Franquias devem levar digitalização e eficiência operacional para além do pós-pandemia

Manter ensinamentos aprendidos durante o pior momento da crise sanitária é essencial para a evolução do setor

de Gabrielly Mendes11 de julho de 2022 no Destaque do diaEconomiaFranquiasNotícias Tempo de leitura: 3 minutos

Durante o pico mais alto da pandemia da covid-19, muitos setores tiveram que reformular seus modelos de negócios. No caso do franchising, esforços visando a aceleração da digitalização, intensificação do suporte ao franqueado e eficiência operacional foram decisivos para garantir que a taxa de fechamento definitivo de franquias permanecesse baixa. 

Para Lyana Bittencourt, sócia-diretora do Grupo Bittencourt, manter esses ensinamentos para além do pós-pandemia é essencial para a evolução do setor. ”As franquias devem continuar interpretando seu consumidor como o centro, levando soluções direcionadas a eles”, conta.

A executiva cita o fim da diferenciação entre canais como principal evolução trazida pela pandemia. Segundo ela, o setor quebrou paradigmas ao entender que as redes e a marca deveriam ter uma relação de interdependência, possuindo um canal unificado ao se relacionar com seus consumidores.

“Antes, cada canal tinha um ‘feudo’ próprio. Agora, entende-se que o consumidor é da marca, não do canal. Dessa forma, as redes estão tendo que pensar no franchising — loja própria, digital — como um todo”, diz ela. 

Para acompanhar as mudanças de hábitos de consumo dos clientes, a executiva conta ainda que as franquias quebraram paradigmas que limitavam franqueados a operarem exclusivamente com o fluxo de seu ponto, atingido pelas medidas de restrição social impostas para conter o avanço do vírus. “Essa situação fez com que muitas mudanças, inclusive estruturais e jurídicas, acontecessem no franchising”, complementa. 

Alavancado pela retomada das atividades presenciais, o setor segue em recuperação, apresentando um crescimento de 8,8% no faturamento do 1º trimestre  em comparação com o mesmo período do ano passado. De acordo com levantamento trimestral realizado pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), o período totalizou receita de R$ 43,380 bilhões frente aos 39,881 bilhões observados em 2021. 

O futuro do franchising é consciente

Lyanna Bittencourt também comentou sobre o movimento ”Franchising Consciente”, criado pelo Grupo Bittencourt e Instituto Capitalismo Consciente Brasil (ICCB). Com o objetivo de incentivar modelos de negócio sustentáveis para o setor, as empresas desenvolveram um projeto que desenvolve ecossistemas de negócios mais humanizados. 

Sob os pilares propósito maior; orientação para stakeholders; liderança consciente; e cultura consciente, a metodologia incentiva empresas a avançarem em iniciativas ESG. “Uma cultura consciente muda tudo no jogo e, mais do que isso,  uma liderança que é consciente do seu papel consegue ir muito além do lucro a curto prazo”, comenta Lyanna.

Em tempos nos quais o consumidor está cada vez mais consciente e exige transparência sobre os produtos e marcas que consome, adotar iniciativas sustentáveis é essencial para a sobrevivência no mercado.

“Alguns empresários sentem que precisam fazer melhor, mas às vezes não sabem por onde começar. Achamos que a metodologia ajudou a acelerar o processo [de implementação de modelos de negócio sustentáveis], mas vai depender de cada um sentir que é necessário fazer e entender o mundo ao redor”, finaliza.

Imagem: Shutterstock

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

COP27 | O que esperar da Conferência da ONU sobre mudanças climáticas

Ostentando o controverso slogan “juntos para a implementação”, a Conferência das Partes (COPs), promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU), chega à sua 27ª edição em um cenário de eventos climáticos extremos em todo o mundo. E, não bastassem os inúmeros dados mostrando que o mundo não está fazendo o suficiente para combater as emissões de carbono, tudo indica que a crise climática segue acentuada, também, pela guerra da Ucrânia.

O autocuidado como uma soft skill para os homens no futuro do trabalho

O cuidado é o pilar central para a manutenção da nossa sociedade e economia. E quem diz isso não sou apenas eu, Leandro Ziotto, mas todos os estudos levantados pelo Fórum Econômico Mundial (FEM), Organização Mundial do Comércio (OMC), Organização das Nações Unidas (ONU), McKinsey, Fundo Monetário Internacional (FMI) e etc.

Embaixador(a) I

R$ 0,00