Franquias devem levar digitalização e eficiência operacional para além do pós-pandemia

Manter ensinamentos aprendidos durante o pior momento da crise sanitária é essencial para a evolução do setor

de Gabrielly Mendes11 de julho de 2022 no Destaque do diaEconomiaFranquiasNotícias Tempo de leitura: 3 minutos

Durante o pico mais alto da pandemia da covid-19, muitos setores tiveram que reformular seus modelos de negócios. No caso do franchising, esforços visando a aceleração da digitalização, intensificação do suporte ao franqueado e eficiência operacional foram decisivos para garantir que a taxa de fechamento definitivo de franquias permanecesse baixa. 

Para Lyana Bittencourt, sócia-diretora do Grupo Bittencourt, manter esses ensinamentos para além do pós-pandemia é essencial para a evolução do setor. ”As franquias devem continuar interpretando seu consumidor como o centro, levando soluções direcionadas a eles”, conta.

A executiva cita o fim da diferenciação entre canais como principal evolução trazida pela pandemia. Segundo ela, o setor quebrou paradigmas ao entender que as redes e a marca deveriam ter uma relação de interdependência, possuindo um canal unificado ao se relacionar com seus consumidores.

“Antes, cada canal tinha um ‘feudo’ próprio. Agora, entende-se que o consumidor é da marca, não do canal. Dessa forma, as redes estão tendo que pensar no franchising — loja própria, digital — como um todo”, diz ela. 

Para acompanhar as mudanças de hábitos de consumo dos clientes, a executiva conta ainda que as franquias quebraram paradigmas que limitavam franqueados a operarem exclusivamente com o fluxo de seu ponto, atingido pelas medidas de restrição social impostas para conter o avanço do vírus. “Essa situação fez com que muitas mudanças, inclusive estruturais e jurídicas, acontecessem no franchising”, complementa. 

Alavancado pela retomada das atividades presenciais, o setor segue em recuperação, apresentando um crescimento de 8,8% no faturamento do 1º trimestre  em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com levantamento trimestral realizado pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), o período totalizou receita de R$ 43,380 bilhões frente aos 39,881 bilhões observados em 2021. 

O futuro do franchising é consciente

Lyanna Bittencourt também comentou sobre o movimento ”Franchising Consciente”, criado pelo Grupo Bittencourt e Instituto Capitalismo Consciente Brasil (ICCB). Com o objetivo de incentivar modelos de negócio sustentáveis para o setor, as empresas desenvolveram um projeto que desenvolve ecossistemas de negócios mais humanizados. 

Sob os pilares propósito maior; orientação para stakeholders; liderança consciente; e cultura consciente, a metodologia incentiva empresas a avançarem em iniciativas ESG. “Uma cultura consciente muda tudo no jogo e, mais do que isso,  uma liderança que é consciente do seu papel consegue ir muito além do lucro a curto prazo”, comenta Lyanna.

Em tempos nos quais o consumidor está cada vez mais consciente e exige transparência sobre os produtos e marcas que consome, adotar iniciativas sustentáveis é essencial para a sobrevivência no mercado.

“Alguns empresários sentem que precisam fazer melhor, mas às vezes não sabem por onde começar. Achamos que a metodologia ajudou a acelerar o processo [de implementação de modelos de negócio sustentáveis], mas vai depender de cada um sentir que é necessário fazer e entender o mundo ao redor”, finaliza.

Imagem: Shutterstock

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Desmistificando Propósito, Missão, Visão e Valores

O processo de amadurecimento do ecossistema empresarial e do País como um todo depende do despertar da consciência para nossa interdependência e nossa importância (e responsabilidade) neste sistema. Entender, com clareza, nosso Propósito, Missões, Visão e Valores é premissa para entender nossos pontos de contato com outras pessoas e organizações. Neste texto, que não é curto mas é lúdico, utilizo uma estrada como metáfora para colocar de forma prática, cada um destes elementos.

Gerenciamento de Stakeholders e Gerenciamento de Riscos

Todos concordamos que este é um caminho sem volta e que, gerar valor à sociedade por meio de nosso trabalho, de forma alinhada com nossos valores e propósito, faz com que o nosso “ganha pão” seja muito mais motivador. 

Agora vem a pergunta. Como colocar todo esse discurso na prática? 

Defendo a seguinte tese: Processos bem estruturados aliados à tecnologia. 

Embaixador(a) I

R$ 0,00