, e muitas vezes tenho dificuldade em entender isso.

O que sei é que qualquer resposta tem de começar por trazer os jovens para o grupo. As mesmas pesquisas que mostram a sua falta de esperança também mostram a sua falta de confiança – muito menos do que qualquer geração anterior – em todos os pilares da sociedade: na política, no governo, nos meios de comunicação e nas empresas. Os líderes destas instituições (eu sou uma delas) devem ser empáticos com as suas preocupações.

Os jovens perderam a confiança nas gerações mais velhas. O fardo recai sobre nós para recuperá-lo. E talvez investir para atingir seus objetivos de longo prazo, incluindo a aposentadoria, não seja um mau lugar para começar.

O novo modelo de infraestrutura: aço, concreto e parceria público-privada

Comecei a viajar para Londres na década de 1980 e, naquela época, se você pudesse escolher entre os dois principais aeroportos internacionais da cidade – Heathrow ou Gatwick – provavelmente escolheria Heathrow. Gatwick ficava mais afastado da cidade. Também estava em um estado próximo do abandono.

Mas as coisas mudaram em 2009, quando Gatwick foi comprada pela Global Infrastructure Partners (GIP). Eles aumentaram a capacidade das pistas e instituíram mudanças de bom senso, como bandejas de bagagem superdimensionadas que reduziram o tempo de triagem de segurança em mais da metade.

“O que acontece com as empresas de infraestruturas… é que muitas delas tendem a não se concentrar no serviço ao cliente”, disse o CEO do GIP, Bayo Ogunlesi, ao Financial Times . O GIP queria tornar Gatwick diferente. No processo, também transformaram o aeroporto num excelente exemplo de como as infraestruturas serão construídas e geridas no século XXI – com capital privado. 34

Nos EUA, as pessoas tendem a pensar nas infraestruturas como um esforço governamental, algo construído com fundos dos contribuintes. Mas devido a uma grande razão que abordarei brevemente, essa não será a principal forma de construção da infra-estrutura em meados do século XXI . Em vez de apenas recorrer aos tesouros do governo para construir pontes, redes elétricas e aeroportos, o mundo fará o que Gatwick fez.

O futuro da infraestrutura é a parceria público-privada.

Dívida é importante

O setor das infraestruturas, avaliado em 1 bilião de dólares, é um dos segmentos de crescimento mais rápido dos mercados privados, e existem algumas tendências macroeconómicas inegáveis ​​que impulsionam este crescimento. Nos países em desenvolvimento, as pessoas estão ficando mais ricas, aumentando a procura de tudo, desde a energia aos transportes, enquanto nos países ricos os governos precisam construir novas infraestruturas e reparar as antigas.

Mesmo nos EUA, onde a administração Biden sancionou os investimentos geracionais em infraestruturas, ainda há 2 bilhões de dólares em manutenção diferida. 35 

Como pagaremos por toda essa infraestrutura? A razão pela qual acredito que precisaremos de alguma combinação de dólares públicos e privados é que o financiamento provavelmente não pode vir apenas do governo. A dívida é muito alta.

Da Itália à África do Sul, muitas nações estão sofrendo os encargos de dívida mais elevados da sua história. A dívida pública triplicou desde meados da década de 1970, atingindo 92% do PIB global em 2022.44 E na América, a situação é mais urgente do que alguma vez me lembro. Desde o início da pandemia, os EUA emitiram cerca de 11,1 bilhões de dólares em novas dívidas, e o montante é apenas parte da questão. Há também a taxa de juros que o Tesouro precisa pagar sobre isso. (36)

Há três anos, a taxa de um título do Tesouro a 10 anos era inferior a 1%. Mas enquanto escrevo isto, é superior a 4%, e esse aumento de 3 pontos percentuais é muito perigoso. Se as taxas atuais se mantiverem, isso equivalerá a mais de um bilhão de dólares em pagamentos de juros durante a próxima década. 37 

Por que esta dívida é um problema agora? Porque, historicamente, a América pagou dívidas antigas emitindo novas dívidas sob a forma de títulos do Tesouro. É uma estratégia viável desde que as pessoas queiram comprar esses títulos – mas daqui para frente, os EUA não podem presumir que os investidores quererão comprá-los em tal volume ou ao prémio que pagam atualmente.

Hoje, cerca de 30% dos títulos do Tesouro dos EUA são detidos por governos ou investidores estrangeiros. Essa porcentagem irá provavelmente diminuir à medida que mais países construam os seus próprios mercados de capitais e invistam internamente.

Mais líderes deveriam prestar atenção à crescente dívida da América. Há um cenário em que a economia americana começa a parecer-se com a do Japão no final da década de 1990 e no início da década de 2000, quando a dívida excedeu o PIB e levou a períodos de austeridade e estagnação. Uma América altamente endividada seria também aquela em que seria muito mais difícil combater a inflação, uma vez que os decisores políticos monetários não poderiam aumentar as taxas sem aumentar dramaticamente uma conta de serviço da dívida já insustentável.

Mas será uma crise da dívida inevitável? Não.

Embora a disciplina fiscal possa ajudar a controlar a dívida nas margens, será muito difícil (tanto política como matematicamente) aumentar os impostos ou cortar despesas ao nível que a América precisaria para reduzir drasticamente a dívida. Mas há outra saída além da tributação ou do corte: o crescimento. Se o PIB dos EUA crescer a uma média de 3% (em termos reais e não nominais) durante os próximos cinco anos, isso manteria o ratio dívida/PIB do país em 120% – elevado, mas razoável.

Devo ser claro: um crescimento de 3% é uma tarefa muito difícil, especialmente tendo em conta o envelhecimento da mão-de-obra do país. Exigirá que os políticos mudem o seu foco. Não podemos mais ver a dívida como um problema que só pode ser resolvido através de impostos e cortes de gastos. Em vez disso, os esforços da América em matéria de dívida têm de se centrar em políticas pró-crescimento, que incluem explorar os mercados de capitais para construir um dos melhores catalisadores para o crescimento: as infraestruturas. Principalmente infraestrutura energética.

