“Estamos vivendo um tempo de stress conectado”, afirma CEO do Standard Bank Brasil

Cuidado emocional a serviço da liderança do futuro é tema de painel no II Fórum Brasileiro do Capitalismo Consciente

Pensar em saúde mental inclui pensar no ambiente em que vivemos. Em painel sobre “Cuidado emocional a serviço da liderança do futuro”, no II Fórum Brasileiro do Capitalismo Consciente, Natália Maria Rapassi Dias Melo, CEO do Standard Bank Brasil fala sobre as mudanças de consumo e desafios que temos no meio em que vivemos junto de Viviane Sales, vice-presidente da BU de benefícios corporativos Creditas At Work e Rui Brandão, co-fundador e CEO do Zenklub, com mediação de Cassia Messias, Chief Operating Officer do Zenklub.

“Sustentabilidade já é um tema ultrapassado, a gente deveria estar discutindo regeneração. A boa notícia é que o ESG virou um assunto debatido aqui no Brasil. A gente fez muito como os países já desenvolvidos e focamos no E de ambiente. Como podemos ter um impacto maior no S que é o social?”, questiona Natália. “Isso tudo que vem acontecendo tem impactado na saúde mental das pessoas, está tudo conectado.”

De acordo com Viviane, o brasileiro não está só endividado, mas mal endividados. “Por exemplo, entrar num cartão rotativo, são mais de 200% de juros ao ano. A maioria das pessoas não sabem no que estão entrando, elas entram numa bola de neve e não sabem mais como sair, ela fica negativa e não tem crédito em lugar algum. Isso gera um estresse e o colaborador gasta em média 1h30 no dia a mais por conta desse estresse, ele dorme menos, e a maioria desses trabalhadores estão procurando emprego para ganharem mais. A empresa estar ciente disso é benéfico para tentar reter esse colaborador e ajudar para o bem estar desse funcionário”, diz a vp da BU, além do impacto que a pandemia trouxe para grande parte dos brasileiros

Dessas pessoas endividadas, cerca de 81% tiveram impacto físico, como ansiedade e depressão. “Quando você pensa no papel da empresa, a empresa está num papel favorável, ela tem um papel de referência para o colaborador”, afirma Viviane. “A empresa consegue oferecer empréstimo consignado para o colaborador, coisa que o funcionário sozinho não consegue já estando endividado.”

Outro ponto abordado na palestra é a falta de acesso para o funcionário comprar um fogão, por exemplo, para fazer comida, se preocupando com a alimentação. Isso influencia no âmbito familiar e começa a pesar junto no ambiente de trabalho.

O mundo da diversidade também precisa de um olhar. “A gente precisa permitir que as mulheres e filhos delas saiam desses círculos limitadores. Falar de igualdade de gênero já é algo mais comum, mas também precisamos falar de igualdade racial. Não é só uma questão ética e moral da sociedade, é uma questão econômica tambem”, afirma Natália.

Para o CEO do Zenklub, Rui Brandão, nós temos que olhar para a comunidade onde estamos inseridos. “Ansiedade e depressão continuam afetando milhões de brasileiros, o que nos dá otimismo é que estamos falando sobre o tema, quando falamos tomamos consciência e começamos a sentir”, afirma o representante. “Por exemplo, tivemos atletas, Naomi, Simone. Isso mostra um caminho a ser sinalizado. Ouvimos sobre burnout, as pessoas estão mais abertas a falar sobre o tema. De acordo com o DataFolha, 86% das pessoas gostariam que a empresa desse um auxílio para saúde mental”, complementa.

Por outro lado, cada vez mais como indivíduos vivemos em situações de poder, organizações onde as pessoas se doam. “Como a Viviane falou, as pessoas confiam nas empresas, não só para questões financeiras, mas em que podemos começar a falar sobre saúde mental”, diz Brandão. “Se tivéssemos aprendido na escola empatia, sensibilidade e transparência, não teríamos tantas crises de ansiedade e depressão”, para o médico especialista em saúde mental e CEO, os transtornos vividos hoje vão para além da saúde mental, mas que deveriam ter como base a educação para prevenção.

A pandemia também foi um fator que pegou para muitas pessoas em relação à saúde mental, o que trouxe uma grande preocupação para as empresas. Para finalizar o painel, os especialistas contaram como funcionou essa dinâmica de fornecer psicólogo e ter conversas mais abertas e debates sobre o assunto e as necessidades de seus colaboradores.

A gravação completa deste painel está disponível no App Consciente, exclusivo a todos os associados do Capitalismo Consciente. Você pode se associar gratuitamente e ter acesso a este e muitos outros conteúdos.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Mapas, quando precisamos de bússola

Esta semana fui impactado por uma reflexão sobre a importância do mapa e da bússola em uma jornada. A provocação partiu de Julia Tolezano da Veiga Faria, escritora, influencer e jornalista, também conhecida como Jout Jout. Proponho extrapolar e ampliar a reflexão neste artigo.

A revolução das relações

Vivemos um importante período de transição que nos convida a MUDAR a forma como nos relacionamos com nós mesmos e com o mundo. Isto porque a consciência que criou o mundo que vivemos hoje não pode ser a mesma que nos ajudará a criar o futuro.

Embaixador(a) I

R$ 0,00