“Se eu for um líder consciente, vou à falência!”

“Se libertar meus escravos, vou à falência!” (Liderança agro-pecuarista – 1888)

“Se atender às leis trabalhistas, vou à falência!” (Liderança industrial – 1943)

“Se atender às boas práticas ESG, vou à falência! (Liderança empresarial – 2022)

Os posicionamentos acima reacionários e em momentos importantes da economia brasileira demonstram, de um modo enviesado, o aumento da consciência da sociedade ao passar dos tempos. Essa impressão é corroborada pela análise aprofundada e fundamentada em fatos, dados e estudos no livro “Era do Impacto” (James Marins, 2019). A leitura, que recomendo, nos dá esperança demonstrando a curva exponencial da evolução consciencial da humanidade, através da transformação massiva que estamos vivenciando, conforme o autor e conselheiro da Filial Regional do Capitalismo Consciente em Curitiba.

No capítulo #6.4, considera: “o elemento mais intrigante de toda nossa curta história (e de nossa longa pré-história) permanece sendo o que somos hoje, é a chocante percepção de que nossa evolução não foi apenas física (a máquina de sobrevivência) ou intelectual (o ser computacional), também foi consciencial (abstrata, metafísica, ética, moral, espiritual…) Essa é uma característica exclusivamente humana e o código secreto de nosso autodescobrimento.”

Pontuo, no entanto, que não considero a Agenda ESG (boas práticas empresariais nas dimensões eco ambiental, social e de governança) uma abordagem consciencial, já que os parâmetros foram criados pelo mercado financeiro e de capitais visando minimizar seus riscos de investimentos. Porém, avalio que essa iniciativa impulsiona e revigora o atendimento à Agenda 2030 elaborada pela ONU e mais 193 países, esta sim, de cunho global e consciencial para buscar reverter os impactos negativos ao meio ambiente e à população, principalmente as mais afetadas pela crise climática, fome e movimentos migratórios.

Implantar a agenda ESG leva mesmo à falência?

Considerando o cenário exposto, as lideranças precisam se reinventar e até entender que por ser exigido pelo ambiente empresarial, não há opção de não implementarem ESG na estratégia dos negócios de forma ampla e verdadeira pois o risco de “falência”, perda de investimentos ou valor de marca pode vir por NÃO se adequarem. 

É importante desmistificar o fato de que é um investimento oneroso e por isso, leva à tal da “falência”. Muitas das práticas que correspondem às metas dos ODS, como eficiência energética ou hídrica reduzem custos de operação (além de diminuírem emissões e o uso de recursos naturais) que numa estratégia de trade off colaboram para implementação de outras tantas. Na dimensão social, da mesma forma, as práticas de inclusão, diversidade, cuidados com saúde e bem-estar do colaborador já possuem resultados que levam à maior retenção, diminuição do absenteísmo e aumento da produtividade. Atender a todas as dimensões, com estratégias inteligentes, com certeza levam ao fortalecimento da marca, um resultado não tangível de forma imediata. 

O desejado é que as lideranças de todos os setores, busquem evoluir o seu nível consciencial, adotando primordialmente como roadmap a Agenda 2030 e, por consequência, melhorar sua performance empresarial na Agenda ESG. 

Nós da filial de Curitiba do Capitalismo Consciente, temos o propósito de ampliar essa visão, agregando pessoas e empresas que já são Líderes conscientes ou ainda que buscam conhecer e vivenciar esse espaço de troca e fortalecimento deste movimento!

*Sandra Pinho Pinheiro é Arquiteta especialista (UFRGS) com sólida carreira na área de saúde e sustentabilidade. Hoje atua como Conselheira de Inovação, consultora e mentora engajando conselhos, empresas e startups na adesão às Agendas 2030 e ESG. Como advocacy, é Conselheira Consultiva do Capitalismo Consciente em Curitiba, palestra e engaja o mercado e novas lideranças rumo à um capitalismo mais consciente e por isso mais humano, imprescindível para a nova economia. 

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

COP27 | O que esperar da Conferência da ONU sobre mudanças climáticas

Ostentando o controverso slogan “juntos para a implementação”, a Conferência das Partes (COPs), promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU), chega à sua 27ª edição em um cenário de eventos climáticos extremos em todo o mundo. E, não bastassem os inúmeros dados mostrando que o mundo não está fazendo o suficiente para combater as emissões de carbono, tudo indica que a crise climática segue acentuada, também, pela guerra da Ucrânia.

O autocuidado como uma soft skill para os homens no futuro do trabalho

O cuidado é o pilar central para a manutenção da nossa sociedade e economia. E quem diz isso não sou apenas eu, Leandro Ziotto, mas todos os estudos levantados pelo Fórum Econômico Mundial (FEM), Organização Mundial do Comércio (OMC), Organização das Nações Unidas (ONU), McKinsey, Fundo Monetário Internacional (FMI) e etc.

Embaixador(a) I

R$ 0,00