Um Novo Olhar de Conexão com o AGRO

Primeiramente, gostaria de descrever aqui o motivo pelo qual, aos 16 anos, escolhi engenharia de alimentos como minha primeira formação. Fui em uma banca de jornal e comprei um daqueles guias do estudante e comecei a olhar as profissões. Eu sempre fui mais de exatas e estava lá: engenharia de alimentos, que era uma coisa muito nova para todo mundo, não existia ainda, ninguém sabia do que se tratava, quem contratava esse tipo de profissional e por aí vai. Me lembro que quando entrei para a faculdade minha turma era a quinta da história desse curso no Brasil.

No mesmo guia havia explicações sobre algumas profissões e na minha cabecinha de 16 anos, de quem estava no segundo ano colegial, quando li a matéria sobre os tomates, me encantei sobre a importância dessa profissão, que iria resolver o problema da fome no mundo. Simplesmente fascinante.

A matéria explicava, entre outras coisas, sobre o ciclo de uma safra/entresafra de tomate, quando, em vez de deixar apodrecer já em fase muito maduro e cair no chão, é possível processá-lo, congelar a polpa (hoje inclusive acontece assim) e depois essa polpa pode ser usada de várias formas na indústria de alimentos e em diversos outros meios. Mas o que me chamou a atenção foi o fato de poder processar todo o alimento na safra, guardar e garantir o consumo durante todo o ciclo. Isso acontece com muitos alimentos como, por exemplo, com a soja, o trigo, frutas, entre outros.

E olhando hoje, quantas e quantas soluções foram criadas ao longo desses últimos 30 anos!?

Mas se eu for descrever sobre o porquê de ter escolhido essa profissão, o cerne de tudo isso foi, além das inúmeras possibilidades de transformação dos alimentos, certamente a pretensão de salvar o mundo da fome.

Para prosseguir, vou parafrasear o maior defensor do combate à fome no mundo, Mahatma Gandhi: “Cada dia a natureza produz o suficiente para nossa carência.”

Mas isso é uma outra história! Vamos prosseguir!

Em meio a tantas soluções criadas ao longo dos anos, não existia a consciência de tudo que o AGRO representa para a cadeia de alimentos e seus impactos a cada novo produto, a cada inovação. Para entender a grandeza da oportunidade que é o Agro no Brasil, podemos somar:

5 Milhões de propriedades rurais 17 Milhões a população que se ocupa com o Agro 23% PIB100 US$ Bi em exportaçõesFonte: Mapa, IBGE, CEPEA

Ao ganhar consciência e aprender sobre o novo sistema na Economia Circular, onde as práticas lineares de desenvolvimento de produtos e negócios, pela metodologia Cradle to Cradle, ganham novas práticas para a transformação.Podemos citar 5 principais práticas para que a nova economia ganhe cada vez mais espaço:


1. Eficiência vs, Efetividade, onde menos é mais, menos quantidade e mais qualidade é a nova lei. As práticas de reuso ganham força e espaço.

2. Olhar todo material como nutrientes, onde tudo saia da Terra volta para a Terra. Não tem fora é tudo dentro do planeta.

3. Estudar sobre de onde vem e para onde vai, considerando curto e longo prazo. Sempre pergunte: “E depois?”

4. Toxidade, do que as coisas são feitas e o que esse material ocasionam quando se tornam resíduos ou descartes em aterros.

5. Valorizar a diversidade, se trata sobre fortalecer e regenerar ao invés de padronizar e produzir em massa

E em todas essas práticas, se faz mais que urgente a conexão do Agro com a cadeia produtiva, gerando infinitas oportunidades de novas formas de fazermos negócios.E Você como tem se conectado ao Agro?

Ana Paula Vaz -Engenheira de Alimentos, com especialização em Marketing e Gestão Estratégica de Pessoas. Gerente de Marketing Bidfood Brasil, Embaixadores Capitalismo Consciente e Mentora do Movimento Todos a Uma Só Voz.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Obcecado pelo propósito em vez do lucro

Acreditamos que um negócio só é bom quando cria valor para as pessoas e o planeta, é ético quando baseado em trocas verdadeiras e voluntárias entre seus stakeholders, é nobre quando tem a capacidade de inspirar e elevar a dignidade humana e, principalmente, é heroico quando tira as pessoas da pobreza, gerando prosperidade econômica.

Embaixador(a) I

R$ 0,00