Pragmatismo energético

Estradas, pontes, portos,  aeroportos, torres de celular – O setor das infraestruturas contém multidões, mas a multidão onde a BlackRock vê, sem dúvida, a maior procura de novos investimentos é a infraestrutura energética.

Por que energia? Duas coisas estão acontecendo no setor ao mesmo tempo.

A primeira é a “transição energética”. É uma megaforça, uma grande tendência econômica impulsionada por nações que representam 90% do PIB mundial. (38) Com a energia eólica e solar agora mais barata em muitos locais do que a electricidade gerada por combustíveis fósseis, estes países estão instalando cada vez mais energias renováveis. É também uma forma importante de abordar as alterações climáticas. Esta mudança – ou transição energética – criou um efeito cascata nos mercados, criando riscos e oportunidades para os investidores, incluindo os clientes da BlackRock. 39

Comecei a escrever sobre a transição em 2020. Desde então, a questão tornou-se mais controversa nos EUA, mas fora do debate, muita coisa continua igual. As pessoas ainda estão investindo pesadamente na descarbonização. Na Europa, por exemplo, o carbono zero continua a ser uma prioridade de investimento para a maioria dos clientes da BlackRock. (40) Mas agora a procura de energia limpa está sendo amplificada por outra coisa: um foco na segurança energética.

Os governos têm procurado a segurança energética desde a crise do petróleo da década de 1970 (e provavelmente já no início da Revolução Industrial) – esta não é uma tendência nova. Na verdade, quando escrevi a minha carta original de 2020 sobre sustentabilidade, também escrevi aos nossos clientes que os países ainda precisariam produzir petróleo e gás para satisfazer as suas necessidades energéticas. 

Para ter segurança energética, escrevi, a maior parte do globo precisaria “depender dos hidrocarbonetos durante vários anos”. 41

Então, em 2022, Putin invadiu a Ucrânia. A guerra acendeu uma nova faísca sob a ideia de segurança energética. Perturbou o fornecimento mundial de petróleo e gás, causando uma enorme inflação energética, especialmente na Europa. O Reino Unido, a Noruega e os 27 países da UE tiveram de gastar colectivamente 800 mil milhões de euros para subsidiar as faturas energéticas. 42

Esta é parte da razão pela qual ouço mais líderes falarem sobre descarbonização e segurança energética sob a bandeira conjunta do que se poderia chamar de “pragmatismo energético”.

No ano passado, como mencionei, visitei 17 países e passei muito tempo conversando com as pessoas responsáveis ​​pelo fornecimento de energia a residências e empresas, desde primeiros-ministros a operadores de redes energéticas. A mensagem que ouvi foi completamente oposta à que se ouve frequentemente dos ativistas da extrema esquerda e da direita, que dizem que os países têm de escolher entre energias renováveis ​​e petróleo e gás. Estes líderes acreditam que o mundo ainda precisa de ambos. Eles eram muito mais pragmáticos em relação à energia do que dogmáticos. Mesmo os mais conscientes do clima entre eles perceberam que o seu caminho a longo prazo para a descarbonização incluiria hidrocarbonetos, embora em menor quantidade, durante algum tempo.

A Alemanha é um bom exemplo de como o pragmatismo energético ainda é um caminho para a descarbonização. É um dos países mais empenhados na luta contra as alterações climáticas e tem feito enormes investimentos em energia eólica e solar. Mas às vezes o vento não sopra em Berlim e o sol não brilha em Munique. E durante esses períodos sem vento e sem sol, o país ainda depende do gás natural para “energia despachável”. A Alemanha costumava obter esse gás da Rússia, mas agora precisa procurar em outro lugar. Portanto, estão construindo instalações adicionais de gás para importar de outros produtores de todo o mundo. 43

Ou olhe para o Texas. Enfrentam um desafio energético semelhante – não por causa da Rússia, mas por causa da economia. O estado é um dos que mais cresce nos EUA, e a procura adicional de energia está levando a ERCOT, a rede energética do Texas, ao limite. 44

Hoje, o Texas funciona com 28% de energia renovável, – 6% mais do que os EUA como um todo. Mas sem 10 gigawatts adicionais de energia despachável, que poderá prover parcialmente do gás natural, o estado continuará sofrendo cortes de energia devastadores. Em fevereiro, a BlackRock ajudou a convocar uma cimeira de investidores e políticos em Houston para ajudar a encontrar uma solução. 45

O Texas e a Alemanha são excelentes exemplos de como é a transição energética. Como escrevi em 2020, a transição só terá sucesso se for “justa”. Ninguém apoiará a descarbonização se isso significar desistir de aquecer a sua casa no Inverno ou de a esfriar no Verão. Ou se o custo de fazer isso for proibitivo.

Desde 2020, os economistas popularizaram uma linguagem melhor para descrever o que realmente significa uma transição justa. Um conceito importante é o “prêmio verde”. É a sobretaxa que as pessoas pagam para “se tornarem verdes”: por exemplo, mudar de um carro movido a gasolina para um veículo elétrico. Quanto mais baixo for o prémio verde, mais justa será a descarbonização, porque será mais acessível.

