No lugar de um problema, três alternativas

Sempre acreditei em uma liderança que tivesse, no centro de sua atuação, o desenvolvimento das equipes. Pessoalmente, sou muito grato em ter tido na minha jornada a experiência com líderes que me oportunizaram muito crescimento e serviram de inspiração para o líder que gostaria de me transformar.

Quando iniciei minha jornada como um aprendiz no papel de liderança, a gestão de desempenho das equipes e suas atividades eram acompanhadas por sistemas preestabelecidos.  Em reuniões semanais, na contramão do consenso da organização, este sistema de acompanhamento ficava em segundo plano e nossas conversas ficavam centradas nas necessidades que a equipe – e as pessoas que dela faziam parte – tinham para a execução das atividades.

Estimulando o desenvolvimento do meu time

Em minha trajetória, muitos foram os episódios em que pessoas adentravam à minha sala com a seguinte fala: “temos um problema”. Provavelmente procurando em minhas palavras uma solução. Eram surpreendidos com a seguinte devolutiva: “retorna com três alternativas que juntos optamos pela mais adequada”. E, não poucas vezes, saíam da conversa frustrados e sem entender que isso era para que eles pudessem se desenvolver.

Minhas provocações se davam apenas porque percebia no meu interlocutor um potencial para ser liberado e a capacidade para resolver o que, naquele momento, trazia apenas como um problema esperando que eu o solucionasse. Atualmente muitos deles possuem cargos de liderança e fazem um excelente trabalho de desenvolvimento de seus times, cada qual com suas singularidades e aprendizados das suas próprias jornadas e, provavelmente, instigando também de seus times, à sua maneira, que eles se desenvolvam.

Incentivo para uma liderança mais consciente

Com este breve relato pretendi exemplificar que um líder é um facilitador do processo de desenvolvimento. Contudo a motivação, a capacidade de lidar com os diversos desafios da jornada é sempre de cada um e que nesta posição de liderança é fundamental o desapego do poder, da vaidade e do medo. Transformar-se em um incentivador e não um solucionador de todos os problemas é verdadeiramente liderar.

Hoje tenho a responsabilidade de liderar uma empresa que vive a jornada Teal, alicerçada em autogestão, integralidade e propósito evolutivo. Em nossa estrutura horizontal e de organização por células, é apresentado a todo instante novos e constantes aprendizados para mim, como líder, e para todos que querem se desenvolver. Agora não sou apenas eu ou os líderes formais que podem desafiar os colegas a trazerem três alternativas, todos em nossa cultura podem se auto desafiar e convidarem os colegas dispostos a fazerem o mesmo, oportunizando e fortalecendo um ambiente de colaboração genuína onde todos podemos assumir a liderança e evoluirmos juntos. 

Por Sherlei Zucchetti faz parte do Farol da Cultura Sicredi Caminho das Águas e é Conselheiro Regional do Capitalismo Consciente no Rio Grande do Sul.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

COP27 | O que esperar da Conferência da ONU sobre mudanças climáticas

Ostentando o controverso slogan “juntos para a implementação”, a Conferência das Partes (COPs), promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU), chega à sua 27ª edição em um cenário de eventos climáticos extremos em todo o mundo. E, não bastassem os inúmeros dados mostrando que o mundo não está fazendo o suficiente para combater as emissões de carbono, tudo indica que a crise climática segue acentuada, também, pela guerra da Ucrânia.

O autocuidado como uma soft skill para os homens no futuro do trabalho

O cuidado é o pilar central para a manutenção da nossa sociedade e economia. E quem diz isso não sou apenas eu, Leandro Ziotto, mas todos os estudos levantados pelo Fórum Econômico Mundial (FEM), Organização Mundial do Comércio (OMC), Organização das Nações Unidas (ONU), McKinsey, Fundo Monetário Internacional (FMI) e etc.

Embaixador(a) I

R$ 0,00