Negócios conscientes: como a comunicação pode contribuir para práticas de ESG

Neste mês, pauta estará em voga por conta da Cop-27, no Egito, mas a jornada ESG não deve ser feita por conveniência e sim por essência

Estamos nos aproximando da 27ª Conferência da ONU (COP-27), evento em que representantes estatais de diversos países e empresas vão debater e assumir compromissos em relação às mudanças climáticas. Em paralelo ao que vai ser debatido entre os dias 6 e 18 de novembro, em Sharm el-Sheikh, no Egito, precisamos agir na direção de orientar e inspirar negócios conscientes. Nesse sentido, a comunicação pode ser uma ferramenta determinante para atingir as melhores práticas de ESG (sigla para Environmental, Social, and Governance, no inglês, e para Ambiental, Social e Governança, no português).

O que é importante reforçar é que essa jornada não deve ser por conveniência, mas sim por essência. Primeiramente, é preciso pontuar que um negócio consciente é resultado da intersecção de um propósito maior, cultura consciente, liderança consciente e orientação para os stakeholders. Para saber se estamos no caminho correto para chegar nele, podemos usar três questões norte: “Por quê? Como? O quê?”.

O “Por quê?” auxilia a pensar sobre o propósito da empresa, afinal, “porque a empresa existe?”. O “como” ajuda a refletir sobre a visão estratégica, “como a empresa gera lucro?”, “quais caminhos a empresa vai seguir?”. Por fim, “o quê” é o caminho para entender sobre o impacto social, materializado ao identificar a geração de valor compartilhado pelo negócio, os produtos especiais e projetos sociais.

Aliado a isso, reforçamos a necessidade de implementar ESG na prática cotidiana das empresas. Considerando a perspectiva Ambiental, que pensa a emissão de gases de efeito estufa (GEE), fontes de energia, compensação de carbono, gestão de resíduos, entre outros, a comunicação pode contribuir na divulgação de dados sobre cumprimento da lei de política de resíduos sólidos, elaboração de projetos ligados a compensação de carbono e reflorestamento, projetos de reciclagem e economia circular, por exemplo.

Por sua vez, para implementar políticas de diversidade, equidade, inclusão, educação corporativa, bem-estar físico e emocional, questões do Social, a comunicação pode ser útil em campanhas internas ativas, cursos, mentorias, parcerias com instituições de ensino, atendimento via telemedicina, entre outros.

Por último, a Governança que busca ética, transparência, segurança de dados, prestação de contas, via comunicação é possível construí-la por meio de relatórios de sustentabilidade e resultados, números públicos, canais de informações, conselhos formados com diversidade e equidade e canais de denúncias e ouvidoria, por exemplo.

Não adianta parecer ESG, precisa ser ESG

De acordo com levantamento do Google Trends, a busca pela sigla ESG cresceu 1.200% nos últimos dois anos no Brasil. Para que de fato se construa um negócio consciente, é preciso que as premissas sejam levadas para a essência dos negócios, assim, a construção interna de estruturas conscientes vai reverberar externamente em impacto social.

Uma vez parte da essência da empresa, a comunicação é a ferramenta para a construção estratégica da narrativa da marca, que deve estar alinhada ao seu propósito. Desde que alinhadas com as estratégias do negócio, as agências de relações públicas e assessoria de imprensa podem auxiliar a amplificar essas narrativas. E, por fim, reforço a importância de porta-vozes e lideranças com argumentos sólidos, que geram influência e impacto social com as melhores práticas implementadas em seus negócios.

Assim, a partir de novembro, temos a importante missão de acompanhar o que será debatido sobre a implementação do mercado regulado de créditos de carbono e seus desdobramentos e, via comunicação, executar as melhores ações orientadas para construir negócios essencialmente conscientes.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Capitalismo e Governança Multistakeholder: Precisamos focar em toda a cadeia de valor!

A proposta da Governança Multistakeholder é compartilhar o poder e o processo de decisão entre as diferentes partes interessadas, fazendo com que esse tipo de Capitalismo seja possível. Ela é feita por meio de um ecossistema interdependente entre todos os stakeholders, no qual mecanismos são desenvolvidos para implementar ações ambientais, sociais, de governança e para o business, utilizando práticas de gerenciamento sustentáveis.

Propósito de vida em ação: Liderando Negócios Conscientes no III Fórum Brasileiro do Capitalismo Consciente

Desafiando o conceito de falso dilema de que “ou você olha o resultado ou você olha a questão do impacto e sustentabilidade”, o executivo ressaltou que é possível integrar resultados financeiros positivos com práticas sustentáveis e impacto social. Ele compartilhou exemplos de empresas que adotaram medidas conscientes e colheram benefícios não apenas reputacionais, mas também financeiros.

Embaixador(a) I

R$ 0,00