“Estamos vivendo um tempo de stress conectado”, afirma CEO do Standard Bank Brasil

Cuidado emocional a serviço da liderança do futuro é tema de painel no II Fórum Brasileiro do Capitalismo Consciente

Pensar em saúde mental inclui pensar no ambiente em que vivemos. Em painel sobre “Cuidado emocional a serviço da liderança do futuro”, no II Fórum Brasileiro do Capitalismo Consciente, Natália Maria Rapassi Dias Melo, CEO do Standard Bank Brasil fala sobre as mudanças de consumo e desafios que temos no meio em que vivemos junto de Viviane Sales, vice-presidente da BU de benefícios corporativos Creditas At Work e Rui Brandão, co-fundador e CEO do Zenklub, com mediação de Cassia Messias, Chief Operating Officer do Zenklub.

“Sustentabilidade já é um tema ultrapassado, a gente deveria estar discutindo regeneração. A boa notícia é que o ESG virou um assunto debatido aqui no Brasil. A gente fez muito como os países já desenvolvidos e focamos no E de ambiente. Como podemos ter um impacto maior no S que é o social?”, questiona Natália. “Isso tudo que vem acontecendo tem impactado na saúde mental das pessoas, está tudo conectado.”

De acordo com Viviane, o brasileiro não está só endividado, mas mal endividados. “Por exemplo, entrar num cartão rotativo, são mais de 200% de juros ao ano. A maioria das pessoas não sabem no que estão entrando, elas entram numa bola de neve e não sabem mais como sair, ela fica negativa e não tem crédito em lugar algum. Isso gera um estresse e o colaborador gasta em média 1h30 no dia a mais por conta desse estresse, ele dorme menos, e a maioria desses trabalhadores estão procurando emprego para ganharem mais. A empresa estar ciente disso é benéfico para tentar reter esse colaborador e ajudar para o bem estar desse funcionário”, diz a vp da BU, além do impacto que a pandemia trouxe para grande parte dos brasileiros

Dessas pessoas endividadas, cerca de 81% tiveram impacto físico, como ansiedade e depressão. “Quando você pensa no papel da empresa, a empresa está num papel favorável, ela tem um papel de referência para o colaborador”, afirma Viviane. “A empresa consegue oferecer empréstimo consignado para o colaborador, coisa que o funcionário sozinho não consegue já estando endividado.”

Outro ponto abordado na palestra é a falta de acesso para o funcionário comprar um fogão, por exemplo, para fazer comida, se preocupando com a alimentação. Isso influencia no âmbito familiar e começa a pesar junto no ambiente de trabalho.

O mundo da diversidade também precisa de um olhar. “A gente precisa permitir que as mulheres e filhos delas saiam desses círculos limitadores. Falar de igualdade de gênero já é algo mais comum, mas também precisamos falar de igualdade racial. Não é só uma questão ética e moral da sociedade, é uma questão econômica tambem”, afirma Natália.

Para o CEO do Zenklub, Rui Brandão, nós temos que olhar para a comunidade onde estamos inseridos. “Ansiedade e depressão continuam afetando milhões de brasileiros, o que nos dá otimismo é que estamos falando sobre o tema, quando falamos tomamos consciência e começamos a sentir”, afirma o representante. “Por exemplo, tivemos atletas, Naomi, Simone. Isso mostra um caminho a ser sinalizado. Ouvimos sobre burnout, as pessoas estão mais abertas a falar sobre o tema. De acordo com o DataFolha, 86% das pessoas gostariam que a empresa desse um auxílio para saúde mental”, complementa.

Por outro lado, cada vez mais como indivíduos vivemos em situações de poder, organizações onde as pessoas se doam. “Como a Viviane falou, as pessoas confiam nas empresas, não só para questões financeiras, mas em que podemos começar a falar sobre saúde mental”, diz Brandão. “Se tivéssemos aprendido na escola empatia, sensibilidade e transparência, não teríamos tantas crises de ansiedade e depressão”, para o médico especialista em saúde mental e CEO, os transtornos vividos hoje vão para além da saúde mental, mas que deveriam ter como base a educação para prevenção.

A pandemia também foi um fator que pegou para muitas pessoas em relação à saúde mental, o que trouxe uma grande preocupação para as empresas. Para finalizar o painel, os especialistas contaram como funcionou essa dinâmica de fornecer psicólogo e ter conversas mais abertas e debates sobre o assunto e as necessidades de seus colaboradores.

A gravação completa deste painel está disponível no App Consciente, exclusivo a todos os associados do Capitalismo Consciente. Você pode se associar gratuitamente e ter acesso a este e muitos outros conteúdos.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Capitalismo e Governança Multistakeholder: Precisamos focar em toda a cadeia de valor!

A proposta da Governança Multistakeholder é compartilhar o poder e o processo de decisão entre as diferentes partes interessadas, fazendo com que esse tipo de Capitalismo seja possível. Ela é feita por meio de um ecossistema interdependente entre todos os stakeholders, no qual mecanismos são desenvolvidos para implementar ações ambientais, sociais, de governança e para o business, utilizando práticas de gerenciamento sustentáveis.

Propósito de vida em ação: Liderando Negócios Conscientes no III Fórum Brasileiro do Capitalismo Consciente

Desafiando o conceito de falso dilema de que “ou você olha o resultado ou você olha a questão do impacto e sustentabilidade”, o executivo ressaltou que é possível integrar resultados financeiros positivos com práticas sustentáveis e impacto social. Ele compartilhou exemplos de empresas que adotaram medidas conscientes e colheram benefícios não apenas reputacionais, mas também financeiros.

Embaixador(a) I

R$ 0,00