Liderança Consciente & Liderança de Impacto Duas faces de uma mesma moeda

Sempre que se fala em Liderança pode se verificar que os líderes têm sido cada vez mais valorizados como fonte de inspiração, mas também sofrem cobranças frequentes e intensas onde quer que exerçam esse papel. Ser líder nunca foi algo simples, pois esse papel relaciona-se sempre a algum tipo de responsabilidade maior e forte expectativa externa e interna ao mesmo tempo. Conciliar essa dinâmica é uma arte e requer consciência quando se espera gerar impactos e resultados positivos que ao mesmo tempo mantenham esses líderes fortes e engajados em sua missão.

A arte de impactar

O líder atual precisa conciliar habilidades pessoais com competências técnicas que favoreçam os melhores resultados de seus liderados e também de si mesmo. 

Liderança tem a ver com construção, transformação, influência e impacto.  Gestão por sua vez, com eficiência e implementação, conforme John Mackey e Raj Sisodia dispõem em seu livro “Capitalismo consciente – Como libertar o espírito heróico dos negócios”, porém o que vemos na prática é que esses papéis muitas vezes foram misturados e confundidos.

Uma das afirmações mais contundentes e atuais feitas sobre a Liderança nesse mesmo livro também, é que “a qualidade dos nossos líderes afeta nossa qualidade de vida”. Isso porque, ao passarmos a maior parte de nossas vidas sob a influência de lideranças em algum nível, acabamos sendo impactados, direta ou indiretamente, por suas decisões e ações, sejam elas positivas ou não.  Ao ampliarmos a influência desse fato para um âmbito mais macro, pensando em nossas comunidades, sociedades, países e no mundo como um todo, fica mais evidente o quanto nossas vidas poderiam ser, ou não, mais positivas também.

Talvez por isso seja correto afirmar inclusive, que dentre os 4 pilares do CAPITALISMO CONSCIENTE, a Liderança consciente seja a “mais viva”, a mais catártica, pois é a partir do pilar mais “humano” por assim dizer, que os demais podem ser cultivados, quer seja no âmbito de uma empresa ou de toda a sociedade.

No âmbito dos negócios, podemos chamar de líder consciente quem cria ou gere uma empresa consciente, baseando-se em um propósito maior, que influencia toda a sua cultura interna e mesmo externa ao se orientar também para seus stakeholders.

Múltiplas inteligências,  lifelong learning and Walk the talk 

O líder com consciência ampliada acaba por desenvolver diversos tipos de Inteligência além da cognitiva, anteriormente sempre mais valorizada, buscando as inteligências sistêmica, emocional, espiritual e servidora como fontes de energia e equilíbrio em suas jornadas.   

Líderes conscientes percebem, portanto, a importância dos soft skills e do aprendizado contínuo para um bom desenvolvimento de seu papel, bem como favorecem o desenvolvimento dos seus liderados e da sua própria organização para que elevem seu nível de consciência de suas ações em qualquer ambiente e setor onde estejam. 

Esse tipo de liderança faz uma diferença positiva em todo seu entorno. Reconhece-se como responsável pela mudança que pode gerar no mundo, a partir do seu trabalho e do seu viver. Entende que mesmo diante de escolhas morais árduas, deve manter a integridade como sua base de referência. Seus exemplos inspiram e isso pode ser usado para o bem ou para o mal, o que requer a percepção clara de um cuidado maior com as pessoas e objetivos que fazem parte de sua atividade.

A liderança consciente integra ainda, as energias masculinas e femininas (Shakti), o coração e a mente, o espírito e a alma, sempre buscando o melhor equilíbrio. Ainda que isso pareça algo difícil, narrativas como a do Capitalismo Consciente têm demonstrado, cada vez mais, o poder de impacto positivo que o cultivo de uma nova consciência na forma de liderar e conduzir um negócio pode gerar.

Essa premissa de elevar a humanidade através de práticas de negócios para o bem, que não visam exclusivamente ganhos financeiros, mas também ganhos morais, sociais e ambientais, facilita inclusive a conexão entre lideranças afins e fortalece também todo o ecossistema, com impacto para um desenvolvimento mais sustentável da economia como um todo.

Mais ECO, menos EGO

Nesse processo de autodesenvolvimento constante, o líder consciente acaba por fortalecer também características altruístas naturalmente. Seu olhar sobre as pessoas e o propósito que rege sua atuação é maior do que ganhos pessoais e seu próprio ego simplesmente.   

