Quando a estrutura determina a velocidade de uma cultura

A demanda por velocidade é cada vez maior nas empresas, seja para o lançamento de produtos, seja para a resolução de problemas ou tomada de decisão. Porém, numa estrutura organizacional rígida e verticalizada, o que menos se tem é velocidade.

Existem diversos pontos que contribuem para que uma estrutura hierárquica corrobore essa morosidade dentro de uma empresa, mas os principais são a departamentalização da informação e a centralização do poder.

Esses dois fatores contribuem diretamente para o aumento do controle que, por consequência, amplia a desconfiança, o que por sua vez penaliza o resultado de uma empresa. Como cita Richard Barret: “Quanto maior o nível de confiança, menor a burocracia, maior a eficiência, menor o tempo e maior o resultado.”

Para que a empresa possa agilizar seus processos e ações é necessário que ela estruture práticas que facilitem a autonomia e diminuam a burocracia, pontos fundamentais de uma cultura consciente. O que contribui para um modelo aberto e dinâmico com base na segurança e confiança entre os líderes, gestores e demais pessoas que fazem parte da empresa. Permitindo a criação de um ambiente de maior criatividade, velocidade e eficiência frente às demandas do dia-a-dia e conectado às necessidades de todos os stakeholders.

Descentralize a tomada de decisão

Aproxime a tomada de decisão das pessoas relacionadas ao problema. Por exemplo, quantas pessoas e quanto tempo um cliente precisa despender para ter a solução de seu problema? Compartilhar informações e distribuir as responsabilidades potencializa a autonomia e aumenta o nível de confiança e sentimento de pertencimento das pessoas.

Crie equipes multidisciplinares em toda a empresa

São grupos de pessoas responsáveis pelo acompanhamento de qualquer demanda do início ao fim. Essa responsabilidade por todo o processo dá liberdade para a equipe resolver os próprios problemas, tomar as decisões e desenvolver melhorias o que irá refletir em maior velocidade na entrega dos resultados e principalmente no ciclo de aprendizado tão importante para as empresas se desenvolverem e evoluírem.

Simplifique os processos e procedimentos

Quantas pessoas são necessárias para aprovar um pedido de compra em sua empresa ou quanto tempo leva entre o recebimento de um pedido até a entrega do produto ao cliente? As únicas coisas que crescem automaticamente são as sementes e os procedimentos burocráticos.

Enfatize o simples, pois quanto mais simples, mais rápido e barato. Pense que se uma resposta ou tomada de decisão levar mais de um dia ou uma ação mais de 14 dias para ser implementada, ambas devem ser abandonadas.

Estabeleça 1 (um) foco

Muitas empresas possuem diversos objetivos e projetos, com inúmeros indicadores e, que direcionam as pessoas para incontáveis interesses, na sua grande maioria conflitantes aos interesses da empresa.

Por isso trabalhe com um objetivo anual e subdivida em pequenos objetivos diários que aproximarão a empresa e os colaboradores do objetivo anual.

Defina o Ritmo, Rotinas e Rituais

Mantenha encontros diários e de curta duração das equipes para dialogar sobre entregas, tomada de decisão e problemas a serem resolvidos. Encontros semanais ou quinzenais de uma hora para ampliar a convivência e construção de vínculos e o bom relacionamento entre as pessoas da equipe.

Essas ações proporcionarão uma cultura consciente de maior contribuição, autonomia, cooperação e adaptabilidade frente às demandas dos stakeholders e convergirão aos resultados pretendidos e o propósito almejado e vivenciado pela empresa.


Daniel Fünkler Borelli é Conselheiro da Filial Regional do Capitalismo Consciente no Rio Grande do Sul e apaixonado por compartilhar seu tempo e conhecimento. É fundador da PENSAR Educação Empresarial e do blog Valor da Felicidade.


Confira também:

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Obcecado pelo propósito em vez do lucro

Acreditamos que um negócio só é bom quando cria valor para as pessoas e o planeta, é ético quando baseado em trocas verdadeiras e voluntárias entre seus stakeholders, é nobre quando tem a capacidade de inspirar e elevar a dignidade humana e, principalmente, é heroico quando tira as pessoas da pobreza, gerando prosperidade econômica.

Embaixador(a) I

R$ 0,00