Instituto Capitalismo Consciente Brasil endereça carta ao governo Lula

ICCB traz 10 pontos prioritários para o desenvolvimento econômico inclusivo e sustentável nos próximos quatro anos

Por *Instituto Capitalismo Consciente Brasil

Excelentíssimo Sr. Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva,

As eleições terminaram e as apurações das urnas eletrônicas concluíram que o senhor e seu vice-presidente, Sr. Geraldo Alckmin, foram eleitos para o próximo mandato de 4 anos, governarem o Brasil. Desta forma trazemos, em nome do Instituto Capitalismo Consciente Brasil, a seguinte pauta:

Em agosto de 2022, publicamos uma carta aberta denominada “Princípios para um Capitalismo Consciente no Brasil”. Nela, relembramos os pilares fundamentais para o exercício de um Capitalismo mais Consciente e inclusivo. Como da liberdade e da propriedade privada como fatores indispensáveis para a geração de riqueza, bem-estar e justiça social, garantindo que cada indivíduo seja livre para decidir os aspectos relacionados à sua própria vida e aos seus interesses, em especial às suas decisões de trabalho e alocação de seu capital, sempre respeitando as leis do nosso país.

O intuito deve ser o de dar oportunidades e incentivar as pessoas a buscarem a sua liberdade, inclusive de empreenderem e gerarem riqueza e bem-estar para si e para seus entes queridos, permitindo, à medida do crescimento do seu negócio, empregar outras pessoas que possam também gerar riqueza e inclusão social, elevando a própria dignidade.

Voltamos aqui a enfatizar que a maior riqueza de um país é o grau de liberdade de seu povo, o que reforça a nossa crença absoluta no modelo que um regime democrático prega e garante aos seus cidadãos. O Instituto Capitalismo Consciente existe no Brasil desde 2013 para transformar o jeito de se fazer investimento e negócios no país, para diminuir as desigualdades, multiplicando os pilares que levam a uma gestão mais humana, mais ética e mais sustentável. Um negócio só é bom quando cria valor para as pessoas e o planeta, é ético quando baseado em trocas verdadeiras e voluntárias entre os seus stakeholders, é nobre quando tem a capacidade de inspirar e elevar a dignidade humana e, principalmente, é heroico quando tira as pessoas da pobreza gerando dignidade.

Para isso ser uma verdade, dependemos de um Brasil que respeite as instituições democráticas, como a independência dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, as leis e a Constituição Federal. Necessitamos de segurança jurídica, que dê garantia aos investidores, empreendedores e aos cidadãos de que os contratos e as leis serão cumpridos. Sem ela, a desigualdade será ampliada, em prejuízo daqueles com menos recursos e com menos resiliência para enfrentar as adversidades. Exercer a democracia requer o cumprimento de três pilares fundamentais:

1. A soberania reside nos níveis mais baixos de autoridade

2. Igualdade política

3. Normas sociais pelas quais os indivíduos e as instituições só consideram aceitáveis atos que reflitam os dois primeiros pilares acima

Vários estudos demonstram que quanto mais democrático e com liberdade econômica, mais próspero e rico e menos desigual é um país. Precisamos garantir a estabilidade do tripé de uma sociedade livre, com a Iniciativa Privada, o Poder Público e a Sociedade Civil vivendo em harmonia.

A democracia é o modelo sólido de governança social, é o mecanismo para alcançar uma evolução sustentável, para que o sistema social não decaia, não eroda e que prospere.

Identificamos uma série de sinergias de princípios e conceitos constantes nas “Diretrizes para o programa de reconstrução e transformação do Brasil Lula-Alckmin 2023-2026”, publicado no site do Tribunal Superior Eleitoral.

Acreditamos que a Sociedade Civil deva assumir um papel mais proativo e propositivo, e, desta forma, elencamos abaixo 10 pontos que consideramos prioritários e que pleiteamos que sejam levados em consideração no planejamento e execução do programa desse novo governo.

