Você já ouviu falar em sobrecarga colaborativa?

por Graziela Merlina*

Os ambientes estressantes, tóxicos e de extrema pressão tem contribuído com o adoecimento da humanidade. Quadros de depressão, stress, burnout, e muito mais.

Isso nos leva a pensar e falar cada vez mais sobre a humanização das empresas e das relações profissionais. O que traz à tona necessidades como ambientes mais colaborativos, criativos, conscientes das emoções, inconformados.

Soa como um bálsamo a tanto sofrimento e dor.

Ao mesmo tempo, surgem os excessos. É como se acreditássemos que a cura de um extremo, depende da necessidade de se construir um outro extremo até que o equilíbrio seja encontrado.

E que extremo é esse?

É quando, em nome da colaboração, dizemos “sim” para tudo e todos; em nome do “nós” desconsideramos o “eu”; em nome da criatividade perdemos a simplicidade; em nome da abundância nos desconectamos do valor de cada coisa.

E isso não quer dizer que colaboração, criatividade e abundância não sejam um caminho para as dores atuais. Serão sim um caminho de cura a partir do momento em que aprendermos a ser assim, e não apenas fazer assim.

Filosófico? Talvez.

Mas, te convido a pensarmos juntos.

Você já conviveu em algum projeto ou em algum relacionamento no qual você teve a sensação de estar entrando cada vez mais em um “Buraco Negro”?

Parece que até posso ver você balançando a cabeça afirmativamente agora.

Uso aqui a expressão “Buraco Negro” de forma figurada, me remetendo a tudo aquilo que te suga e elimina a sua luz.

Lembro de ter me reconhecido ao ler o seguinte parágrafo do livro de Shawn Achor, Grande Potencial:

“… Eu costumava aceitar todos os convites para dar palestras, ouvir todas as propostas de potenciais parcerias e participar de todas as pesquisas. Adorava tudo aquilo. De repente, cheguei a um ponto que parecia que tinha assumido tantos compromissos que não conseguia passar um dia sequer sem deixar muitas pessoas na mão. Ainda por cima, eu tendo a querer agradar a todos, então você pode imaginar como a situação era penosa para mim. Ao buscar atingir o Grande Potencial, precisamos restringir a nossa exposição à “sobrecarga colaborativa”, evitando tentar ser tudo para todos e procurando adotar uma abordagem estratégica para selecionar as pessoas com quem formamos conexões.”

Me peguei pensando: “Nossa. Parece que fui eu quem escreveu isso.”

Esse tal de “Buraco Negro” está dentro de mim mesma, cada vez que eu entro em uma espiral colaborativa sem questionar, sem equilibrar o dar e receber.”

Foi então, que criei para meu próprio alerta, o termo “mindful yes”. Criei um auto-compromisso onde cada “SIM” dito por mim, precisaria ser de um lugar pleno e congruente. Um lugar onde eu me sinta fazendo parte de uma constelação de estrelas que iluminam umas as outras. E foi assim que entendi o verdadeiro antídoto para a “sobrecarga colaborativa”. Termo que fui descobrir ter sido usado pela HBR, em um publicação de 2016, com a seguinte constatação:

“A distribuição de trabalho colaborativo costuma ser extremamente desequilibrada. Na maioria dos casos, 20% a 35% das colaborações que agregam valor vêm somente de 3% a 5% dos funcionários.”

O livro Grande Potencial contribuiu para que eu pudesse aprender a identificar os três tipos de influências positivas para o seu “Mindful Yes”. E aqui, compartilho com você:

  • Pilares: São aqueles que atuam como porto seguro em momentos difíceis. São aqueles com quem você pode contar sempre. Fontes de apoio incondicional.
  • Pontes: São os que te conectam com pessoas ou recursos que estão fora do seu acesso habitual. Tem conexões e recursos diferentes dos seus. E isso não tem nada a ver com o status das pessoas.
  • Extensores: São os que te forçam a sair da sua zona de conforto. São os que tem personalidade e conhecimento diferentes dos seus. Costumamos gostar de estar com iguais, mas o que nos beneficia a ir além é a diversidade.

Se você não encontra nenhuma dessas influências em uma conexão, terá grandes chances de se deparar com um “Buraco Negro”. E vale lembrar que o seu Grande Potencial é somado pelas influências positivas e subtraído pelas influências negativas.

Fica aqui uma reflexão: o quanto do seu potencial está sendo comprometido em nome de uma “sobrecarga colaborativa”?

Pra quem curte olhar de forma mais atenta pra si mesmo, segue aqui a indicação de um assessment. Clique e leia mais, você poderá encontrar boas dicas.

Gostou do texto? Ele é um de três artigos da trilogia que aborda vulnerabilidade, escolhas e confiança. Os próximos artigos desta série já estão disponíveis para leitura, basta clicar em uma das imagens abaixo:

Graziela Merlina*

Conselheira Capitalismo Consciente Brasil

Idealizadora do HUB Consultores Conscientes @CasaMerlina

Fundadora da ApoenaRH

Game Designer

Palestrante

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Obcecado pelo propósito em vez do lucro

Acreditamos que um negócio só é bom quando cria valor para as pessoas e o planeta, é ético quando baseado em trocas verdadeiras e voluntárias entre seus stakeholders, é nobre quando tem a capacidade de inspirar e elevar a dignidade humana e, principalmente, é heroico quando tira as pessoas da pobreza, gerando prosperidade econômica.

Embaixador(a) I

R$ 0,00