Desigualdade no acesso à cultura em pauta no Fórum Regional do Capitalismo Consciente em Cuiabá

Evento contou com apresentações culturais, palestras e roda de conversa

Em 22 de março, na Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá (CDL), a capital de Mato Grosso sediou o Fórum Regional do Capitalismo Consciente, evento organizado pelo Instituto Capitalismo Consciente Brasil (ICCB), que em 2023 completa 10 anos no Brasil. Para celebrar uma década de atuação, a organização tem realizado fóruns regionais com o objetivo de debater diferentes desigualdades no país e despertar a consciência do empresariado e lideranças locais.

O Fórum, alinhado com o objetivo deste ano do ICCB de contribuir para a redução de dez impactantes desigualdades do país, abordou no evento as desigualdades no acesso à cultura, com o intuito de fomentar os objetivos de Desenvolvimento Sustentável 10 (ODS 10) da Agenda 2030 da Organização das Nações Unidas (ONU), que trata da redução das desigualdades.

“Por meio dos Fóruns, neste ano em que completamos uma década de atividades, estamos tendo a oportunidade de nos aproximar e nos comunicar de forma ainda mais eficiente com empresários brasileiros. Reforço que o objetivo é ampliar a divulgação de conteúdo e boas práticas do Capitalismo Consciente aumentando, assim, a aderência ao movimento fora do eixo Sudeste”, destaca Daniela Garcia, CEO do ICCB.

Em Mato Grosso, a desigualdade de acesso à cultura foi o tema principal do Fórum, que contou com apresentações culturais, palestras e roda de conversa. Mas a fome, o desperdício gerado todos os dias pela sociedade e o descarte adequado de produtos também foram assuntos discutidos.

Hugo Bethlem, presidente e cofundador do ICCB, enfatizou que para que haja redução do desperdício e das desigualdades é necessário que aconteça uma mudança estrutural nas empresas e negócios. “Empresas são feitas por pessoas e são elas que podem mudar seus ecossistemas. Ou os empresários mudam por convicção, por compliance ou por constrangimento, já que não haverá outra saída”, pontuou.

O ponto alto do evento foi a roda de conversa Acesso à Cultura como Potencializador das Relações Humanas e Econômicas com a participação de Jan Moura (Secretário Adjunto de Cultura da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso), Avinner Brandão (Produtor Cultural e Gestor de Projetos da Associação Flor Ribeirinha) e Aline Bortoli (Sócia na Natter e na Ambios, fundadora gestão do 1° Museu Cristão Contemporâneo do Brasil – Sic Bartao). Durante o Talk Consciente, mediado por Karine Borges, líder da filial regional do Capitalismo Consciente em Mato Grosso, os participantes apresentaram medidas possíveis para mitigar essas desigualdades e, com isso, potencializar para que mais pessoas de origens sociais diversas tenham oportunidades de acesso.

Pela manhã também foram realizados dois minitalks: Investir em cultura é cooperar, com Seneri Paludo (Diretor Executivo da Central Sicredi Centro Norte) e Como o direito pode ser ferramenta de acesso à cultura, com Luize Menegassi (Sócia do escritório Oliveira Castro Advogados). Já no período da tarde aconteceram dois momentos práticos, o Jogo do Capitalismo Consciente e o workshop regional Desenvolvendo projetos culturais.

Karine Borges avaliou o evento de forma muito positiva, pois atingiu o objetivo inicial de abordar os impactos sociais da desigualdade do acesso à cultura, destacando a importância dos artistas locais logo na abertura. “Junto com empresariado local tivemos a oportunidade de pensar juntos como a iniciativa privada pode contribuir para democratização da cultura, além de fomentar a consciência dos líderes empresariais sobre a sua importância”, finalizou a líder da filial regional.

Clique aqui e confira toda a cobertura do evento!


Confira também:

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Capitalismo e Governança Multistakeholder: Precisamos focar em toda a cadeia de valor!

A proposta da Governança Multistakeholder é compartilhar o poder e o processo de decisão entre as diferentes partes interessadas, fazendo com que esse tipo de Capitalismo seja possível. Ela é feita por meio de um ecossistema interdependente entre todos os stakeholders, no qual mecanismos são desenvolvidos para implementar ações ambientais, sociais, de governança e para o business, utilizando práticas de gerenciamento sustentáveis.

Propósito de vida em ação: Liderando Negócios Conscientes no III Fórum Brasileiro do Capitalismo Consciente

Desafiando o conceito de falso dilema de que “ou você olha o resultado ou você olha a questão do impacto e sustentabilidade”, o executivo ressaltou que é possível integrar resultados financeiros positivos com práticas sustentáveis e impacto social. Ele compartilhou exemplos de empresas que adotaram medidas conscientes e colheram benefícios não apenas reputacionais, mas também financeiros.

Embaixador(a) I

R$ 0,00