Índice permite medir a saúde física, mental e social dos profissionais

Com o objetivo de ajudar as empresas a diagnosticarem com assertividade o seu nível de bem-estar, foi criado o Índice de Maturidade de Bem-estar Corporativo
Por Redação19 nov 2021

A partir de janeiro de 2022, a OMS (Organização Mundial da Saúde) incluirá a Síndrome de Burnout na Classificação Internacional de Doenças. O esgotamento físico e emocional que resulta do excesso de trabalho e de cobranças é um tema cada vez mais relevante para as empresas, que devem ser capazes de prevenir e coibir essa sobrecarga, e também de medir e acompanhar a saúde mental de seus funcionários.

Por isso, é bem-vinda a iniciativa da plataforma de bem-estar Zenklub, em parceria com a startup Humanizadas, de oferecer a seus clientes corporativos uma ferramenta que permite avaliar os índices de saúde e qualidade de vida de seus funcionários. Trata-se do Índice de Maturidade de Bem-estar Corporativo (IMBC), criado a partir de 59 práticas identificadas pela Zenklub e pela Humanizadas que favorecem a saúde física, mental e social nas companhias. Baseados nela, especialistas definiram cinco estágios que apontam em que grau de maturidade uma empresa se encontra, de acordo com suas políticas e práticas:

  1. Básico: a empresa entende o bem-estar como “atendimento de necessidades básicas”, com iniciativas como oferecer plano de saúde e realizar avaliação de desempenho;
  2. Segurança: o bem-estar está relacionado à segurança e aos benefícios regulamentados, como seguro de vida e monitoramento de riscos ocupacionais;
  3. Proativo: a companhia vê o bem-estar como intrínseco à produtividade e à saúde, oferecendo benefícios como academia, aulas de ginástica, ioga e espaço zen;
  4. Sistêmico: o bem-estar é compreendido como modelo de gestão do público interno e externo, permeando desde a estrutura física dos escritórios até as ações de desenvolvimento e de responsabilidade social;
  5. Regenerativo: a empresa associa o bem-estar a práticas que beneficiam os indivíduos, a sociedade e o planeta.

“Para a empresa, o índice ajuda não apenas a melhorar a qualidade das relações com as equipes e com os gestores, como também colabora para os resultados financeiros, o aumento de produtividade, a redução de custos e a redução de turnover e do absenteísmo”, afirma Pedro Paro, CEO e fundador da Humanizadas.

REPRODUÇÃO

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Obcecado pelo propósito em vez do lucro

Acreditamos que um negócio só é bom quando cria valor para as pessoas e o planeta, é ético quando baseado em trocas verdadeiras e voluntárias entre seus stakeholders, é nobre quando tem a capacidade de inspirar e elevar a dignidade humana e, principalmente, é heroico quando tira as pessoas da pobreza, gerando prosperidade econômica.

Embaixador(a) I

R$ 0,00