Liderar com a consciência da importância do cuidado para com toda forma de vida e para o fato de tudo estar conectado por uma narrativa de “interser” com a natureza, com os demais seres humanos e com o planeta transforma totalmente a perspectiva de qualquer negócio e traz resultados melhores para o mundo. E que lindo um mundo assim pode se tornar… 

Momento de regenerar

Felizmente estamos percebendo que esse chamado tem atraído atenção de muitos profissionais e pessoas em busca de uma forma de contribuir com o mundo e deixar um legado para a sociedade. Daí a importância do trabalho de movimentos como o Capitalismo Consciente também no sentido de fomentar essa jornada. 

Como eterna aprendiz, sou grata por encontrar lugares assim na minha jornada e espero também, cada vez mais, ser essa liderança consciente e regenerativa.

*Simone Hain Venancio – Líder da Filial Regional do Capitalismo Consciente em Curitiba (PR), Fundadora da Propositiva Consulting, Conscious Business Professional pela Humanizadas, Multiplicadora do Sistema B Brasil e fomentadora das Novas economias.

  • Como dar um bom Feedback
    O feedback realizado com assertividade pode ser uma importante e valiosa ferramenta para ajustar os processos dentro de uma empresa. O que muita gente não sabe é que esse retorno pode ter diferentes finalidades, sendo que os mais usados servem para: corrigir, reconhecer e desenvolver.
  • Oito lideranças femininas de ESG para seguir e se inspirar
    As empresas que não investem em programas da agenda ESG estão ficando para trás. A sigla refere-se a environmental, social and governance, que engloba as práticas de governança ambiental, social e corporativa de uma organização. Cada vez mais esses pilares são considerados na estratégia, nas análises de riscos e nas decisões de investimentos de uma companhia.
  • 7 competências para ser uma Liderança Consciente
    O fator humano ganha destaque no mundo corporativo trazendo diferenciais competitivos para dentro das empresas. A liderança, neste contexto, tem ganhado um papel relevante para a construção de negócios mais conscientes, inspiradores e com foco nas pessoas. O que propomos neste artigo, é apresentar 7 competências da liderança consciente com o propósito de construir uma gestão mais humanizada e espaços mais acolhedores para todos os colaboradores.
  • “Se eu for um líder consciente, vou à falência!”
    Na dimensão social, da mesma forma, as práticas de inclusão, diversidade, cuidados com saúde e bem-estar do colaborador já possuem resultados que levam à maior retenção, diminuição do absenteísmo e aumento da produtividade. Atender a todas as dimensões, com estratégias inteligentes, com certeza levam ao fortalecimento da marca, um resultado não tangível de forma imediata.
  • No lugar de um problema, três alternativas
    Em minha trajetória, muitos foram os episódios em que pessoas adentravam à minha sala com a seguinte fala: “temos um problema”. Provavelmente procurando em minhas palavras uma solução. Eram surpreendidos com a seguinte devolutiva: “retorna com três alternativas que juntos optamos pela mais adequada”. E, não poucas vezes, saíam da conversa frustrados e sem entender que isso era para que eles pudessem se desenvolver.
  • 04 passos para a mudança de mindset de uma liderança
    Devido ao nosso modelo econômico atual, a extensão do impacto e a capilaridade, as empresas passaram a ser cobradas pela sociedade para liderar essas mudanças. Questionamentos sobre práticas organizacionais, escolha de investimento, relacionamento com fornecedores, dentre outros tópicos, foram palco de discussões e de agendas globais de desenvolvimento.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Cuidar da água é tarefa de todos!

A água — e principalmente a falta dela — é um tema recorrente. Está nos debates escolares, nos noticiários e, em casos extremos, nas torneiras secas de algumas grandes cidades do mundo. Na nossa vida cotidiana, sua presença é marcante: afinal, 70% do nosso corpo é água. Nossa atenção só é chamada para ela, justamente, quando falta. Ou, então, quando ela vem em excesso, em catástrofes climáticas cada vez mais comuns.

A importância da biodiversidade

Áreas de Alto Valor de Conservação (AAVC) são formadas por milhares de hectares de florestas nativas nos diversos biomas do Brasil onde crescem espécies endêmicas e ameaçadas da fauna e da flora. Toda floresta tem valor ambiental e social, mas essas áreas, conhecidas com AAVC, são consideradas especiais.

Embaixador(a) I

R$ 0,00