Um mergulho na essência

O papel do propósito na longevidade de uma empresa familiar

Uma empresa familiar nasce de um projeto pessoal de quem a inicia e confere a ela uma identidade. Sonhos, princípios e a expressão da cultura são personificados na figura dos fundadores, referências maiores e suficientes nas primeiras fases de evolução do negócio. Com o passar do tempo, as identidades da família e da organização se influenciam entre si, porém se desenvolvem de maneira mais autônoma. Mais pessoas vão se unindo à família e ao empreendimento e a clareza de um propósito compartilhado passa a ser fundamental para engajar a todos e nortear caminhos em uma perspectiva transgeracional e despersonificada.

Razão de existir

Na Rudolph, o mergulho na essência para revelar nossa razão de existir se iniciou em 2014, período em que quem havia liderado e personificado nossa identidade por décadas buscava um passo de afastamento da gestão. Descortinar esse propósito foi um processo riquíssimo de descoberta e aprendizado, que se estendeu por cinco anos até que estivéssemos preparados para revelá-lo em 2019, com a declaração de que existimos para “inspirar e desenvolver pessoas para a excelência”.

Acreditamos ser essa a nossa contribuição para a sociedade, para o mundo, que justifica nossa existência. Intenção mais elevada que a simples geração de retorno financeiro aos acionistas. Tangível pelos produtos e serviços que oferecemos nas unidades de negócio que compõem nosso grupo. Nosso propósito beneficia a todos os stakeholders, pelos frutos da excelência diretamente colhidos em nossa entrega de valor e, complementarmente, porque queremos também inspirar e contribuir com o desenvolvimento de quem está à nossa volta.

Unidos para avançar

Uma frase do escritor norte-americano do século XIV, Ralph Waldo Emerson, revela a potência desse propósito: “Nosso maior desejo é alguém que nos inspire a ser aquilo que podemos ser”. É assim que o praticamos com nossos colaboradores, com a clareza de que nos reunimos para avançar, cada um em seu projeto pessoal e, coletivamente, a serviço da jornada comum que nos conduz à excelência.

Quando a faísca da inspiração traz significado e conecta alguém com a sua essência, dá-se o passo para fora da zona de conforto, iluminando o caminho do desenvolvimento que trilhamos juntos. Criamos, dessa forma, o espaço no qual pessoas estejam dispostas para compartilhar seus talentos e paixões.

O resultado é a excelência, que enxergamos não como um destino que se assemelhasse à perfeição, mas como uma jornada na direção de ser quem pudermos e escolhermos ser, individual e coletivamente, com a genialidade e a potência que emergem quando nos percebemos suportados e a serviço de algo maior que nós mesmos.

Propósito para quê?

O propósito maior é um dos pilares do modelo proposto pelo Capitalismo Consciente para organizações conectadas a uma maneira de pensar os negócios que reflete de uma melhor forma onde estamos na jornada humana e o estado do mundo hoje.

Sua importância vai muito além da existência de um slogan, de atender de forma oportunista a um checklist que estabeleceria a necessidade de uma frase de efeito no site da empresa. Guiar-se por um propósito maior que a orientação direta à maximização dos lucros reflete uma mudança de paradigma, por onde se desenvolve a clareza da razão de existir da organização, o benefício que ela traz para a sociedade, para seus stakeholders

É a síntese do que está vivo para a empresa neste momento, neste contexto. O benefício proporcionado ao mundo que dá sentido à sua existência e por meio do qual ela gera valor e captura sua justa paga na forma de lucros – para quem investe no avanço daquela causa.

A relevância e a prosperidade de uma empresa dependem, portanto, do mérito de seu propósito, do valor que ele gera para cada parte interessada no negócio. 

A declaração de um propósito

Mergulhando na essência de uma organização, podemos declarar um propósito, que define o mundo que queremos juntos construir. Entre os atos linguísticos, a declaração é uma frase que gera um mundo possível (diferentemente de uma afirmação, que explica o mundo como o percebemos, como ele já é). Com uma declaração, eu construo realidade, falo de um mundo que pode vir a ser a partir da força dessa declaração.

Faz muito sentido a noção que aprendi: nosso poder tem a ver com fazer acontecer as coisas que a gente declara. Quando alguém ou alguma organização declara coisas com as quais não se compromete, seu poder diminui. Seguir o caminho das nossas declarações, por outro lado, nos empodera! Desenvolve relações de confiança, o que consideramos, na Rudolph, um importante ativo, uma vantagem competitiva.

Propósito generativo

Nosso propósito não se limita, não está orientado de forma direta àquilo que especificamente hoje fazemos, aos produtos e serviços que oferecemos. Uso o termo “propósito generativo” para me referir a esta característica, à medida que ele não cria a coisa, mas sim um sistema capaz de criar várias coisas. 

Assumimos como norte um horizonte sem linha de chegada. Nossa busca pela excelência não terá fim, assim como a evolução da humanidade. As necessidades do mundo são múltiplas, assim como a capacidade e o potencial do ser humano. 

Inspirar e desenvolver pessoas para a excelência. Esse é o sonho que sonhamos juntos – e nos comprometemos a colocar no mundo.

*Alex Marson é CEO da Rudolph Investimentos e Participações, e colíder da Filial Regional do Capitalismo Consciente em Santa Catarina.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Temos pressa para transformar os indivíduos

O ano é 2040: A temperatura está 1,5°C acima do nível pré-industrial. Muito foi feito, mas não foi suficiente. De volta a maio de 2022: novo relatório da Organização Meteorológica Mundial aponta que esse pico já será registrado em pelo menos um ano até 2026. O vislumbre do futuro nos mostra, portanto, que é preciso fazer mais e o tempo é agora.

O PIRI nosso de cada dia…

O PIRI é um acrônimo e sua leitura (de trás pra frente), nos demonstra que no nosso dia-a-dia objetivamos criar e gerar INFLUÊNCIA ao nosso redor e no nosso ecossistema – o que não quer dizer ter razão, direcionar, decidir tudo, mas sim ter um espaço de fala e escuta, de abertura e confiança para se posicionar e se conectar.

Embaixador(a) I

R$ 0,00