É aqui que o poder dos mercados de capitais pode ser libertado com grande efeito. O investimento privado pode ajudar as empresas de energia a reduzir o custo das suas inovações e a expandi-las em todo o mundo. No ano passado, a BlackRock investiu em mais de uma dúzia destes projetos de transição em nome dos nossos clientes. Fizemos parceria com desenvolvedores no Sudeste Asiático com o objetivo de construir mais de um gigawatt de capacidade solar (suficiente para abastecer uma cidade) na Tailândia e nas Filipinas. (46) Também investimos na energia eólica do Lago Turkana, o maior parque eólico de África. Está localizada no Quênia e atualmente é responsável por cerca de 12% da geração de energia do país. 47

Existem também tecnologias em estágio inicial, como uma bateria gigante de “rocha quente” que está sendo construída pela Antora Energy. A empresa aquece blocos de carbono com energia eólica ou solar durante períodos do dia em que a energia renovável é barata e abundante. Essas “baterias térmicas” atingem até 2.400 graus Celsius e brilham mais que o sol. Depois, esse calor é utilizado para alimentar instalações industriais gigantescas 24 horas por dia, mesmo quando o sol não brilha ou o vento não sopra. 48

A BlackRock investiu na Antora por meio da Decarbonization Partners, parceria que temos com a empresa de investimentos Temasek. Nosso financiamento ajudará a Antora a crescer para fornecer bilhões de dólares em energia com emissão zero para clientes industriais. Um dia, as suas baterias térmicas poderão ajudar a resolver o tipo de problema de energia despachável que o Texas e a Alemanha enfrentam – mas sem emissões de carbono.(49)

A tecnologia final que destacarei é a captura de carbono. No ano passado, um dos fundos de infraestrutura da BlackRock investiu US$ 550 milhões em um projeto chamado STRATOS, que será a maior instalação de captura direta de ar do mundo quando a construção for concluída em 2025. Entre os aspectos mais interessantes do projeto está quem está construindo a instalação: Occidental Petroleum, a grande empresa petrolífera do Texas. 49

O mercado de energia não está dividido como algumas pessoas pensam, com uma forte divisão entre os produtores de petróleo e gás, de um lado, e as novas empresas de energia limpa e de tecnologia climática, do outro. Muitas empresas, como a Occidental, fazem as duas coisas, o que é uma das principais razões pelas quais a BlackRock nunca apoiou o desinvestimento em empresas de energia tradicionais. Eles também são pioneiros na descarbonização.

Hoje, a BlackRock tem mais de 300 mil milhões de dólares investidos em empresas de energia tradicionais em nome dos nossos clientes. Desses 300 mil milhões de dólares, mais de metade – 170 mil milhões – estão nos EUA. (50) Investimos nessas empresas de energia por uma simples razão: é o dinheiro dos nossos clientes. Se quiserem investir em hidrocarbonetos, daremos todas as oportunidades para o fazerem – da mesma forma que investimos cerca de 138 mil milhões de dólares em estratégias de transição energética para os nossos clientes. Isso faz parte de ser um gestor de ativos. Seguimos os mandatos dos nossos clientes.

Mas quando se trata de energia, também entendo por que as pessoas têm preferências diferentes. A descarbonização e a segurança energética são as duas tendências macroeconómicas que impulsionam a procura de mais infraestruturas energéticas. Às vezes, são tendências concorrentes. Outras vezes, são complementares, como quando a mesma bateria avançada que descarboniza a sua rede também pode reduzir a sua dependência de energia estrangeira.

A questão é: a transição energética não está ocorrendo em linha reta. Como já escrevi muitas vezes, ela está se movendo de maneiras e ritmos diferentes em diferentes partes do mundo. Na BlackRock, nosso trabalho é ajudar nossos clientes a navegar pelas grandes mudanças no mercado de energia, não importa onde estejam.

A próxima transformação da BlackRock

Uma forma de ajudarmos nossos clientes a navegar no crescente mercado de infraestrutura é transformando nossa empresa. Comecei esta seção escrevendo sobre os proprietários do Aeroporto de Gatwick, GIP. Em janeiro, a BlackRock anunciou nossos planos para adquiri-los. 

Porquê o GIP? O próprio negócio de infraestrutura da BlackRock tem crescido rapidamente nos últimos anos. Mas, para atender à demanda, percebemos que precisávamos crescer ainda mais rápido.

Não são apenas os governos endividados que precisam encontrar fontes alternativas de financiamento para as suas infraestruturas. As empresas do setor privado também o fazem. Em todo o mundo, existe uma vasta infraestrutura que pertence e é inteiramente operada por empresas privadas. As torres de celular são um bom exemplo. O mesmo ocorre com os oleodutos que fornecem matérias-primas para as empresas químicas. Cada vez mais, os proprietários destes ativos preferem ter um parceiro financeiro, em vez de arcar com o custo total da infraestrutura no seu balanço.

Eu estava pensando nessa tendência e liguei para um antigo colega, Bayo Ogunlesi.

Bayo e eu iniciamos nossas carreiras em finanças no banco de investimento First Boston. Mas nossos caminhos divergiram. Perdi US$ 100 milhões em uma série de negociações ruins no First Boston e… bem, ninguém precisa ouvir essa história novamente. Mas levou-me (e aos meus parceiros da BlackRock) a sermos pioneiros numa melhor gestão de risco para mercados de rendimento fixo. Entretanto, Bayo e a sua equipa foram pioneiros no investimento em infraestruturas modernas nos mercados privados.

Agora, planejamos unir nossas forças novamente. Acredito que os resultados serão melhores oportunidades para nossos clientes investirem na infraestrutura que mantém nossas luzes acesas, aviões voando, trens em movimento e nosso serviço de celular no número máximo de bares.

Mais sobre o trabalho da BlackRock em 2023

Nesta carta, compartilhei a minha opinião de que os mercados de capitais irão desempenhar um papel ainda maior na economia global. Terão de o fazer se o mundo quiser enfrentar os desafios em torno das infraestruturas, da dívida e da aposentadoria. Estas são as principais questões económicas de meados do século XXI. Vamos precisar do poder do capitalismo para resolvê-los.

A forma como a BlackRock entra nessa história é através do nosso trabalho com os clientes. Queremos posicioná-los bem para navegar nessas tendências, por isso tentamos estar mais conectados do que nunca com nossos clientes.

