Oito lideranças femininas de ESG para seguir e se inspirar

Conheça as mulheres que estão impulsionando as pautas ambientais, sociais e de governança corporativa no Brasil
21 de julho de 2022

As empresas que não investem em programas da agenda ESG estão ficando para trás. A sigla refere-se a environmental, social and governance, que engloba as práticas de governança ambiental, social e corporativa de uma organização. Cada vez mais esses pilares são considerados na estratégia, nas análises de riscos e nas decisões de investimentos de uma companhia. 

Para além das práticas de sustentabilidade ambiental, a agenda envolve ações de diversidade, equidade e inclusão social, gestão de talentos, relacionamento com o consumidor, aspectos de governança como composição diversa do conselho administrativo, remuneração dos executivos e ética dos negócios. É uma área complexa com uma visão holística interna e externa de uma empresa.

Ações em sustentabilidade e governança são cada vez mais importantes, inclusive para os investidores. De acordo com a Pesquisa Global com Investidores de 2021, 79% consideram os riscos e oportunidades em ESG um fator importante na decisão de um investimento. O mesmo estudo constata que 82% dos entrevistados concordam que o ESG deve ser integrado à estratégia corporativa. Especificamente no Brasil, 85% das empresas que compõem o Ibovespa apresentam informações de suas ações ESG disponíveis para o público, segundo estudo da PwC.

Pensando nisso, selecionamos oito lideranças femininas que são referências quando o assunto é agenda ESG. São líderes do mercado brasileiro que merecem ser seguidas e prestigiadas pelo bom trabalho no tema.

Denise Hills, diretora de Sustentabilidade para América Latina na Natura&Co

Denise Hills (Crédito: Divulgação)

A Natura é uma das empresas que nos vêm à mente quando pensamos em agenda ESG. A responsável pelo sucesso da prática na empresa é Denise Hills, diretora global de sustentabilidade da companhia. Tanto que a executiva foi escolhida como SDG Pioneer Brasil-2022, prêmio que elege a melhor liderança de sustentabilidade, reconhecimento do Pacto Global da ONU.

O programa homenageia lideranças empresariais que estão fazendo um trabalho de referência na promoção dos ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável). Um dos destaques da empresa é o Programa Natura Amazônia, que foca na economia sustentável da floresta, no bem-estar dos povos regionais e no desmatamento zero. 


Luciana Nicoladiretora de Relações Institucionais, Sustentabilidade e Empreendedorismo no Itaú Unibanco

Luciana Nicola (Crédito: Divulgação)

Em 2021, o Itaú entrou para a Net-Zero Banking Alliance, um compromisso global organizado pela ONU que reúne 110 instituições financeiras comprometidas em zerar as emissões de carbono das suas carteiras até 2050. Ainda em 2019, a empresa lançou novos compromissos de impacto positivo, com metas que norteiam a estratégia da companhia pelos próximos anos.

Os objetivos são reunidos em temas gerais, como cidadania financeira, inclusão e empreendedorismo, gestão, investimento e financiamento responsável, preservação e promoção da Amazônia e gestão inclusiva. Luciana Nicola é a Diretora de Relações Institucionais, Sustentabilidade e Empreendedorismo do banco e diz que quer transformar o Itaú no “banco da transição”, tornando sua atuação cada vez mais sustentável.

Rozália Del Gáudio, diretora de Comunicação e Sustentabilidade na Localiza


Rozália Del Gáudio (Crédito: Divulgação)

Rozália Del Gáudio é diretora de Sustentabilidade da empresa de aluguel de carros e, no ano passado, ganhou o prêmio Aberje de Comunicadora do Ano. O programa de ESG da empresa está dividido em três pilares: mobilidade sustentável, educação e empreendedorismo para a transformação social, cultura e governança. Cada tópico tem temas prioritários e, no momento, o negócio aborda questões como a neutralização de gases do efeito estufa, geração de energias renováveis, diversidade e inclusão, desenvolvimento de talentos, ética e integridade e segurança no trânsito.

Em termos de mobilidade sustentável, a Localiza investiu em abastecimento com etanol para diminuição dos gases de efeito estufa. Também lançou o programa Neutraliza, para conscientizar seus clientes a diminuírem seus impactos nas mudanças climáticas. A empresa também aplicou esforços para capacitar e empregar jovens em vulnerabilidade no Brasil por meio do edital Juventude em Movimento. Já no âmbito da diversidade, a companhia criou um programa com mais de 600 colaboradores para atuar nas frentes de equidade e inclusão de gênero, LGBTQIAP+, pessoas com deficiência, raça, migrantes e refugiados.

Fernanda Ribeiro, CCO da Conta Black e presidente da AfroBusiness

Fernanda Ribeiro (Crédito: Divulgação)

Fernanda Ribeiro é Presidente da Associação AfroBusiness, ONG que promove a integração entre empreendedores e profissionais liberais negros, e é também cofundadora e CCO da Conta Black, comunidade financeira que enfrenta os desafios causados pela exclusão financeira. A executiva atua no desenvolvimento e fomento de ações e programas dedicados à diversidade, inclusão social e econômica de populações com recorte de gênero e raça.

