Capitalismo consciente não é ‘um gozo para idiotas inventado pela esquerda’

por Hugo Bethlem*, Presidente do conselho do Instituto Capitalismo Consciente Brasil (ICCB), para Folha de S.Paulo – Opinião 26.out.2020 às 9h30

Negócios conscientes devem ter um propósito maior, que crie cultura e valores

O capitalismo consciente é a forma mais humana, ética e sustentável de gerar riqueza a todos “stakeholders”, enquanto gera lucro ao acionista. E a pesquisa Empresas Humanizadas do Brasil, desenvolvida pelo professor Pedro Paro, da USP de São Carlos e o ICCB (Instituto Capitalismo Consciente Brasil), comprova todos esses pontos cientificamente.

O filósofo e colunista Luiz Felipe Pondé, a quem admiro e respeito pelo pensamento liberal, escreveu em 18 de outubro, nesta Folha, o artigo “Capitalismo Consciente é um gozo para idiotas inventado pela esquerda”. Não entendo o que o levou a essa afirmação, mas já que a trouxe proponho conhecer o ponto de vista de quem constrói o dia a dia o verdadeiro capitalismo consciente.

A afirmação “o capitalismo se caracteriza (…), por ser um sistema em que o capital tende a se reproduzir como entidade autônoma. Nesse processo, ele se torna o único valor absoluto e tudo mais se torna relativo à sua dinâmica. Esse sistema se tornou total: não há vida fora dele, mesmo quando você se ilude pensando que está operando contra ele” tem a sua verdade. Mas é justamente por isso, que o capitalismo está em xeque no mundo, mesmo tendo provado ser o melhor sistema econômico vigente, onde todos os demais ruíram.

A economista Rebecca Henderson, em seu mais novo livro “Reimagining Capitalism in a world on fire” (sem tradução ainda em português), pergunta: “O que é o capitalismo? Uma das maiores invenções humanas e enorme fonte de prosperidade? Uma ameaça à beira de destruir o planeta e desestabilizar a sociedade? Ou, alguma combinação que precisa ser reimaginada?”

No ICCB acreditamos que é “alguma combinação que precisa ser reimaginada”. E nosso propósito é ajudar a transformar o jeito de se fazer investimentos e negócios no Brasil, para diminuir a desigualdade.

O capitalismo consciente apenas existe em mercados livres, onde a iniciativa e a criatividade das pessoas para empreender e escolher seus trabalhos seja possível. Acreditamos que um negócio é bom quando cria valor, é ético ao ser baseado numa troca voluntária, é nobre quando eleva a nossa existência e heroico quando tira as pessoas da pobreza e gera prosperidade.

Os negócios conscientes devem ter um propósito maior, tratar todos os “stakeholders” de forma equânime, criar cultura e valores que garantam a sua perpetuidade e ter um líder consciente que cuida das pessoas e do nosso planeta. Capitalismo consciente não é “paz e amor, bicho, tu faz o que quiser, entrega resultado se der” — passa muito longe disso. Ser um líder consciente é ter a capacidade de organizar, mobilizar e engajar pessoas para atingir resultados, alinhados ao propósito. Não é levar as pessoas nas costas e fazer por elas. É levar as pessoas no coração e mostrar o caminho a ser trilhado.

Levar seu pet ao escritório ou jogar pebolim no trabalho não faz uma empresa mais ou menos consciente. A liderança que cuida das pessoas é que faz! Pois as pessoas são o reflexo de seus líderes e, por isso, se esses querem transformar as empresas, tem que primeiro transformarem a si mesmos.

*Hugo Bethlem é Chairman e co-fundador do Instituto Capitalismo Consciente, tem mais de 40 anos de experiência como executivo no varejo. Se especializou em gestão, empreendedorismo e governança em instituições como FGV, Cornell, Babson, IMD, Oxford e Stanford.

REPRODUÇÃO

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

COP27 | O que esperar da Conferência da ONU sobre mudanças climáticas

Ostentando o controverso slogan “juntos para a implementação”, a Conferência das Partes (COPs), promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU), chega à sua 27ª edição em um cenário de eventos climáticos extremos em todo o mundo. E, não bastassem os inúmeros dados mostrando que o mundo não está fazendo o suficiente para combater as emissões de carbono, tudo indica que a crise climática segue acentuada, também, pela guerra da Ucrânia.

O autocuidado como uma soft skill para os homens no futuro do trabalho

O cuidado é o pilar central para a manutenção da nossa sociedade e economia. E quem diz isso não sou apenas eu, Leandro Ziotto, mas todos os estudos levantados pelo Fórum Econômico Mundial (FEM), Organização Mundial do Comércio (OMC), Organização das Nações Unidas (ONU), McKinsey, Fundo Monetário Internacional (FMI) e etc.

Embaixador(a) I

R$ 0,00