Nos últimos cinco anos, milhares de clientes em nome de milhões de indivíduos confiaram à BlackRock a gestão de mais de 1,9 biliões de dólares em novos ativos líquidos. Milhares de pessoas também utilizam a nossa tecnologia para compreender melhor os riscos nas suas carteiras e apoiar o crescimento e a agilidade comercial dos seus próprios negócios. Anos de crescimento orgânico, juntamente com o crescimento a longo prazo dos mercados de capitais, sustentam os nossos 10 biliões de dólares em ativos de clientes, que cresceram mais de 1,4 biliões de dólares em 2023.

Nos bons e nos maus momentos, quer os clientes estejam concentrados em aumentar ou diminuir o risco não, o nosso crescimento orgânico consistente e líder do setor demonstra que os clientes estão consolidando mais as suas carteiras com a BlackRock. Em 2023, os nossos clientes concederam-nos 289 mil milhões de dólares em novos ativos líquidos durante um período de rápidas mudanças e redução significativa do risco da carteira.

O modelo de negócios diferenciado da BlackRock nos permitiu continuar a crescer com nossos clientes e manter um crescimento orgânico positivo nas taxas básicas. Crescemos independentemente do cenário do mercado e mesmo quando a maior parte da indústria sofreu saídas.

Penso em 2016 e 2018, quando a incerteza e o sentimento cauteloso impactaram o comportamento de investimentos entre instituições e indivíduos. Muitos clientes reduziram o risco e mudaram para dinheiro. A BlackRock permaneceu conectada com nossos clientes. Nos mantemos rigorosos na condução do desempenho do investimento, na inovação de novos produtos e tecnologias e no aconselhamento sobre a concepção de portfólio. Quando os clientes estavam prontos para voltar aos mercados de forma mais ativa, eles o fizeram com a BlackRock – levando a novos recordes de fluxos de clientes e a um crescimento orgânico das taxas básicas igual ou superior à nossa meta.

Os fluxos e o crescimento orgânico das taxas básicas aceleraram no final de 2023. Vimos US$ 96 bilhões de entradas líquidas totais no quarto trimestre e entramos em 2024 com grande impulso.

Em 2024, pretendo fazer o que fiz em 2023 – passar muito tempo viajando e visitando clientes. Já fiz diversas viagens pelos EUA e pelo mundo, e está mais claro do que nunca que empresas e clientes querem trabalhar com a BlackRock.

As empresas nas quais investimos em nome de nossos clientes reconhecem que normalmente fornecemos capital consistente e de longo prazo. Muitas vezes investimos cedo e permanecemos investidos durante os ciclos, sejam eles dívida ou capital, pré-IPO ou pós-IPO. As empresas reconhecem os relacionamentos globais, a marca e a experiência da BlackRock em todos os mercados e setores. Isso nos torna um parceiro valioso e, por sua vez, apoia o fornecimento e o desempenho que podemos oferecer aos clientes.

Nos últimos 18 meses, criamos e executamos vários negócios para clientes. Além do projeto de captura aérea direta STRATOS, nossos fundos fizeram parceria com a AT&T na Gigapower JV para construir banda larga em comunidades nos EUA. Também fizemos investimentos globalmente, inclusive na Brasol (Brasil), AirFirst (Coréia do Sul), Akaysha Energy ( Austrália) e o Parque Eólico do Lago Turkana (Quênia).

Nossa capacidade de obter negócios para clientes é o principal impulsionador da demanda pelas estratégias de mercados privados da BlackRock. Estas estratégias registaram entradas líquidas de 14 mil milhões de dólares em 2023, impulsionadas por infraestruturas e crédito privado. Continuamos a esperar que essas categorias sejam os nossos principais impulsionadores de crescimento dentro das alternativas nos próximos anos.

Nossas percepções de investimento ativo, experiência e forte desempenho de investimento diferenciam de forma semelhante a BlackRock no mercado. Vimos quase 60 mil milhões de dólares em entradas líquidas ativas em 2023, em comparação com as saídas da indústria.

Em ETFs, a BlackRock gerou US$ 186 bilhões em entradas líquidas, líderes do setor, em 2023. Nossa liderança na indústria de ETFs é outra prova de nossa plataforma global e conectividade com os clientes.

O que temos visto mercado após mercado é que, se conseguirmos tornar o investimento mais fácil e acessível, poderemos atrair rapidamente novos clientes. Estamos aproveitando plataformas de riqueza digital em mercados locais para proporcionar mais acesso ao investimento e acelerar o crescimento orgânico dos ETF iShares.

Na EMEA, a BlackRock potencializa planos de poupança de ETF para investidores finais, em parceria com muitos bancos e plataformas de corretagem, incluindo Trade Republic, Scalable Capital, ING, Lloyds e Nordnet. Essas parcerias ajudarão milhões de pessoas a aceder a investimentos, a investir a longo prazo e a alcançar o bem-estar financeiro.

Em 2023, anunciamos também o nosso investimento minoritário na Upvest, que ajudará a impulsionar a inovação na forma como os europeus acedem aos mercados e tornará mais barato e simples começar a investir.

Depois, há o nosso trabalho com o banco digital líder da Grã-Bretanha, Monzo, para oferecer aos seus clientes os nossos produtos através da sua aplicação, com investimentos mínimos tão baixos como £1. Através destas relações, estamos desenvolvendo a nossa franquia de ETF iShares para aumentar significativamente o acesso aos mercados globais.

Deixe-me também dizer algumas palavras sobre Aladdin. Continua sendo a linguagem dos portfólios, unindo toda a BlackRock e fornecendo a base tecnológica para a forma como atendemos os clientes em nossa plataforma. E Aladdin não é apenas a tecnologia chave que alimenta a BlackRock; também alimenta muitos de nossos clientes. A necessidade de dados integrados e análises de risco, bem como de visões completas do portfólio nos mercados públicos e privados, está impulsionando o crescimento do valor anual do contrato (ACV).

Em 2023, geramos US$ 1,5 bilhão em receitas de serviços de tecnologia. Os clientes desejam crescer e expandir com a Aladdin, o que se reflete na forte atividade de colheita, com mais de 50% das vendas da Aladdin sendo multiprodutos.

