Instituto Capitalismo Consciente publica carta em defesa da democracia

Documento destaca necessidade de uma cidadania ativa que trabalhe a favor dos valores democráticos e da liberdade

Em 1776, o  filósofo e economista escocês Adam Smith escreveu o livro “A riqueza das nações”, que passou a ser o marco da economia moderna e, mais precisamente, do capitalismo moderno. Para ele, uma nação não era mais rica que a outra em razão de suas reservas naturais, agricultura, cultura e arte, ou abundância material. Tampouco por causa de reinos, feudos e exércitos. Para Smith, a riqueza vinha do grau de liberdade de seu povo. 

Liberdade e propriedade privadas eram os fatores que marcavam essa riqueza ao garantirem que cada indivíduo fosse livre para decidir sobre a a própria vida – em especial, no que diz respeito ao trabalho e à definição de onde alocar capital. O intuito era incentivar as pessoas a buscarem a liberdade, a empreenderem e a gerarem riqueza e bem-estar para si e para seus entes queridos. Com isso, à medida que os negócios crescessem, outras pessoas seriam empregadas e poderiam também gerar riqueza e inclusão social, elevando a própria dignidade. 

Coincidência ou não, o ano de 1776 é marcado pela declaração da Independência dos Estados Unidos. O documento histórico sublinha:  “considera essas verdades como auto evidentes, que todos os homens (pessoas) são criados iguais, que são dotados pelo Criador de certos direitos inalienáveis, que entre estes são a vida, a liberdade e a busca da felicidade”. 

Voltamos aqui a enfatizar que a maior riqueza é o grau de liberdade de um povo. Isso ratifica nossa crença absoluta no modelo que um regime  Democrático prega e garante aos cidadãos de um país. Talvez, mais uma vez, não seja coincidência também que a enorme maioria dos países colonizados, como o próprio Brasil, declarou a sua independência no século XIX; acabou com a vergonha da escravidão; e mudou seus sistemas de governo para regimes democráticos presidencialistas ou parlamentaristas. Dessa forma, mesmo as atuais monarquias remanescentes no mundo, na maioria, são democracias parlamentaristas. 

Em 7 de setembro de 2022, comemoramos os 200 anos da Independência do Brasil. As grandes conquistas e invenções que permitiram o Capitalismo Moderno ser uma das maiores invenções humanas e fonte de prosperidade vieram nesses últimos 240 anos, graças ao espírito empreendedor das pessoas e à liberdade de suas ideias poderem ser colocadas em prática. Os países que, entretanto, optaram por regimes ditatoriais, aumentaram o grau de pobreza e desigualdade de seu povo, travaram o crescimento de suas economias e geraram mais pobreza e miséria.

Capitalismo Consciente existe no Brasil desde 2013 para transformar o jeito de se fazer investimentos e negócios no país e para diminuir as desigualdades, multiplicando os pilares que levam a uma gestão mais humana, mais ética e mais sustentável. Um negócio só é bom quando cria valor para as pessoas e para o planeta, quando é ético e quando baseado em trocas verdadeiras e voluntárias entre seus stakeholders. Um negócio também só é bom quando é nobre, quando tem a  capacidade de inspirar e elevar a dignidade humana e, principalmente, quando é heroico para tirar as pessoas da pobreza e gerar prosperidade econômica. 

Os negócios conscientes precisam ter ao menos quatro pilares fundamentais: tratamento equânime de todos os colaboradores, clientes,  fornecedores, concorrentes, governo, investidores e acionistas; um líder  consciente que cuida das pessoas para que, todos juntos, cuidemos do nosso planeta; e uma cultura consciente que perpetue a existência do negócio, na qual as pessoas sejam cuidadas e compreendam o verdadeiro “porquê” por trás daquilo que fazem.

Para que isso seja uma verdade, e para termos razão para existir, dependemos de um Brasil que respeite as Instituições Democráticas; a  independência dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário; os pleitos eleitorais e o sistema eletrônico de apuração dos votos; e, principalmente, a Constituição  Federal, que proíbe e considera crime qualquer ameaça ao nosso regime político.

Nós precisamos de segurança jurídica, que dê garantia aos investidores,  empreendedores e aos cidadãos de que os contratos e as leis serão  cumpridos. Sem ela, a desigualdade é ampliada, em prejuízo daqueles com menos recursos e com menos resiliência para enfrentar as adversidades. Exercer a Democracia requer o cumprimento de três pilares fundamentais: 

1) A soberania que reside nos níveis mais baixos de autoridade;
2) Igualdade política;
3) Normas sociais, pelas quais os indivíduos e as instituições só consideram aceitáveis atos que refletem os dois primeiros princípios  acima. 

Vários estudos demonstram que mais próspero, rico e menos desigual é um país quão mais democrático e com Liberdade Econômica ele for. Precisamos garantir a estabilidade do tripé de uma sociedade livre – com a iniciativa privada, o poder público e a sociedade Civil vivendo em perfeita harmonia. 

A democracia é o modelo mais sólido de governança social e é o mecanismo para alcançar uma evolução sustentável, para que o sistema social não decaia, não eroda e prospere. Para que tenhamos o fortalecimento da democracia, precisamos trabalhar em mais dois pontos fundamentais:

1) O combate à corrupção, um mal que gera conflitos com os investimentos econômicos de empreendedores conscientes e que deteriora a eficiência e a qualidade das políticas públicas, especialmente nas atividades que beneficiam os mais pobres

2) O fortalecimento da educação para toda a população, que possibilita o compartilhamento de conhecimento e a formação para a cidadania. Pessoas mais conscientes sobre o funcionamento das estruturas do poder, passam a ter uma participação política mais intensa e qualificada.

Precisamos despertar uma cidadania ativa que trabalhe a favor da democracia e da educação, contra a corrupção e as desigualdades.

Nós, do Instituto Capitalismo Consciente Brasil, acreditamos e defendemos a Liberdade, a Democracia e a Constituição Brasileira para podermos avançar em nossa razão de ser: “transformar o jeito de se fazer investimentos e  negócios no país, para diminuir as desigualdades”. Nós convidamos você a fazer parte desta jornada de inspiração, educação e transformação das lideranças  empresariais. O caminho é longo, tortuoso, repleto de desafios e provações, mas o destino é nobre e esperançoso. Junte-se a nós.

*Instituto Capitalismo Consciente

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Mapas, quando precisamos de bússola

Esta semana fui impactado por uma reflexão sobre a importância do mapa e da bússola em uma jornada. A provocação partiu de Julia Tolezano da Veiga Faria, escritora, influencer e jornalista, também conhecida como Jout Jout. Proponho extrapolar e ampliar a reflexão neste artigo.

A revolução das relações

Vivemos um importante período de transição que nos convida a MUDAR a forma como nos relacionamos com nós mesmos e com o mundo. Isto porque a consciência que criou o mundo que vivemos hoje não pode ser a mesma que nos ajudará a criar o futuro.

Embaixador(a) I

R$ 0,00