O principal desafio das empreendedoras negras é conseguir acesso ao crédito, relata Fernanda ao Women to Watch. Além da dificuldade de comunicar sobre o seu negócio, as profissionais muitas vezes não acreditam no potencial do empreendimento. A atuação de Fernanda é ajudar essas pessoas, tanto em termos de empreendedorismo quanto na parte financeira.

Lisiane Lemos, gerente de Programas de Recrutamento de Diversidade, Equidade e Inclusão no Google para América Latina


Lisiane Lemos (Crédito: Divulgação)

Lisiane Lemos tem diversos prêmios e reconhecimentos em sua bagagem. Em 2017, integrou a lista Forbes Under 30 no Brasil e foi apontada como uma das mulheres negras mais influentes pelo MIPAD (Most Influential People of Africa Descent) da ONU, na categoria negócios e empreendedorismo. Ela também é uma Top Voice do LinkedIn e coleciona palestras sobre diversidade e inclusão.

No currículo, ela fundou e liderou iniciativas como a Rede de Profissionais Negros, o Comitê de Igualdade Racial no grupo Mulheres do Brasil, e o Conselheira 101. Atualmente, Lisiane é gerente do Programa de Recrutamento de Diversidade, Equidade e Inclusão para o Google na América Latina. Com larga passagem pela Microsoft, a gaúcha acredita no uso da tecnologia como instrumento de ascensão social no mundo corporativo.

Gabriela Chaves, economista e fundadora da NoFront 

Gabriela Chaves (Crédito: Divulgação)

Com a missão de democratizar o acesso à educação financeira, Gabriela Chaves fundou a NoFront – Empoderamento Financeiro. Economista, conselheira e palestrante, ela se dedica a ensinar finanças pessoais para as periferias do Brasil. O seu método de ensino é um tanto inusitado, mas muito impactante: utiliza músicas de rap para falar de dinheiro.

Além de oferecer soluções para pessoas e empresas, a startup disponibiliza bolsas de estudos e formações gratuitas para pessoas em situação de vulnerabilidade social. Os cursos recebem grande interesse da população feminina negra, de acordo com Gabriela – afinal, elas representam 28% dos brasileiros e muitas são chefes de famílias. Segundo a empreendedora, seu objetivo é acabar com a ideia de que “mulheres não entendem de finanças”.

Adriana Barbosa, fundadora da Feira Preta e CEO da PretaHub

Adriana Barbosa (Crédito: Arthur Nobre)

Há 20 anos, Adriana Barbosa fundava a Feira Preta na Praça Benedito Calixto, em São Paulo. Desde então, o projeto se tornou a maior feira de cultura negra da América Latina: já recebeu mais de 200 mil pessoas, com 1900 expositores e movimentou cerca de R$ 6,5 milhões em produtos e serviços. A partir dali, ela fundou a PretaHub, empresa que reúne diversos projetos de fomento a cultura, arte, economia e empreendedorismo negro. O hub engloba, além da feira, o Afrolab, Afrohub, Festival Pretas Potências, Festival Feira Preta, Fundo Éditodos e o Conversando a gente se aprende.

A empreendedora coleciona prêmios e reconhecimentos mundo afora. Em 2020, por exemplo, foi a primeira mulher negra da lista de Inovadores Sociais do Mundo no Ano, pelo Fórum Econômico Mundial. Sua atuação na área é tão forte que Adriana é consultora e conselheira de diversidade e inclusão para empresas como Netflix, Facebook, Google, Pão de Açúcar, Natura, MAC, Avon, Ambev e Carrefour. A executiva também foi eleita uma Women to Watch em 2021.

Marina Peixoto, diretora-executiva do Mover

Marina Peixoto (Crédito: Reprodução/Site)

Após 18 anos na Coca-Cola Company, onde chegou ao posto de Diretora de Diversidade e Inclusão, Marina Peixoto assumiu a direção do projeto MOVER (Movimento Pela Equidade Racial). Trata-se de uma coalizão de empresas que assumem o compromisso de criar um futuro com mais lideranças negras, maiores oportunidades, capacitação e transformação da consciência coletiva.

Dentre as empresas signatárias do movimento estão a Gerdau, Grupo Pão de Açúcar, Grupo Carrefour, Heineken, Education First, Ambev, Americanas e mais. A iniciativa se baseia em três pilares e metas: 10 mil cargos de liderança para pessoas negras até 2030, emprego e capacitação de profissionais negros e a conscientização do povo brasileiro sobre o tema.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Mapas, quando precisamos de bússola

Esta semana fui impactado por uma reflexão sobre a importância do mapa e da bússola em uma jornada. A provocação partiu de Julia Tolezano da Veiga Faria, escritora, influencer e jornalista, também conhecida como Jout Jout. Proponho extrapolar e ampliar a reflexão neste artigo.

A revolução das relações

Vivemos um importante período de transição que nos convida a MUDAR a forma como nos relacionamos com nós mesmos e com o mundo. Isto porque a consciência que criou o mundo que vivemos hoje não pode ser a mesma que nos ajudará a criar o futuro.

Embaixador(a) I

R$ 0,00