À medida que olhamos para o futuro, o novo risco das carteiras de clientes criará enormes perspectivas para as nossas franquias nos mercados público e privado. E será necessária tecnologia integrada para ajudar os clientes a serem ágeis enquanto operam em grande escala.

Estes são os tempos em que os investidores estão fazendo grandes mudanças na forma como constroem carteiras. A BlackRock está ajudando os investidores a construir o “portfólio do futuro” – um que integre os mercados públicos e privados e seja habilitado digitalmente. Vemos essas mudanças como grandes catalisadores. Com o investimento diversificado e a plataforma tecnológica que construímos, nos preparando para ser um produtor estrutural nos próximos anos.

Posicionando nossa organização para o futuro

Assim como inovamos e desenvolvemos continuamente nossos negócios para estar à frente de nossos clientes, também evoluímos nossa organização e nossa equipe de liderança.

No início deste ano, anunciamos mudanças para reimaginar o nosso negócio e transformar a nossa organização para melhor antecipar o que os clientes precisam – e moldar a BlackRock para que os clientes possam continuar obtendo os insights, soluções e resultados que esperam de nós.

Durante anos, a BlackRock trabalhou com clientes em todo o portfólio, embora com distinções entre estruturas de produtos para ETFs, fundos mútuos ativos e contas separadas.

Agora as linhas tradicionais entre produtos estão se confundindo. Os clientes estão construindo carteiras que combinam perfeitamente estratégias ativas e de índice, incluindo ativos líquidos e ilíquidos e abrangendo mercados públicos e privados, através de ETF, fundos mútuos e estruturas de contas separadas.

A BlackRock tem sido fundamental na expansão do mercado de ETFs, tornando-os acessíveis a mais investidores e fornecendo novas classes de ativos (como títulos) e estratégias de investimento (como ativos). Como resultado desse sucesso, o ETF deixou de ser apenas um conceito de indexação – está a tornar-se uma estrutura eficiente para uma série de soluções de investimento.

Sempre vimos os ETFs como uma tecnologia, uma tecnologia que facilitava o investimento. E tal como a nossa tecnologia Aladdin se tornou fundamental para a gestão de ativos, o mesmo aconteceu com os ETFs. É por isso que acreditamos que incorporar nossa experiência em ETFs e índices em toda a empresa acelerará o crescimento dos iShares e de todas as estratégias de investimento da BlackRock.

Seremos mais ágeis e mais alinhados com os clientes por meio de nossa nova arquitetura com o objetivo de oferecer uma melhor experiência, melhor desempenho e melhores resultados.

Escolha de votação

Os mercados de capitais saudáveis ​​dependem de um ciclo de feedback contínuo entre as empresas e os seus investidores. Por mais de uma década, a BlackRock se esforçou para melhorar esse ciclo de feedback para nossos clientes.

Conseguimos isso criando um programa de gestão líder do setor, focado em envolver as empresas investidas em questões que impactam os interesses econômicos de longo prazo de nossos clientes. Isto requer a compreensão de como as empresas estão posicionadas para navegar pelos riscos e oportunidades que enfrentam – por exemplo, como a fragmentação geopolítica pode reconectar as suas cadeias de abastecimento ou como o custo mais elevado do empréstimo pode impactar a sua capacidade de proporcionar um crescimento sustentado dos lucros.

Para isso, construímos uma das maiores equipes de administração para interagir com as empresas, muitas vezes juntamente com as nossas equipes de investimento, porque nunca acreditámos na dependência da indústria nas recomendações de alguns consultores de procuração. Sabíamos que os nossos clientes esperariam que tomássemos decisões de votação por procurações independentes, informados pelo nosso diálogo contínuo com as empresas – uma filosofia que continua a sustentar os nossos esforços de administração até hoje. Para os nossos clientes que nos confiaram esta importante responsabilidade, continuamos firmes na promoção de práticas sólidas de governança corporativa e resiliência financeira nas empresas investidas em seu nome.

E para os nossos clientes que desejam ter um papel mais direto no processo de votação por procuração, continuamos a inovar para lhes proporcionar mais opções. Em 2022, a BlackRock foi a primeira em nosso setor a lançar o Voting Choice, um recurso que permitiu que investidores institucionais participassem do processo de votação por procuração. Hoje, cerca de metade dos ativos de índices de capital sob gestão dos nossos clientes podem acessar o Voting Choice. E em fevereiro, lançamos um piloto em nosso maior ETF S&P 500, possibilitando pela primeira vez a Escolha de Voto para investidores individuais.

Saudamos essas vozes adicionais na governação corporativa e acreditamos que podem fortalecer ainda mais a democracia dos acionistas. Acredito que mais proprietários de ativos podem participar eficazmente neste importante processo se estiverem bem informados. Estamos encorajados pelo seu envolvimento e pela transformação contínua do ecossistema de votação por procuração, mas continuamos a acreditar que a indústria beneficiária de consultores de procuração adicionais.

Estratégia para crescimento a longo prazo

Há 36 anos, a BlackRock lidera ouvindo nossos clientes e evoluindo para ajudá-los a alcançar resultados de longo prazo. Esse compromisso tem estado por trás de tudo o que fazemos como empresa, seja abrindo novos mercados através do iShares, sendo pioneiros na consultoria de portfólio completo, lançando o Aladdin nos desktops dos investidores e muito mais. Os clientes têm estado na base da nossa mentalidade e da nossa estratégia de crescimento, informando os investimentos que fizemos em nossos negócios.

A combinação de tecnologia e consultoria, juntamente com ETFs e capacidades de mercados ativos e privados, permite-nos oferecer uma melhor experiência ao cliente – levando os clientes a consolidarem mais das suas carteiras com a BlackRock ou a contratarem-nos para soluções de outsourcing. Acreditamos que isso, por sua vez, impulsionará o crescimento orgânico diferenciado e contínuo no futuro.