São eles:

1. O combate à corrupção, pois acarreta enormes conflitos com os investimentos econômicos de empreendedores conscientes e deteriora a eficiência e a qualidade das políticas públicas, especialmente nas atividades que beneficiam os mais pobres;

2. A garantia da geração de renda mínima aos mais pobres, para que ninguém passe fome no Brasil, aperfeiçoando as leis que permitem e incentivam as doações de alimentos; e um programa de merenda escolar digna para todos os estudantes até o ensino médio;

3. A manutenção e o aperfeiçoamento das leis trabalhistas e do microempreendedor, permitindo maior acesso ao trabalho digno e que cada pessoa possa se autossustentar e cuidar dos seus entes queridos. Não retroceder nas reformas como trabalhista e previdenciária, que se não foram as ideais, foram as possíveis;

4. O fortalecimento da educação de qualidade a toda a população possibilita o compartilhamento de conhecimento e a formação para a cidadania. Pessoas mais conscientes sobre o funcionamento da estrutura do poder, passam a ter uma participação política mais intensa e qualificada;

5. Entender que Responsabilidade Social passa pela Responsabilidade Fiscal;

6. Inflação e Juros são o “imposto do pobre”, suas consequências destroem o poder de compra das famílias menos favorecidas e levam a uma desorganização social e econômica;

7. Promover uma ampla reforma política que reflita as evoluções da sociedade brasileira e as atuais necessidades do povo em conseguir ser corretamente representado e fazer suas cobranças democraticamente; e garantir o verdadeiro papel do Estado, de prestador de serviços à sociedade;

8. Promover uma ampla reforma tributária, pois o Brasil precisa simplificar a sua complexidade, tanto nos impostos federais como estaduais.

a. O sistema de tributação sobre a circulação de mercadorias já não funciona mais num mundo digital e de serviços;

b. A tributação dos dividendos das empresas;

c. Corrigir a tabela do imposto de renda na fonte e ampliar a isenção de impostos para os assalariados de menor faixa salarial;

d. Reduzir a carga para investimentos, que consequentemente, reduzirá o custo Brasil para o mercado interno e externo;

9. Assumir nosso papel de protagonismo no cenário nacional e internacional, na preservação de nossos biomas, principalmente da Amazônia, entre tantas outras riquezas naturais que nosso país tem. Mais do que um celeiro de commodities agrícolas, o Brasil tem tudo para se consolidar como um manancial de soluções agroambientais. As mudanças climáticas são reais e têm efeitos catastróficos no aumento das desigualdades sociais. Os dois maiores fatores de emissão de gases de efeito estufa são os combustíveis fósseis e o desmatamento, portanto, o Brasil deve dar um exemplo nessas frentes, com um programa amplo de energias renováveis e combate efetivo ao desmatamento ilegal;

10. Para uma verdadeira prática dos pilares ESG – Eco-ambiental, Social e Governança – que também se aplica ao Poder Público, não podemos deixar de fora ações específicas para acelerar o atingimento dos ODS – Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável, da Agenda 2030 da ONU. O Governo precisa reforçar o apoio à iniciativa privada quanto ações efetivas para que possamos atingir as ODS, sendo todas importantes, mas duas delas, como a #5 – Igualdade de gênero e a #10 – Redução das desigualdades são catalíticas, pois raça e gênero são transversais a todas as outras vulnerabilidades. Recomendamos também criar e reforçar ações propositivas de incentivo à igualdade e inclusão, contra o racismo e a favor dos povos originários. Porém da mesma forma que no Setor Privado, para ser verdadeiro, tem que começar pelo G da Governança.

O Brasil é uma democracia presidencialista, jovem e, como tal, está aprendendo e evoluindo em sua jornada. Democracia é arte da conciliação, do diálogo, do possível. É governar com os representantes do povo, eleitos diretamente e renovamos a cada 4 anos pelo voto direto. Respeitar as escolhas e os desejos da maioria, mas governar para todos.

Precisamos despertar uma cidadania ativa que trabalhe a favor da democracia e da educação, contra a corrupção e as desigualdades.

O Instituto Capitalismo Consciente acredita e defende a Liberdade com responsabilidade, a Democracia com respeito e a Constituição Federal Brasileira como carta magna.

Governar não é para poucos, muito menos para os próprios interesses, mas governar é exercer a responsabilidade de deixar o país melhor do que encontrou e, para que todos possam prosperar e ter orgulho de ser brasileiro.

Pelo bem dos brasileiros e do Brasil, que o sucesso nesse mandato seja medido pelo impacto social, ambiental e pela responsabilidade econômica e fiscal, gerando mais inclusão social, dignidade e prosperidade. Apoiaremos as ideias que sigam nessa direção, assim como estaremos atentos a ações que sigam o caminho contrário.

Que ninguém fique para trás.

*Instituto Capitalismo Consciente Brasil

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Obcecado pelo propósito em vez do lucro

Acreditamos que um negócio só é bom quando cria valor para as pessoas e o planeta, é ético quando baseado em trocas verdadeiras e voluntárias entre seus stakeholders, é nobre quando tem a capacidade de inspirar e elevar a dignidade humana e, principalmente, é heroico quando tira as pessoas da pobreza, gerando prosperidade econômica.

Embaixador(a) I

R$ 0,00