Mergulhando no desconhecido sobre o equilíbrio entre os poderes masculino e feminino na liderança

por Graziela Merlina*

O livro Liderança Shakti, de Nilima Bhat & Raj Sisodia, chegou em minhas mãos pelo Movimento Capitalismo Consciente. Ler esse livro despertou tanta coisa em mim. Quebrou alguns modelos mentais instalados. Então foi praticamente natural decidir patrocinar a sua tradução para o português.

Lançado no Brasil em fevereiro/2018, ele tem sido fonte e inspiração para diversas palestras e programas de desenvolvimento de líderes. Afinal, sua chamada é sobre o equilíbrio entre os valores masculino e feminino na liderança.

Quando você começa a vibrar e divulgar uma ideia ao mundo, ele te responde de diversas formas. Uns concordam, outros discordam e muitos questionam, aprimoram e contribuem com a evolução da ideia.

Foi então que comecei a partir do livro, ir além dele. Me perguntando o que ainda desconheço. E como a vida é cíclica, dois anos depois de seu lançamento me vejo aqui compartilhando algumas reflexões.

Desconheço um mundo onde essas energias estiveram ou estejam equilibradas. Vivemos eras de matriarcado e patriarcado, mas não de equilíbrio. Ora o poder feminino, ora o poder masculino prevaleceu no mundo. Então, o equilíbrio dos dois poderes é desconhecido sim. Um convite, um chamado para uma aventura que promete novos níveis de consciência no mundo.

O livro traz alguns pilares essenciais para o exercício desse equilíbrio. E é a partir deles que me pergunto (e a você) o que ainda desconhecemos sobre o assunto.

PRESENÇA

É sobre estar por inteiro onde se está. Segundo os autores, três coisas nos tiram do estado de presença: quando temos algo a temer, algo a defender ou algo a promover. Deixamos de ser porque deixamos de estar. Porque saímos da consciência do presente para a consciência do passado (defesa) ou do futuro (medo e autopromoção).

Qual o convite ao desconhecido aqui?

Quando a humanidade estiver operando na presença, toda experiência que estiver reprimida em nossa consciência (porque estávamos mais focados no passado ou no futuro), terá mais espaço para ser reconhecida, acessada e manifestada? Isso nos dará mais oportunidade de entender o outro e entrar em sintonia com ele? Se sim, o estado coletivo de presença nos permitirá uma comunicação mais autêntica, deixando aos robôs o que é deles?

PLENITUDE

É sobre o equilíbrio, a integração e união de todas as partes fragmentadas do indivíduo (luz e sombra). É sobre reconhecermos as nossas sombras e aprendermos a integra-las, lidar com elas sem negação, mas sim trazendo luz. E isso é diferente de dar atenção somente ao nosso lado luz.

Qual o convite ao desconhecido aqui?

Quando as nossas sombras puderem ser tratadas como parte da evolução humana e assim deixar de ser motivo de culpa ou vergonha, estaremos mais disponíveis a ajudar e ser ajudado uns pelos outros? A sombra aprisionada pela necessidade de ter razão, sucesso, harmonia, popularidade, heroísmo quando iluminada nos tornará vulneráveis a sermos ajudados, escutados e amparados? Neste cenário, reaprenderemos a sermos humanos, deixando aos robôs o que é deles? O que essa humanização mudará na sociedade e na forma como interagimos?

FLEXIBILIDADE

É a capacidade de navegar entre as polaridades das energias masculina e feminina, e estabelecer um equilíbrio dinâmico entre elas. É quando reconhecemos que todos nós temos características, tanto maduras quanto imaturas, das duas energias. E isso é humano – não se trata de gênero.

Quando alguma característica imatura se manifesta em nós, ela pode ser equilibrada acessando a característica madura da energia oposta. Ou seja, não há equilíbrio atuando apenas em uma das polaridades. Claro que, primeiro é necessário que ambas energias estejam integradas em nós para que então possamos praticar a Flexibilidade.

Qual o convite ao desconhecido aqui?

Aprender a buscar equilíbrio dentro de nós e não fora de nós poderá nos livrar da necessidade de anestesiar a dor, o imaturo, o inconsciente em nós? A busca do equilíbrio colocará a humanidade em mais contato com suas emoções e como elas se manifestam no corpo? A auto cura será uma possibilidade quando aprendermos a diferenciar se estamos operando para alimentar nossos medos ou nosso propósito? Seremos assim representantes sociais do divino que há em nós, designando nosso papel ao exercício da cura, e deixando aos robôs o que é deles?

CONGRUÊNCIA

É sobre alinhamento das nossas ações com o nosso propósito e valores. É quando reconhecemos nosso porquê na vida e agimos, inspiramos e perseguimos estar em coerência com ele. Afinal, do que adianta termos presença, integrarmos nossas sombras, sermos flexíveis entre nossas energias e não agir em congruência com nosso propósito.

Qual o convite ao desconhecido aqui? Quando você abre mão de acessar o seu propósito não é uma decisão que afeta somente a si mesmo. O agir incoerente com suas intenções e valores cria uma interferência social. Você dará muito mais trabalho aqueles que buscam estar coerentes consigo mesmos e conectados com um propósito do bem para o mundo. Você quer ser interferência ou influência? E sendo todos nós influência, o nível de esforço para evoluir o mundo será menor? A que outros aspectos dedicaremos o esforço da nossa energia humana, deixando aos robôs o que é deles?

Isso tudo é o que chamamos de elevação da consciência. Afinal, do que adiantaria tentar resolver os problemas humanos a partir do mesmo nível de consciência em que foram criados?

Trazendo algumas inspirações, para refletir que elevar consciência implica em acabar com a distância entre o que está dentro e o que está fora.

Jung diz: “Só aquilo que somos realmente tem o poder de curar-nos”.

Bhat & Sisodia afirmam no livro: “A pessoa que você é, é o líder que você é”.

Joseph Campbell na idealização da Jornada do Herói: “O privilégio da vida é ser quem você é”.

“Se percebemos que a vida realmente tem um sentido, percebemos também que somos úteis uns aos outros. Ser um ser humano, é trabalhar por algo além de si mesmo” nos lembra Viktor Frankl.

“Ser energia é uma dádiva. Ser ignição é uma escolha”, aprendizado de vida – Graziela Merlina.

*Graziela Merlina – Idealizadora na @casamerlina / Conselheira no @capitalismoconscientebrasil / Fundadora da @ApoenaRH

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on telegram

Deixe seu comentário

Posts recentes

Mapas, quando precisamos de bússola

Esta semana fui impactado por uma reflexão sobre a importância do mapa e da bússola em uma jornada. A provocação partiu de Julia Tolezano da Veiga Faria, escritora, influencer e jornalista, também conhecida como Jout Jout. Proponho extrapolar e ampliar a reflexão neste artigo.

A revolução das relações

Vivemos um importante período de transição que nos convida a MUDAR a forma como nos relacionamos com nós mesmos e com o mundo. Isto porque a consciência que criou o mundo que vivemos hoje não pode ser a mesma que nos ajudará a criar o futuro.

Embaixador(a) I

R$ 0,00