Como fazemos todos os anos, a nossa equipa de gestão e o Conselho passaram algum tempo a avaliar a nossa estratégia de crescimento. Nos desafiamos a pensar: Que oportunidades este ambiente económico criará para a BlackRock e os nossos clientes, o que mais podemos fazer para satisfazer e antecipar as suas necessidades? Como podemos evoluir a nossa organização, estrutura operacional, capacidades de investimento e modelos de serviços e, ao fazê-lo, continuar a liderar a indústria?

Temos forte convicção em nossa estratégia e em nossa capacidade de executar com escala e disciplina de despesas. Nossa estratégia continua centrada no crescimento de Aladdin, ETFs e mercados privados, mantendo o alfa no coração da BlackRock, liderando em investimentos sustentáveis ​​e aconselhando clientes em todo o seu portfólio.

Fazemos investimentos internos continuamente para crescimento orgânico e eficiência, investindo antes das oportunidades dos clientes em mercados privados, ETFs, tecnologia e soluções de portfólio completo.

Nos mercados privados, estamos preparados para capitalizar as tendências de crescimento estrutural. Quer se trate da execução a pedido de infraestruturas tão necessárias ou do papel crescente do crédito privado à medida que os bancos e os credores públicos se afastam do mercado intermédio, o capital privado será essencial. A BlackRock está preparada para conquistar participação por meio de nossa escala, origem proprietária e histórico. E acreditamos que a nossa aquisição planeada da GIP irá acelerar significativamente a nossa capacidade de oferecer as nossas capacidades de mercados privados aos nossos clientes.

Nos ETFs, continuaremos a liderar, expandindo o acesso ao investimento a nível global e através da inovação. O ETF é uma peça adaptável de tecnologia financeira e,ao longo do tempo, conseguimos fazer mais com ele do que apenas tornar o investimento mais acessível. Conseguimos trazer melhor liquidez e descoberta de preços para mercados mais opacos. Um exemplo recente é oferecer às pessoas exposição ao Bitcoin por meio de ETFs.

Os ETFs têm sido uma história de crescimento incrível nos EUA, com os iShares liderando o caminho. Acreditamos que a adoção global de ETF deverá acelerar à medida que as tendências catalisadoras que vimos nos EUA anos atrás, como o crescimento de consultoria baseada em taxas e carteiras de modelos, estão apenas começando a criar raízes. Quase metade das entradas líquidas de iShares em 2023 vieram dos nossos ETFs cotados internacionalmente em mercados locais, lideradas  pelas entradas líquidas de iShares europeias de 70 mil milhões de dólares.

A alocação ativa de ativos, a seleção de títulos e a gestão de riscos têm sido consistentemente elementos-chave nos retornos a longo prazo. As nossas equipes ativas em multiativos, rendimento fixo e ações estão bem posicionadas para aproveitar amplas oportunidades decorrentes desta nova taxa de juro e desse regime potencialmente mais volátil. Estamos particularmente entusiasmados com a oportunidade no rendimento fixo e com a forma como a inteligência artificial está  impulsionando o desempenho nos nossos negócios de investimento sistemático.

A renda fixa será cada vez mais relevante na construção de carteiras completas com rendimentos mais elevados e melhor potencial de retorno em comparação com o ambiente de taxas baixas dos últimos 15 anos. Agora que a taxa dos títulos do Tesouro dos EUA a 10 anos está próxima das médias de longo prazo, os clientes estão reconsiderando as alocações de obrigações.

A BlackRock está bem posicionada com uma plataforma diversificada de renda fixa. Não se trata apenas de índices, onde administramos quase US$ 1,7 trilhão. Ou quase ativo, onde administramos mais de US$ 1 trilhão. Algumas das conversas mais interessantes sobre portfólio são com alocadores que estão misturando ETFs com ativos ou usando inovações como nossos ETFs ativos para soluções de renda gerenciadas profissionalmente.

Em todas as classes de ativos, a necessidade de gestão integrada de dados, tecnologia e risco continuará aimpulsionando a procura pela Aladdin. Através do seu ecossistema dinâmico de mais de 130.000 utilizadores, a plataforma Aladdin está constantemente a inovar e a ser melhorada. Os investimentos em copilotos de IA da Aladdin, melhorias na abertura que apoiam parcerias de ecossistemas e o avanço de soluções de portfólio completo irão aumentar ainda mais o valor da Aladdin.

Estamos honrados por nossos clientes terem confiado US$ 289 bilhões em novos ativos líquidos em 2023. E nos últimos meses, vimos um sentimento e um tom decididamente mais positivos nos mercados e entre os clientes, que estou muito otimista que levará para o resto de 2024.

A nossa capacidade de adaptação, evolução e crescimento gerou um retorno total de 9.000% para os nossos acionistas desde o nosso IPO em 1999. Isto é muito superior ao retorno de 490% do S&P 500 e representa um modelo de negócio que serve todos os nossos stakeholders.

Retorno total desde o IPO da BlackRock até 31 de dezembro de 2023

S&P Global. O gráfico de desempenho não é necessariamente indicativo do desempenho futuro do investimento.

Nosso Conselho de Administração

O Conselho da BlackRock desempenha um papel fundamental na nossa estratégia, no nosso crescimento e no nosso sucesso.

As diversas experiências e formações de nossos Diretores nos permitem ter discussões e debates ricos. Em cada reunião, os nossos Diretores analisam componentes da nossa estratégia de longo prazo e promovem o diálogo construtivo com a nossa equipa de liderança sobre oportunidades estratégicas, prioridades e riscos enfrentados pelos negócios da BlackRock. Em última análise, este diálogo leva-nos a tomar medidas, por vezes tácticas e por vezes transformacionais, para construir uma BlackRock melhor. Isso inclui os dois movimentos transformacionais que fizemos em Janeiro: A arquitetura estratégica da nossa organização e o nosso acordo para adquirir a GIP.

Essas duas mudanças transformacionais são as maiores desde a aquisição do Barclays Global Investors, há quase 15 anos.

