O LÍDER VERDADEIRO TRANSCENDE

“Aquela e aquele que lideram devem, antes de tudo, levar seus liderados mais longe, e ter em mente um conceito simples: altruísmo (selfless, em inglês). É do altruísmo que derivam as caraterísticas do líder consciente: força, entusiasmo, orientação no longo prazo, flexibilidade, amor e cuidado, inteligência emocional, inteligência sistêmica e inteligência espiritual.”

Ouvir de viva voz e conhecer o indiano Raj Sisodia, autor, professor e cofundador do Conscious Capitalism Inc., do qual provém o Instituto Capitalismo Consciente Brasil, é um desses privilégios que a gente passa uma vida a agradecer. Primeiro, por estar diante de um precursor de um movimento da mais alta relevância, especialmente em um momento em que se discute os rumos de um planeta profundamente desigual e carente. Mas, principalmente, um privilégio por estar diante de uma mente generosa e iluminada.

Raj esteve no Brasil por apenas 48 horas, para lançar a edição brasileira de seu mais novo livro “Liderança Shakti: o equilíbrio do poder feminino e masculino nos negócios” (HSM | Instituto Capitalismo Consciente Brasil, 2018), escrito em parceria com Nilima Bhat, especialista em comportamento organizacional. A obra procura identificar as principais características de ambos os gêneros e apontar suas afirmações e inseguranças na busca por um novo mindset na liderança atual: mais humanizado, consciente, coerente e eficiente.

De acordo com Raj, que também é professor de marketing no Babson College e consultor de Negócios Globais, a convenção do business as usual é valorizar características “tradicionalmente masculinas”, como disciplina, coragem, individualidade, dominação; e desvalorizar as femininas, como sensibilidade, criatividade e sabedoria, nas posições de liderança.

Entretanto, a chave, nos diz Raj, “está justamente no equilíbrio dessas duas forças”.

A grande mudança está em mulheres e homens atuarem juntos e equalizarem seus lados masculinos e femininos no momento em que estes são necessários.

Homem não chora?

A depreciação da sociedade, quando se trata de atributos femininos não é deste século nem do passado. Nem mesmo do anterior. E também não ocorre somente no mundo dos negócios. Quando repreendemos um menino verbalizando que “homem não chora”, por exemplo, acabamos suprimindo um sentimento que não precisa – e não deve – ser mascarado.

Esta cultura dá abertura para um comportamento muito mais duro e agressivo no futuro e demanda, urgentemente, uma mudança de mentalidade.

Liderança Shakti

Raj Sisodia nos ensina que o equilíbrio só será atingido se recuperarmos a força feminina, que é regeneradora, cooperativa, criativa e empática. Estas características estão diretamente associadas ao conceito de Shakti, que, na tradição indiana, significa “a fonte de criação, sustentação e transformação que alimenta o ciclo da vida”.

A Liderança Shakti propõe uma nova consciência para líderes, tanto homens, quanto mulheres, no intuito de humanizar o desenvolvimento pessoal e coletivo de cada organização.

Resgatar estes valores está intimamente relacionado com o conceito do Capitalismo Consciente, que deixa de lado a ideia de que o capitalismo está associado à geração de lucro pelo lucro e foca na concretização do propósito e no impacto na sociedade.

“Criar uma nova cultura é algo que leva tempo, apesar de necessário”, nos lembra o iluminado Raj.

“A boa nova é que já está acontecendo.”

Abraço,

Marc Tawil

#capitalismoconsciente #RajSisodia #Shakti

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Obcecado pelo propósito em vez do lucro

Acreditamos que um negócio só é bom quando cria valor para as pessoas e o planeta, é ético quando baseado em trocas verdadeiras e voluntárias entre seus stakeholders, é nobre quando tem a capacidade de inspirar e elevar a dignidade humana e, principalmente, é heroico quando tira as pessoas da pobreza, gerando prosperidade econômica.

Embaixador(a) I

R$ 0,00