Somos todos um | Estadão

Em meio a uma crise sem precedentes, que exige, inclusive, uma mudança de comportamento jamais experimentada por todos nós, como deveriam se comportar as empresas conscientes guiadas por um propósito maior e orientadas a relações de serviço e cuidado com todos os seus stakeholders?

O que podemos sugerir para reforçar a paciência, compreensão e, especialmente, ajudar a gerar consciência no maior número possível de empresas e pessoas?

Acreditamos que este momento pode servir para entender o quanto somos conectados e interdependentes. A ideia de separação e de fronteiras que dividem todos só existem na cabeça das pessoas e no desejo daqueles que querem ter tudo sob controle. A complexidade e imprevisibilidade da crise nos atropela e ficamos sem orientação.

Para todos aqueles que acreditam que  um novo capitalismo é plenamente viável, abaixo estão 8 dicas que podem ser úteis para os próximos dias e para o planejamento de ações de todas as empresas:

1) Amar e cuidar. Antes de ser um dos nossos principais lemas é sem dúvida o único caminho para o cenário de curto prazo. Dar prioridade à saúde e bem-estar de todos os stakeholders, mas especialmente à dos colaboradores que estão na linha de frente dos negócios. Um negócio consciente protege seus stakeholders mais vulneráveis e viabiliza que todos possam passar por este momento seguros.

2) Distanciamento social. Sugerir o afastamento social para diminuirmos a curva de aumento de casos de infectados. Devemos estimular que todos se protejam.

3) Home Office. Definitivamente quebrar as barreiras que limitam o Home Office e promover esta forma de trabalho. Muitos gestores ainda têm dúvidas sobre isso e preferem liderar através de paradigmas de comando e controle total das pessoas. Devemos estimular que esse antigo paradigma seja revisto dando lugar a valores de confiança ancorada em olhar de abundância e amor, não de medo e escassez.

4) Informação. Compartilhar sites e fontes seguras de informação e combater Fake News.

5) Stakeholders. Tratar stakeholders de forma equânime e estar atento às necessidades de todos. Perguntar diariamente quais serão os impactos em cada grupo ligado à empresa e como podemos minimizar os impactos da crise em seus negócios. O que podemos fazer hoje? O que faremos no médio prazo?

6) Fornecedores. Muita atenção à cadeia de fornecedores. Os pequenos podem não se sustentar e precisarão de ajuda. Manter o ritmo de pagamentos a eles pode ser fundamental para que os negócios pequenos não quebrem e não gerem dispensas.

7) Cauda longa. Pensar na cauda longa, nos que formam a grande massa de negócios e de mão de obra. Como podemos diminuir o impacto? O que podemos fazer por eles?

8) Compartilhar. Disseminar entre os colaboradores, parceiros e com todos que se relacionam com o seu negócio exemplos e boas práticas vindos do mercado. Movimentar informações sobre o que o governo, empresas e autoridades estão fazendo. Entregar conteúdo relevante é também formar pensamentos, raciocínios e cultura organizacional.

Autores: Hugo Bethlem, Presidente do ICCB, e Dario Neto, Diretor Geral.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Mapas, quando precisamos de bússola

Esta semana fui impactado por uma reflexão sobre a importância do mapa e da bússola em uma jornada. A provocação partiu de Julia Tolezano da Veiga Faria, escritora, influencer e jornalista, também conhecida como Jout Jout. Proponho extrapolar e ampliar a reflexão neste artigo.

A revolução das relações

Vivemos um importante período de transição que nos convida a MUDAR a forma como nos relacionamos com nós mesmos e com o mundo. Isto porque a consciência que criou o mundo que vivemos hoje não pode ser a mesma que nos ajudará a criar o futuro.

Embaixador(a) I

R$ 0,00