Após a conclusão da transação GIP, planejamos que Bayo Ogunlesi se junte ao nosso Conselho de Administração. Continuaremos evoluindo o nosso Conselho ao longo do tempo para refletir a amplitude do nosso negócio global e para nos orientar à medida que evoluímos à frente das necessidades dos nossos clientes.

Uma nota final

Nos últimos 36 anos, a BlackRock passou de uma empresa de oito pessoas num pequeno escritório em Manhattan para a maior gestora de ativos do mundo. Mas o nosso crescimento é apenas uma pequena parte de uma história de sucesso muito maior.

Faz parte da mesma história que inclui a aposentadoria confortável de meus pais após 50 anos de trabalho duro. A mesma história em que a América foi capaz de suportar a crise S&L dos anos 80 e a crise financeira de 2008 – e recuperar rapidamente e com força crescente.

E é a história que, esperançosamente, incluirá mais pessoas ao redor do mundo. Nações que podem superar a sua dívida. Cidades que podem dar-se ao luxo de abastecer mais casas e construir mais estradas. Trabalhadores que possam viver os seus anos dourados com dignidade.

Todas essas histórias só são possíveis devido ao poder dos mercados de capitais e às pessoas que têm esperança suficiente para investir neles.

Sinceramente,

Laurence Fink, Presidente e CEO da Black Rock


Referências:

1 – Com base em um investimento de $1.000 de janeiro de 1960 a dezembro de 1990. Pressupõe reinvestimento de todos os dividendos. O desempenho passado não é indicativo de resultados futuros.
2 – História do Federal Reserve, Crise das Associações de Poupança e Empréstimo
3 –  OCED Economic Surveys: Estados Unidos (2016)
4 – Associação da Indústria de Valores Mobiliários e Mercados Financeiros, Livro de Fatos do Capital DMarkets (2023), p.6
5 – Federação Mundial de Bolsas de Valores, Estatísticas de Mercado-Fevereiro de 2024, (2024)
6 – Fórum Econômico Mundial, Envelhecimento e Longevidade, (2023)
7- Nações Unidas, Envelhecimento da População Mundial, (2017), p.8
8 – The Wall Street Journal, Nikkei do Japão ultrapassa 40.000 pela primeira vez, impulsionado pelo otimismo com a IA, (2024)
9 – Secretaria do Gabinete do Japão, Plano de Dupla Renda Baseada em Ativos, (2022), p.2
10 – Nota: 1. Formato adaptado de Adele M. Hayutin, Novas Paisagens de Mudança Populacional: Um Tour Demográfico Mundial (Hoover Press, 2022). Dados da Divisão de População das Nações Unidas, Perspectivas da População Mundial. (última atualização 2022), Projeção de Fertilidade Média. 2. Ano de pico é definido como o ano em que a população em idade de trabalho atinge seu máximo para um país. Fontes: Estatísticas Populacionais das Nações Unidas (até 2022). OECD (até 06/2023). Banco Mundial (até 2022).
11- Nações Unidas, O DESA da ONU lança novo relatório sobre envelhecimento, (2019)
12 – The New York Times Magazine, Podemos viver até os 200 anos? (2021) e Biblioteca Nacional de Medicina, Anos de Vida Estimados Livres de Novos ou Recorrentes Grandes Eventos Cardiovasculares com a Adição de Semaglutida ao Cuidado Padrão em Pessoas com Diabetes Tipo 2 e Alto Risco Cardiovascular, (2022)
13 –  Fonte 1: Bureau of Labor Statistics, Benefícios aos Empregados nos Estados Unidos, (2023), p.1; Fonte 2: Bureau of Labor Statistics, Benefícios aos Empregados na Indústria, (1980), p. 6
14 –  Estimativas BLK com base em AUM até 31 de dezembro de 2021 e dados Cerulli até 2020. Os ativos de ETF incluem apenas ativos qualificados com base em dados Cerulli e pressupõem que 9,5% dos ETFs detidos institucionalmente estão relacionados a pensões ou aposentadorias. As estimativas institucionais incluem ativos definidos como “relacionados à aposentadoria” e são baseadas em produtos e clientes com um mandato de aposentadoria específico (por exemplo, LifePath, pensões). Estimativas para a América Latina com base em ativos gerenciados para clientes do Fundo de Pensão da América Latina, excluindo dinheiro.
15 –  BlackRock até 31 de dezembro de 2021. O número total de americanos é calculado com base em estimativas de participantes nos planos de Contribuição Definida e Benefício Definido da BlackRock. O número de Contribuição Definida é estimado com base em dados do FERS, bem como em informações da ISS Market Intelligence BrightScope para participantes ativos nos planos 401 (k) e 403 (b). A Contribuição Definida inclui planos com mais de $100M+ em ativos nos quais os participantes têm acesso a um ou mais fundos da BlackRock; alguns podem não estar investidos com a BlackRock. O número de Benefício Definido é estimado com base em dados de arquivamentos públicos e Pension & Investments para o número total de participantes nos 20 maiores planos de Benefício Definido dos EUA que não são também clientes de Contribuição Definida da BlackRock.
16 – Bureau de Estatísticas do Trabalho dos EUA, Estatísticas da Força de Trabalho da Pesquisa Mensal de População Ativa, (fevereiro de 2023)
17 – Representa o número total de professores de escolas públicas ativos inscritos em planos de benefício definido com ativos gerenciados pela BlackRock. Exclui clientes de pensões da Virgínia, Alasca e Pensilvânia, pois o plano de pensão dos estados não é o plano padrão para seus participantes. Contagem de professores de escolas públicas do Centro Nacional de Estatísticas da Educação, projeção para o ano letivo de 2022. Taxa de participação em pensões com base em dados do Bureau de Estatísticas do Trabalho dos EUA: 89% até março de 2022 –  Segurança Social, Tábuas de Mortalidade para a Área da Segurança Social dos Estados Unidos 1900-2100, Figura 3a – Segurança Social, Quando Começar a Receber Benefícios de Aposentadoria, (2023), p.2 – Segurança Social, Resumo: Situação Atuarial dos Fundos de Confiança da Segurança Social, (2023)
18 – Governo Holandês, Por que a idade da pensão estatal está aumentando? (traduzido do holandês)
19 – Bureau de Estatísticas do Trabalho dos EUA, Taxa de Participação da Força de Trabalho Civil, (2000-2024)
20 – Departamento do Censo dos EUA, Pesquisa de Participação e Programas de Renda (SIPP), (2022)
21 – Reserva Federal, Bem-Estar Econômico dos Domicílios dos EUA em 2022, (2023), p.2
22 – BlackRock, Iniciativa de Economia de Emergência: Relatório de Impacto e Aprendizado, (2019-2022), p.2
23 –  BlackRock, Iniciativa de Economia de Emergência: Relatório de Impacto e Aprendizado, (2019-2022), p.12
24 –  BlackRock, O que são fundos de data-alvo?

