O Propósito pode mudar o mundo dos negócios

O lado Luz e o lado Sombra do Capitalismo

Nos últimos 200 anos, a Humanidade experimentou uma grande evolução no seu modo de vida, inclusive, no seu tempo de vida, saindo de uma expectativa de vida de 33 para 75 anos, atualmente. Também viu o analfabetismo cair de 90% para 12% da população e a pobreza extrema reduzir igualmente de 90% para 12%. 

Qual foi a invenção da Humanidade que permitiu esta revolução? O Capitalismo.

Por outro lado, o capitalismo também produziu níveis grandes de desigualdade de renda, com forte concentração nos mais ricos em toda história da Humanidade, a ponto de que 1% dos mais ricos detém mais riqueza que todo os outros 99% da população mundial. 

Além deste perverso aspecto de concentração de renda, também há a questão ambiental. Atualmente, consumimos muito mais recursos naturais que o planeta consegue produzir. Em julho de 2020 a Humanidade já tinha consumido todos recursos que o Planeta poderia produzir naquele ano, e então, a partir dali, o Planeta já passou a consumir o “cheque especial dos recursos naturais”.

Quer seja pelo aspecto econômico, que insiste em medir somente crescimento e não prosperidade do ecossistema, ou quer seja pelo aspecto ambiental, que não considera a finitude dos recursos naturais, o fato é que esta versão atual do capitalismo não é sustentável.

O caminho das pedras começa por um “Por Quê?”

Estes já são argumentos suficientes para demonstrar que é preciso ressignificar o modo que fazemos negócio, se queremos deixar um legado para as gerações futuras.

E é possível? Sim. Uma das propostas de se fazer negócios de uma nova forma foi fundada pelo movimento Capitalismo Consciente, liderado pelo professor Raj Sisodia e o empresário John Mackey, fundador da Whole Foods.

Este movimento prega que, além do lucro, as organizações podem e devem gerar impacto positivo a todos stakeholders de seu ecossistema, adotando práticas justas e sustentáveis de negociação, substituindo a troca utilitária pela troca justa, gerando um movimento de ganha-ganha-ganha, onde a minha empresa ganha, os stakeholdes ganham, mas o ecossistema todo também ganha.

Propósito é bom e gera mais lucro

O melhor desta proposta é que dá mais lucro. Pesquisa feita por Raj e Mackey, publicadas no livro Capitalismo Consciente – Como libertar o espírito heróico dos negócios, demonstram que empresas conscientes americanas tiveram 1.600% mais retorno do que as listadas na S&P 500, num intervalo de 15 anos. Ou seja, é possível ser sustentável, justo, distribuir poder, gerar prosperidade e ainda ganhar mais dinheiro. Exemplo de algumas organizações gigantes mundiais que já adotam negócios conscientes: Amazon, 3M, IBM, Colgate, Starbucks, Google, Walt Disney. 

Este movimento está fundado em quatro princípios: Propósito Maior, Liderança Consciente, Cultura Consciente e Orientação para Stakeholders. Sem o objetivo de dizer qual é o mais importante, mas tendo a clareza de que tudo começa por um “Por quê?”, muito bem explicado por Simon Sinek no livro Tudo começa pelo Por que. 

E por quê? Propósito define rumo, permite sonhos, inspira ideias, influencia líderes, movimenta times, estabelece estratégias. Propósito é combustível para movimentar, é oxigênio para respirar, é motivo pra acordar. E, principalmente, é o motor que impulsiona uma organização para além do lucro, pois Henry Ford já nos ensinou que uma empresa que só vive pelo lucro é uma empresa pobre. Não tem alma, não tem espírito, só tem corpo. Não deixa legado. 

O movimento Capitalismo Consciente acredita que podemos fazer negócios mais sustentáveis e que gerem impacto positivo. Acreditamos que os negócios são bons quando criam valor pras pessoas, são éticos quando são baseados em trocas justas, são nobres quando podem elevar a existência humana, e heroicos quando tiram as pessoas da pobreza e geram prosperidade para todos.

*Solon Stapassola Stahl é Colíder na Filial Regional do Capitalismo Consciente no Rio Grande do Sul e Diretor Executivo na Sicredi Pioneira RS.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

COP27 | O que esperar da Conferência da ONU sobre mudanças climáticas

Ostentando o controverso slogan “juntos para a implementação”, a Conferência das Partes (COPs), promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU), chega à sua 27ª edição em um cenário de eventos climáticos extremos em todo o mundo. E, não bastassem os inúmeros dados mostrando que o mundo não está fazendo o suficiente para combater as emissões de carbono, tudo indica que a crise climática segue acentuada, também, pela guerra da Ucrânia.

O autocuidado como uma soft skill para os homens no futuro do trabalho

O cuidado é o pilar central para a manutenção da nossa sociedade e economia. E quem diz isso não sou apenas eu, Leandro Ziotto, mas todos os estudos levantados pelo Fórum Econômico Mundial (FEM), Organização Mundial do Comércio (OMC), Organização das Nações Unidas (ONU), McKinsey, Fundo Monetário Internacional (FMI) e etc.

Embaixador(a) I

R$ 0,00