25 – AARP, Nova Pesquisa da AARP: Quase Metade dos Americanos Não Tem Acesso a Planos de Aposentadoria no Trabalho, (2022) – CIA: The World Factbook, Comparação de Países: População (est. 2023)
26 – OECD, Pensões em um Relance 2023, (2023), 222 – Centro de Iniciativas de Aposentadoria da Universidade de Georgetown, Programas de Poupança para Aposentadoria Facilitados pelo Estado: Um Resumo das Características de Design do Programa, (2023)
27- Parlamento da Austrália, Superannuation e renda de aposentadoria
28 – Interesse Humano, O poder da inscrição automática no 401(k), (2024)
29 – BlackRock, Gastar ou não gastar? (2023), p. 2-5
30 – Fonte 1: The Wall Street Journal, Os Campeões do 401(k) Lamentam a Revolução que Começaram, (2017); Fonte 2: Escritório de Política de Aposentadoria e Incapacidade da Segurança Social, O Desaparecimento da Pensão de Benefício Definido e seu Impacto Potencial nas Rendas de Aposentadoria dos Baby Boomers, (2009)
31 – Câmara de Comércio dos EUA, Declaração da Câmara de Comércio dos EUA, (2012), p. 3 –  Harvard Business Review, Muitos Funcionários Sacam seus 401(k)s ao Deixar um Emprego, (2023)
32 –  The Wall Street Journal, Por que a classe média da China está perdendo sua confiança, (2024) – The Wall Street Journal, As economias da era Covid são cruciais para a recuperação econômica da China, (2023)
33 – The Wall Street Journal, Os Anos Difíceis que Transformaram a Geração Z nos Eleitores mais Desiludidos da América, (2024)
34 – Financial Times, Como a aposta contrária de Adebayo Ogunlesi levou à parceria de $12.5 bilhões da BlackRock, (2024)
35 – Sociedade Americana de Engenheiros Civis (ASCE), Relatório de 2021 sobre o Estado da Infraestrutura da América, (2021), p. 5
36 –  Fundo Monetário Internacional, A Dívida Global Está Voltando à sua Tendência Crescente, (2023)
37 – Dados Fiscais: Tesouro dos EUA, Dívida ao Centavo, (A dívida era de $23,4 trilhões em março de 2020 e $34,5 trilhões em março de 2024) –  The Wall Street Journal, Um Dilema de $1 Trilhão: A Conta da Crescente Dívida do Governo dos EUA, (2024) – Departamento do Tesouro dos EUA, Tabela 5: Principais Detentores Estrangeiros de Títulos do Tesouro
38 – Associated Press News, O ano em energia limpa: O crescimento de vento, solar e baterias apesar dos desafios econômicos, (2023)
39 –  Pesquisa global de serviços de iResearch da BlackRock, tamanho da amostra n=200, maio-junho de 2023. A pesquisa abrange as atitudes, abordagens, barreiras e oportunidades dos investidores institucionais em relação ao investimento de transição. 83% dos respondentes da EMEA pesquisados têm zero líquido até 2050 ou outra data como um objetivo de transição em sua carteira. https://www.blackrock.com/corporate/literature/brochure/global-transition-investing-survey.pdf
40 – Carta de 2020 da BlackRock aos Clientes, Sustentabilidade como Novo Padrão da BlackRock para Investir, (2020)
41 – Reuters, Gastos da Europa com crise energética se aproximam de 800 bilhões de euros, (2023)
42 – The New York Times, Alemanha Anuncia Nova Instalação de G.N.L., Chamando-a de um Movimento Verde da Energia Russa, (2022)
43 – Previsão Econômica do Outono de 2023 do Texas
44 – Federal Reserve Bank de Dallas, A rede elétrica do Texas permanece vulnerável a eventos climáticos extremos, (2023)
45 – Administração de Informações sobre Energia dos EUA: Navegador de Dados de Eletricidade – Administração de Informações sobre Energia dos EUA, Solar e eólica liderarão o crescimento da geração de energia nos EUA nos próximos dois anos, (2024)
46 – BlackRock Alternatives, CFP, 2023

47 – Energia Quênia, Relatório Anual e Demonstrações Financeiras, (2022)
48 –  Reuters, BlackRock, grupo liderado pela Temasek investem $150 milhões em fabricante de bateria térmica Antora, (2024)
49 –  Business Wire, Antora Energy arrecada $150 milhões para reduzir emissões industriais e impulsionar a manufatura nos EUA, (2024)
50 – Oxy, Occidental e BlackRock Formam Joint Venture para Desenvolver STRATOS, a Maior Planta de Captura Direta de Ar do Mundo, (2023)
51 –  A partir de 30 de junho de 2022. “Empresas de energia” refere-se a corporações classificadas como pertencentes ao Setor de Energia GICS-1.

Veja também:

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Cultura: o fio condutor

Nenhuma empresa existe isoladamente. Todos os negócios são construídos a partir da união de diferentes

Embaixador(a) I

R$ 0,00